Menu
2020-04-01T07:27:10-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Novo pronunciamento

Bolsonaro modera o tom em novo pronunciamento, mas é alvo de panelaços

Presidente reconheceu a falta de um medicamento com eficácia confirmada para o combate à covid-19, citou a OMS e não pediu mais o fim do isolamento

31 de março de 2020
21:02 - atualizado às 7:27
49721350673_8196c49f16_c
(Brasília - DF, 31/03/2020) Pronunciamento do Presidente da República, Jair Bolsonaro em Rede Nacional de Rádio e Televisão. - Imagem: Isac Nóbrega/PR

O presidente da República Jair Bolsonaro voltou nesta terça-feira (31) à rede nacional para se pronunciar sobre a pandemia do novo coronavírus - e a equiparar vidas e empregos. Durante o discurso, houve registro de panelaços em diversas cidades.

Segundo o presidente, "todo indíviduo importa", mas, ao mesmo tempo, a perda de empregos tem de ser evitada em meio à crise. "Precisamos pensar nas pessoas mais vulneráveis, essa sempre foi a minha preocupação", disse.

Bolsonaro mudou o tom e reconheceu a falta de um medicamento com eficácia confirmada para o combate à covid-19. Mas citou novamente a hidroxicloroquina, dizendo "parecer bastante eficaz" - o remédio não tem eficácia comprovada contro a covid-19. Mas o presidente elogiou a atuação das Forças Armadas para a produção do medicamento.

"Os laboratórios químico-farmacêuticos militares entraram com força total e em 12 dias serão produzidos 1 milhão de comprimidos de cloroquina, além de álcool em gel", disse.

O presidente reforçou o anúncio feito pelas redes sociais do acordo firmado hoje com a indústria farmacêutica para adiar o reajuste do preço de medicamentos por 60 dias.

OMS

Bolsonaro voltou a citar o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus. Mais cedo, em conversa com jornalistas e apoiadores, o presidente não colocou o contexto em que a declaração.

O presidente omitiu um trecho em que Tedros afirma que governos de todo o mundo precisam garantir assistência a pessoas mais vulneráveis e informar sobre a duração das medidas de restrição de movimentação das pessoas.

Tedros usou sua conta no Twitter para esclarecer o assunto na tarde desta terça-feira. "Pessoas sem renda regular ou qualquer reserva financeira merecem políticas sociais que lhes garantam dignidade e permitam a elas seguir as medidas de saúde pública contra covid-19 aconselhadas pelas autoridades médicas e a OMS."

Fim do isolamento

Na contramão do que defende o ministério da Saúde e a OMS, o presidente está tentando afrouxar as medidas de isolamento para o combate ao novo coronavírus. Mas em novo pronunciamento não fez menção a medida.

No último domingo, 29, Bolsonaro foi às ruas de Brasília e causou aglomerações ao visitar vários comércios locais ainda abertos. A atitude, de acordo com especialistas, pode enquadrar o mandatário no artigo 268 do Código Penal ou na Lei de Responsabilidade.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Rankings

Os fundos imobiliários mais rentáveis dos últimos cinco anos

Saiba quais foram os FII com maiores retornos de dividendos e com as maiores valorizações na bolsa no longo prazo

fique de olho

Petrobras reajusta gasolina em 7,6%; aumento vale a partir da terça-feira, dia 19

Esse é o primeiro aumento do ano; empresa tem sido criticada por um grupo de concorrentes, acusada de praticar valores abaixo da paridade internacional

indo às compras

XP vê setor de supermercados melhor que antes da pandemia e escolhe ação favorita

Analistas avaliam que segmento apresenta dinâmica de resultados favorável e papéis baratos em termos históricos

na b3

Bemobi, clube de assinatura de aplicativos, pode levantar R$ 1 bi em IPO

Empresa precifica os papéis no dia 8 de fevereiro; companhia, que faz parte de grupo norueguês, vende assinaturas de apps, soluções de “micro finanças”, entre outros

OUÇA DE GRAÇA

Do zero ao R$ 1 bilhão: como a Empiricus usa tecnologia para vender produtos digitais

Na edição dessa semana do Tela Azul, recebemos o Rodrigo Gianotto head de e-commerce da Empiricus.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies