Menu
2020-12-08T19:12:59-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
não para de subir

IPCA sobe 0,89% em novembro, acima do esperado pelo mercado

Pela primeira vez desde fevereiro, inflação acumulada em 12 meses ultrapassa o centro da meta para 2020

8 de dezembro de 2020
9:30 - atualizado às 19:12
Alta da inflação
Imagem: shutterstock

Ao contrário do esperado pelo mercado, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acelerou entre outubro e novembro, de 0,86% para 0,89%, sendo esta a maior variação para o mês desde 2015. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (8) pelo IBGE.

A mediana das estimativas da pesquisa Projeções Broadcast apontava para um arrefecimento do índice oficial de inflação do País em novembro, para 0,78%. Todas as 40 instituições consultadas esperavam desaceleração, com estimativas de taxas entre 0,70% e 0,85%.

Com isto, o IPCA acumulado em 12 meses ultrapassou pela primeira vez desde fevereiro o centro da meta de inflação para 2020, de 4,0%, atingindo 4,31%. O movimento já era esperado pelo mercado, mas numa intensidade menor – a mediana apontava uma leitura de 4,19%, com as projeções indo de 4,06% a 4,88%.

Alimentos novamente

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE, sete tiveram alta em novembro.

Alimentação e bebidas continuou sendo o principal responsável por puxar a inflação. No mês passado, o grupo apresentou avanço de 2,54% nos preços, uma aceleração ante outubro (1,93%). O efeito sobre o IPCA foi de 0,53 ponto percentual (p.p.).

Dentro do segmento, a aceleração foi provocada por altas mais intensas em alguns itens do subgrupo alimentos para consumo no domicílio (3,33%), principalmente carnes (6,54%) e da batata-inglesa (29,65%).

Além disso, os preços de outros alimentos importantes na cesta das famílias, como o tomate (18,45%), o arroz (6,28%) e o óleo de soja (9,24%) seguem em alta.

Outros grupos

A segunda maior contribuição (0,26 p.p.) veio de Transportes (1,33%). Juntos, Alimentos e Transportes representaram cerca de 89% do IPCA de novembro. 

A parte de Artigos de residência (0,86%), por sua vez, desacelerou em relação ao mês anterior (1,53%), assim como Vestuário (0,07% em novembro, frente à alta de 1,11% em outubro).

Os demais grupos ficaram entre a queda de 0,13% em Saúde e cuidados pessoais e a alta de 0,44% em Habitação.

* Com informações da Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

SEXTOU COM O RUY

O que uma pesquisa no Google diz sobre as ações com maior potencial na reabertura da economia

De maneira geral, as pessoas estão com vontade de sair de casa, até mesmo para fazer coisas que nem gostavam tanto assim — como ir ao teatro, no meu caso

balanço do dia

Covid-19: Brasil tem 430.417 mortes e 74.592 novos casos da doença

O Brasil bateu a marca das 430 mil vidas perdidas para a pandemia do novo coronavírus. Nas últimas 24 horas foram registradas 2.383 novas mortes. Com isso, o total de vítimas que não resistiram à covid-19 chegou a 430.417. Ainda há 3.671 óbitos em investigação. Isso ocorre porque há casos em que um paciente morre, […]

Digital em alta

Vendas do Magazine Luiza saltam 62% no trimestre; e-commerce é 70% do total

O Magazine Luiza mostrou crescimento nas linhas de receita, Ebitda e lucro; a participação do e-commerce nas vendas totais segue aumentando

1º TRI

Petrobras reverte prejuízo do 1º trimestre anterior e lucra R$ 1,6 bilhão; Ebitda sobe mais de 30%

O resultado foi beneficiado pela alta do barril de petróleo no mercado internacional, mas sentiu o peso da valorização do dólar.

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

A inflação americana na Broadway e outros destaques

O dilema dos Bancos Centrais renderia um musical na Broadway. Um enredo cheio de intrigas e drama; personagens em conflito, cientes de que suas decisões impactam o mundo todo. Subir ou não subir os juros, eis a questão. A inflação americana, afinal, começa a aumentar num ritmo preocupante — e muito por causa da postura […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies