Menu
2020-02-20T15:42:38-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
mudança no calendário

Governo adia envio da reforma administrativa ao Congresso

Proposta, que tem sido chamada de “reforma do RH do serviço público”, prevê uma série de mudanças nas carreiras e na forma de contratação dos novos servidores

20 de fevereiro de 2020
13:04 - atualizado às 15:42
Ministro da economia, Paulo Guedes
Ministro da economia, Paulo Guedes - Imagem: Fernando Frazão/Agencia Brasil

Não passou de promessa. Na tarde desta quarta-feira, 19, o Congresso foi informado pelo governo que o texto da reforma administrativa não será mais enviado ao Parlamento nesta semana. A versão mais atual da novela prevê que o texto só chegue ao Legislativo após o carnaval.

Na terça-feira, 18, o presidente Jair Bolsonaro prometeu que encaminharia nesta quinta-feira, 20, o texto à Câmara. Era uma resposta à inquietação causada em todo o mercado, por causa da indefinição do Palácio do Planalto sobre a medida.

A reforma administrativa é um dos pilares da política econômica. A proposta, que tem sido chamada de "reforma do RH do serviço público", prevê uma série de mudanças nas carreiras e na forma de contratação dos novos servidores. Por determinação de Bolsonaro, a reforma não vai atingir a estabilidade ou os salários dos servidores públicos que já estão na ativa.

A reforma escrita pela equipe econômica de Paulo Guedes está na gaveta de Bolsonaro desde o ano passado. Há meses o ministro da Economia tem pressionado para que o texto seja enviado aos parlamentes, mas o Palácio do Planalto tem resistido em emplacar a reforma, receoso do custo político que as discussões possam causar para Bolsonaro, em pleno ano de campanha municipal.

Nesta semana, essa pressão ganhou força depois de o próprio Palácio do Planalto confirmar que o envio da proposta não tinha mais data para ocorrer, isso depois de três adiamentos. Bolsonaro, então, fez um gesto de afago a Guedes, se comprometendo a "passar a noite" estudando o texto. Mais uma vez, porém, o texto não saiu do Palácio.

Concursos

Por trás do vaivém do governo está o cálculo do custo político de sua proposta. Conforme mostrou o jornal O Estado de São Paulo, a equipe econômica defende a ideia de que novos concursos públicos só sejam realizados após o Congresso aprovar a reforma. Processos seletivos serão paralisados até que a nova proposta seja chancelada pelos parlamentares.

A avaliação é que o "estrangulamento" natural dos serviços públicos, decorrente de um grande número de pedidos de aposentadoria neste e nos próximos anos, faça com que as próprias categorias aceitem a reforma, para que voltem a contar com novas vagas nos órgãos federais.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), declarou que não vê necessidade de ter a reforma aprovada para que concursos sejam realizados.

Ao comentar o assunto, Bolsonaro disse que não pode ser "irresponsável" e abrir concursos públicos desnecessários. O presidente reforçou que os servidores atuais não vão "perder nada" com as mudanças que virão, mas disse que o quadro público atual está "inchado" e que, sendo assim, novos concursos só serão realizados caso se mostrem essenciais.

"Se tiver necessidade, a gente vai abrir concurso, mas não podemos ser irresponsáveis de abrir concursos que poderão ser desnecessários", disse Bolsonaro, no início da semana.

O presidente já foi alertado que a decisão de não enfrentar uma nova "agenda negativa" com a proposta pode sair mais caro, por causa dos impactos na economia, comprometendo até seus planos futuros de reeleição.

Apesar dos sinais trocados sobre o assunto, Rodrigo Maia disse que acredita na possibilidade de ver as reformas administrativa e tributária aprovadas ainda no primeiro semestre deste ano, sem que sejam comprometidas pelas eleições de outubro.

Amanhã ou depois do carnaval?

Mais tarde, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que Bolsonaro está fazendo os últimos ajustes na proposta de reforma, que poderá ser enviada para o Congresso Nacional "amanhã ou depois do carnaval".

"Está com o presidente. Ele está fazendo os últimos toques dele lá. O envio para o Congresso Nacional pode ser amanhã, pode ser depois do carnaval. Ele está fazendo os últimos ajustes", disse Guedes, enquanto caminhava do Ministério da Defesa para o Ministério da Economia.

Os prédios são vizinhos na Esplanada.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo e Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

medida emergencial

Instituições poderão reclassificar operações de crédito negociado, diz BC

Medida valerá para as operações renegociadas entre 1º de março e 30 de setembro de 2020

mercados hoje

Ibovespa abre em alta de 1,39%, aos 79 mil pontos, seguindo Wall Street; dólar cai a R$ 5,08

Apetite ao risco é sustentado pela divulgação de preços ao produtor nos EUA e os números de pedidos de auxílio-desemprego no país – ambos melhores do que esperado por analistas

Se ligue nos prazos

Você ganhou mais 60 dias para declarar o imposto de renda. Mas por onde começar?

A Leão aliviou e você agora tem até o dia 30 de junho para prestar contas. Aproveite o período em casa e faça a sua declaração sem erros

gigante asiático

China teve sinais de recuperação no comércio externo em março, diz governo

Setor exportador chinês continua enfrentando obstáculos ligados à disseminação do coronavírus no exterior

de olho no ipca

Inflação desacelera para 0,07% em março, mas preço dos alimentos avança após coronavírus

Maior contribuição negativa foi do grupo dos transportes, que recuou 0,90% – a queda foi de 16,75% no item passagens aéreas, que, segundo IBGE, não necessariamente reflete a crise do coronavírus

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

13 notícias para você começar o dia bem informado

O Seu Dinheiro traz hoje uma entrevista com Sergio Werlang, um dos mentores do sistema de metas de inflação. Ele criticou a atuação do Banco Central durante a crise do coronavírus e vê espaço para juros menores. Hoje mesmo vamos conhecer os números da inflação de março e verificar os primeiros impactos do coronavírus e […]

efeitos da crise

Petrobras cancela datas de pagamento de dividendos com base no resultado de 2019

Segundo a estatal, o montante é de R$ 1,7 bilhão (R$ 0,233649 por ação ordinária e R$ 0,000449 por ação preferencial)

de olho na crise

Japão aprova pacote de quase US$ 1 trilhão

Como se esperava, o governo japonês também declarou estado de emergência por um mês em função da covid-19

aquisição em meio a crise

Totvs compra Wealth Systems por R$ 27 milhões

Segundo a companhia, serão R$16,7 milhões pagos à vista aos vendedores e R$10,3 milhões a serem pagos em fevereiro de 2021

Esquenta dos mercados

Véspera de feriado é marcada por otimismo com relação à crise do petróleo e covid-19

Opep+ se reúne virtualmente e expectativa é por um novo corte na produção, com resolução do impasse entre os países exportadores. No Brasil, o dia é marcado pela divulgação do IPCA de março

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements