Menu
2020-05-19T11:02:09-03:00
Estadão Conteúdo
MI OU BILHÕES?

Conta de luz: Bolsonaro diz que Tarifa Social teve R$ 250 bi, mas foram R$ 900 mi

Segundo a postagem de Bolsonaro nesta terça-feira, seriam “R$ 250 bilhões liberados para cobrir os descontos do Programa tarifa social que garantem desconto para famílias de baixa renda na conta de luz”.

19 de maio de 2020
11:02
49815382517_6fe015ea14_c
(Brasília - DF, 24/04/2020) Presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Alan Santos/PR -

O presidente Jair Bolsonaro usou sua conta no Twitter para divulgar ações do governo no combate aos efeitos da pandemia do novo coronavírus no País, mas acabou inflando muito os valores destinados ao programa Tarifa Social, que dá descontos na conta de luz para famílias de baixa renda.

O Ministério da Economia destinou R$ 900 milhões ao programa, mas o presidente citou um valor bem maior, de R$ 250 bilhões. Segundo a postagem de Bolsonaro nesta terça-feira, seriam "R$ 250 bilhões liberados para cobrir os descontos do Programa tarifa social que garantem desconto para famílias de baixa renda na conta de luz".

No início de abril, o governo editou uma Medida Provisória (MP) para prever que o Tesouro ajude a pagar a conta de luz das pessoas de baixa renda, por até três meses, desde que o consumo seja de no máximo 220 kWh. Na prática, famílias que têm desconto entre 10% e 65% de acordo com as regras do programa Tarifa Social passarão, nestes três meses, a ter desconto de 100%.

Esses descontos adicionais é que serão bancados com o aporte do Tesouro, no valor de R$ 900 milhões.

Na mesma postagem, Bolsonaro destacou outras medidas do governo, como aprovação de linha emergencial de R$ 2 bilhões em crédito do BNDES para pequenas empresas, entrega de cestas básicas a indígenas e a destinação de R$ 12,7 bilhões para o benefício emergencial pago a trabalhadores com carteira assinada que tiverem salário e jornada reduzidos ou contrato suspenso.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

seu dinheiro na sua noite

Fidelidade em baixa com a pandemia

Não, não estou falando da fidelidade entre casais. Até porque, por mais que a convivência excessiva em família na quarentena tenha abalado alguns casamentos, o momento não anda muito propício às puladas de cerca. Estou falando do setor de fidelidade, que abarca as empresas de programas de pontos e milhagem, sobretudo aqueles ligados às companhias […]

Empresa ligada à Vale

Justiça aprova pedido de Recuperação Judicial da Samarco

RJ não terá impacto nas atividades operacionais da mineradora, nem nas ações de reparação e compensação pela tragédia de Mariana

FECHAMENTO

Ibovespa ignora tensão em Brasília e NY no vermelho e avança 1%; dólar também sobe

Enquanto as blue chips garantiram o bom desempenho do Ibovespa, o dólar avançou 0,84%, pressionado pelo noticiário em Brasília

Exaltou integração

Presidente do Banco Central não enxerga competição entre bancos e fintechs

Segundo Campos Neto, a integração entre as mídias sociais e o sistema financeiro é maior inovação que existe no momento

Menos pontos e milhas

Setor de empresas de fidelidade encolhe quase 30% em 2020

O segmento de fidelidade movimentou R$ 5,3 bilhões em 2020, segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies