Menu
2020-12-10T16:15:04-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
efeito pandemia

‘É menos ruim ter inflação do que desabastecimento’, diz Bolsonaro

Em novembro o IPCA acelerou 0,89%, na maior variação para o mês desde 2015; alta mais expressiva é em alimentação e bebidas

10 de dezembro de 2020
16:14 - atualizado às 16:15
50703189337_0ab1de1a98_c
(Barra do Ribeiro - RS, 10/12/2020) Bolsonaro, em visita alusiva à liberação de 27km de trecho duplicado da BR-116. Foto: Alan Santos/PR -

O presidente Jair Bolsonaro disse que “é menos ruim ter inflação que um desabastecimento”, em visita ao Rio Grande do Sul nesta quinta-feira (10) para na inauguração do eixo principal da nova ponte do Guaíba, em Porto Alegre.

Ao falar da disparada de preços em alguns produtos como, por exemplo, o arroz e óleo de soja, Bolsonaro afirmou que se o homem do campo tivesse ficado em casa, “teria sido um caos”.

“Ainda estamos vivendo um finalzinho de pandemia. O nosso governo, levando-se em conta outros países do mundo, foi aquele que melhor se saiu, ou um dos que melhor se saíram no tocante à economia", falou. A economia brasileira deve ter uma contração de 4,40%, segundo projeções do mercado financeiro.

"O auxílio emergencial foi diretamente na veia, diretamente na conta de 67 milhões de brasileiros, que precisavam realmente disso aí. Isso fez também movimentar a também economia de estados e municípios", disse Bolsonaro.

O presidente também lembrou o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), que socorreu micro e pequenas empresas durante a pandemia.

Alta dos preços

Nas últimas semanas, a inflação tem continuamente avançado e superado projeções do mercado. Em novembro o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acelerou 0,89%, na maior variação para o mês desde 2015.

O índice acumula em 12 meses alta de 4,31%, sendo que as altas mais recentes são puxadas por alimentação e bebidas. Em novembro, o grupo apresentou avanço de 2,54% nos preços, uma aceleração ante outubro (1,93%).

Dentro do segmento, a aceleração foi provocada por altas mais intensas em alguns itens do subgrupo alimentos para consumo no domicílio (3,33%), principalmente carnes (6,54%) e da batata-inglesa (29,65%).

Além disso, os preços de outros alimentos importantes na cesta das famílias, como o tomate (18,45%), o arroz (6,28%) e o óleo de soja (9,24%) seguem em alta.

*Com informações da Agência Brasil

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Nem o agro se salva

Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) engrossa a lista de IPOs adiados em 2021

A empresa, que já havia interrompido a oferta por alguns dias em janeiro, citou a “deterioração” do mercado em seu segundo adiamento

perspectivas

Temporada de balanços 1º tri: quem deve ir bem e quem ainda está mal, segundo o BofA

Empresas começam a divulgar resultados de um período marcado por lockdowns e alta dos preços das commodities; veja o que esperar

vale o que pesa?

Oi perdeu atratividade após vender fibra ótica? BTG Pactual diz que não

Para analistas, que trabalham dentro do grupo que fez a oferta pelos ativos, as ações possuem bom potencial de alta em qualquer cenário

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies