Menu
2020-03-18T15:07:50-03:00
Estadão Conteúdo
Crise do coronavírus

Governo oficializa pedido a Congresso para reconhecimento de estado de calamidade

Se aprovada conforme o pedido do Planalto, a medida terá efeito até 31 de dezembro de 2020

18 de março de 2020
15:07
29/08/2019 Cafe? da Manha? com Deputado Jose? Medeiros (PODE-
Ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente Jair Bolsonaro. - Imagem: Marcos Corrêa/PR

O governo federal oficializou na tarde desta quarta-feira, 18, o pedido para que o Congresso Nacional declare estado de "calamidade pública" no País. O reconhecimento possibilita que a União amplie os gastos para medidas relacionadas à epidemia do novo coronavírus.

Se aprovada conforme o pedido do Planalto, a medida terá efeito até 31 de dezembro de 2020.

A decretação de calamidade pública no País como uma opção estudada pelo governo para minimizar os impactos econômicos da pandemia foi antecipada pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

No documento, a União pede para que "seja dispensada de cumprir os resultados fiscais e o limite de empenho" previstos na Lei de Responsabilidade Fiscal.

A legislação permite a suspensão de metas fiscais na ocorrência de calamidade pública, incluindo a necessidade de bloqueio no Orçamento.

O governo argumenta que o cumprimento dos dispositivos previstos na lei poderiam inviabilizar políticas públicas essenciais para o enfrentamento à pandemia, e ainda que a abertura do crédito extraordinário de R$ 5 bilhões pode não ser suficiente para cobrir todos os gastos.

Na justificativa enviada ao Congresso, o governo reconhece que a situação causará um choque recessivo no curto prazo e afirma que a medida é uma tentativa para "suavizar os efeitos sobre a saúde da população e pelo menos atenuar a perda de produto, renda e emprego".

A mensagem com o pedido foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União (DOU).

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Acelerou

Bolsonaro assina sanção da lei que prorroga incentivos para setor automotivo

A sanção do projeto, assinada por Bolsonaro, deve ser publicada até esta quinta-feira, 29, no Diário Oficial da União (DOU).

o pior já passou?

Petrobras tem prejuízo de R$ 1,5 bilhão no terceiro trimestre, melhor do que o esperado

Analistas esperavam prejuízo de R$ 4,15 bilhões; após baixa com a pandemia, estatal aumentou a participação de mercado e manteve um patamar alto de exportações

Balanço

Bradesco supera projeções e tem lucro de R$ 5 bilhões no terceiro trimestre

O resultado do segundo maior banco privado brasileiro ainda é 23,1% menor que o do mesmo período de 2019, mas representa um avanço de 29,9% no trimestre

de olho na retomada

Para secretário, inflação não preocupa, é problema concentrado e transitório

Adolfo Sachsida reafirmou que a regra do teto de gastos será respeitada pelo governo

manutenção

Banco Central mantém Selic em 2% ao ano e continua a indicar juros parados no futuro

Apesar de deterioração do ambiente de reformas e alta da inflação no curto prazo, BC ainda não avalia necessidade de alta de juros. Um novo corte, no entanto, é difícil. Enquanto isso, mensagem sobre risco fiscal ganha força, segundo economista

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies