Menu
2020-05-07T06:57:07-03:00
Estadão Conteúdo
movimentações do centrão

Maia diz que tentativa de Bolsonaro construir base facilita seu trabalho

Para o presidente da Câmara, é um direito democrático um partido querer defender as pautas do governo

7 de maio de 2020
6:28 - atualizado às 6:57
Maia Previdência
Imagem: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse não se incomodar com os movimentos de aproximação do Centrão com o presidente Jair Bolsonaro e que a tentativa de construção de uma base governista facilita seu trabalho.

A possibilidade de indicar um nome para comandar o Dnocs foi usada pelo líder do PP na Câmara, Arthur Lira (AL), para angariar apoio na Câmara. Pré-candidato á sucessão de Maia, ele repassou a indicação ao deputado Sebastião Oliveira (PL-PE), segundo fontes.

Questionado sobre esse movimento Lira e sobre sua relação com o líder do PP, Maia disse ter uma ótima relação com os colegas. "Relação ótima com todos os líderes, eu não misturo as coisas porque, se um partido quer participar do governo, o que isso tem a ver minha relação com o partido aqui na Câmara dos Deputados?", respondeu o deputado.

Para Maia, é um direito democrático um partido querer defender as pautas do governo. "É legítimo que o governo tenha o direito de organizar sua base. Se é com o PP ou com outros partidos, é um direto do governo montar essa base de forma transparente para que a sociedade tenha as informações sobre como é qual é a relação do governo com o parlamento brasileiro", disse.

Ele negou que os movimentos sejam uma tentativa de esvaziar seu poder na Câmara. "Não vejo por aí. A pauta é do presidente da Câmara. Quem pauta é o presidente. Quem tem a responsabilidade de garantir votos para o governo são os líderes do governo e os partidos que fazem parte da sua base. Muito pelo contrário, eu acho que o governo ter uma base inclusive facilita o meu trabalho. Muitas vezes fui obrigado a cumprir um papel de articulador das maiorias, que não é um papel do presidente da Câmara", disse.

Maia disse inclusive que essa base poderá ser responsabilizada pelos erros e acertos dos projetos que apoiar.

Maia recebeu hoje na Câmara a visita dos ministros Luiz Eduardo Ramos e Braga Netto. Ele negou que foi conversado sobre um possível encontro entre ele e Bolsonaro e disse que tem um ótimo relacionamento com os dois ministros.

"Vieram fazer uma visita para trocar ideias sobre a pauta e sobre a conjuntura do momento. Foi uma ótima reunião, tenho uma boa relação com os dois", disse Maia. "A gente não pode misturar os conflitos políticos com aqueles ministros que estão organizando, coordenando a agenda política e a gestão pública do governo", afirmou.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

pandemia

Governo vai comprar vacina desenvolvida na China, diz Mourão

Vice-presidente disse que polêmica em torno da vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan é “briga política” com Doria

DESTAQUE DO DIA

Suzano se descola do Ibovespa e sobe mais de 1% após resultados do 3º trimestre

Analistas destacam que Ebitda superou estimativas e elogiam fluxo de caixa livre e desalavancagem

sob pressão

Inflação e redução do auxílio emergencial já derrubam vendas nos supermercados

Em outubro, a prévia da inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor-15 (IPCA-15) atingiu 0,94%. O resultado é mais que o dobro da inflação registrada em setembro e a maior alta para o mês em 25 anos

efeito pandemia

Setor público tem déficit primário de R$ 64,559 bi em setembro, diz BC

Em função da pandemia, cujos efeitos econômicos se intensificaram em março, o governo federal e os governos regionais passaram a enfrentar um cenário de forte retração das receitas e aumento dos gastos públicos.

AINDA RUIM

Taxa de desemprego atinge 14,4% no trimestre até agosto, a maior desde 2012

País registrou 13,794 milhões de desempregados no período, aumento de 8,5%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies