Menu
2020-04-21T12:11:38-03:00
Estadão Conteúdo
Minas Gerais

Zema busca apoio de Bolsonaro para obter recursos

Governador não assinou a carta escrita por chefes dos Executivos estaduais contra as declarações recentes de Bolsonaro sobre os líderes do Congresso

21 de abril de 2020
12:11
Governador de MG, Romeu Zema
Romeu Zema, governador de Minas Gerais. - Imagem: Raul Junior/BTG

Com o Estado em péssimas condições financeiras e dependente de um socorro do governo federal para tentar sair da crise, o governador de Minas, Romeu Zema (Novo), se tornou a única base apoio do presidente Jair Bolsonaro no Sudeste. O governador não assinou a carta escrita por chefes dos Executivos estaduais contra as declarações recentes de Bolsonaro sobre os líderes do Congresso. O texto, divulgado anteontem, foi redigido por 20 governadores.

A justificativa para a não assinatura a carta é que ele quer distância do embate político com o presidente, pois já tem "tantos incêndios para apagar em Minas Gerais, uma crise financeira descomunal". O governador tenta se equilibrar entre o combate à covid-19 e um alinhamento maior ao presidente.

Bolsonaro defende o afrouxamento das medidas de isolamento social, mas, ao mesmo tempo, é quem pode ajudar Zema a incluir Minas no chamado Regime de Recuperação Fiscal, que possibilitaria ao Estado, por exemplo, renegociar dívidas administradas pelo Tesouro. O governador quer ainda vender à União a estatal Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemig). O valor seria de R$ 35 bilhões. A dívida de Minas com a União é de cerca de R$ 100 bilhões.

Zema avalia não haver outra forma de melhorar as finanças do Estado que não passem por caminhos que levam ao governo federal. No dia 9, foi a Brasília se encontrar com o presidente. No mesmo dia, anunciou uma série de medidas para que professores retomassem suas atividades a partir de 4 de maio "em regime não presencial". No dia 15, as medidas foram derrubadas pela Justiça, depois de ação movida pelos educadores.

Antes da ida a Brasília, em outro aceno ao presidente, Zema não assinou em março a Carta dos Governadores do Brasil Neste Momento de Crise, que criticava o comportamento de Bolsonaro no enfrentamento à pandemia. Apesar disso, o governador não conseguiu retorno do Planalto.

Enquanto o governador se joga para Bolsonaro, o secretário de Saúde de Minas, Carlos Eduardo Amaral, afirma serem fundamentais as medidas de isolamento social para o combate à pandemia. "É uma estratégia clara, a de reduzir a velocidade da propagação do vírus".

A assessoria de Zema, em nota, disse que o governo "mantém discussões com o presidente Jair Bolsonaro para tratar da crise econômica, agravada pelo coronavírus no Estado". E que, nesse sentido, "o governador apresentou ao governo federal questões relevantes".

Respaldo

A decisão de Zema de se descolar do bloco de governadores que faz oposição a Bolsonaro conta com o respaldo do seu partido. Para o Novo, o Fórum de Governadores se tornou uma arena política na qual parte dos integrantes busca se cacifar para disputar o Palácio do Planalto em 2022. Presidente do Novo, Eduardo Ribeiro disse que "não há necessidade" de assinar a carta aberta do Fórum. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Dia de decisão

Fed mantém juros e ritmo de estímulos, mas fala de Powell pesa nos mercados

Presidente do Federal Reserve vê um longo caminho até que a economia americana se recupere dos impactos do coronavírus

desigualdade de gênero

Fundos têm que investir em empresas com mulheres no conselho, diz Luiza Trajano

No Brasil, 8% das posições em conselhos de administração, instância estratégia de uma companhia, são ocupadas por mulheres

Reação

Dias melhores virão para a Cielo? Saiba o que o mercado espera para a empresa depois do lucro acima do esperado

Empresa de maquininhas de cartão registra o primeiro aumento no lucro trimestral em três anos e ações disparam na B3. Mas os analistas ainda não recomendam a compra dos papéis

em meio à pandemia

Financiamento imobiliário cresce 58% em 2020 e bate recorde histórico

Expansão do crédito imobiliário em 2020 foi puxada, principalmente, pela liberação de financiamentos para a pessoa física fazer a compra de moradias

balanço

Contas externas têm saldo negativo de US$ 12,5 bi em 2020, diz BC

Brasil viu as importações de produtos caírem, enquanto as exportações se mantiveram em níveis elevados, puxadas pela venda de alimentos para outros países

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies