Menu
2020-03-16T13:53:32-03:00
Não é tudo isso

Bolsonaro diz que há ‘superdimensionamento’ em relação ao coronavírus

Presidente de novo descumpriu orientação de ficar em quarentena após ter contato com pessoa infectada por coronavírus e deixou o Palácio da Alvorada nesta manhã

16 de março de 2020
12:10 - atualizado às 13:53
Jair Bolsonaro pronunciamento coronavírus
Imagem: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro voltou a descumprir a orientação de ficar em quarentena após ter contato com uma pessoa infectada por coronavírus e deixou o Palácio da Alvorada na manhã desta segunda-feira, 16. Ao deixar a residência oficial em direção ao Palácio do Planalto, seu local de trabalho, ele voltou a minimizar a pandemia da doença, que já matou 5.735 pessoas no mundo.

"Foi surpreendente o que aconteceu na rua até com esse superdimensionamento. Que vai ter problema vai ter, quem é idoso, (quem) está com problema, (quem tem) alguma deficiência, mas não é tudo isso que dizem. Até que a China já praticamente está acabando", afirmou o presidente, que no domingo (15) participou de manifestação em Brasília, contrariando recomendação do próprio Ministério da Saúde. Em entrevista concedida à Rádio Bandeirantes nesta segunda, Bolsonaro disse estar se sentindo "muitíssimo bem" e que realizará novo exame na terça-feira, 17.

Ele deixou o isolamento que deveria fazer por ter tido contato com pelo menos 11 pessoas que estão infectadas. Análise feita pelo jornal O Estado de S. Paulo do vídeo da participação de Bolsonaro mostra que ele teve contato físico com 272 pessoas em cerca de 58 minutos.

Ao deixar o Alvorada na manhã desta segunda-feira, Bolsonaro disse que não apertaria a mão dos apoiadores que se aglomeravam em uma área cercada na entrada do palácio, mas pediu a eles que se aproximassem. "Vou evitar apertar a mão aí de vocês. Chega mais para a gente conversar. Obrigado pela presença. Alguma coisa aí?", questionou, esperando perguntas do grupo.

Na China, origem da disseminação do coronavírus no mundo, já foram confirmados 81.048 casos de contaminação, com registro de 3.204 mortes. O avanço da doença está diminuindo, ontem, foram registrados apenas 27 casos novos da doença, segundo dados divulgados pela OMS. A taxa de letalidade somente na China é de 3,95%, ante uma taxa de 3,74% no mundo.

Enquanto na China há uma redução do número de novos casos, na Itália, já chegam a 21.157 doentes com o novo coronavírus e 1.441 mortes, o que dá uma taxa de letalidade de 6,81%.

No Brasil, são 200 casos confirmados que estão distribuídos por 14 Estados e o Distrito Federal, a maioria em São Paulo. O País tem 1.915 casos suspeitos e 1.470 análises foram descartadas.

Manifestações

Além das críticas por desrespeito às diretrizes de combate a uma doença que se espalhou mundialmente, Bolsonaro também foi atacado por ter participado de manifestações que atacam o Parlamento. Enquanto o presidente cumprimentava simpatizantes em frente ao Palácio do Planalto, manifestantes gritavam "Fora Maia", em referência ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Um deles chegou a pedir que o Bolsonaro fechasse o Congresso. Era possível ouvir também ouvir gritos contra o presidente do STF, Dias Toffoli.

Na conversa com os apoiadores hoje pela manhã, o presidente criticou a imprensa por ter noticiado que ele participou do ato em Brasília ao lado de cartazes que defendiam o fechamento do Congresso. "Essa imprensa mentirosa aí, capas dos jornais dizendo que eu tô falando para fechar o Congresso. Eu nunca falei isso. Nada, nada. Tudo é mentira."

Resposta a Maia

Bolsonaro reagiu às críticas feitas pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), após o chefe do Planalto ter participado das manifestações pró-governo no domingo. Bolsonaro foi ao ato, apesar da orientação do Ministério da Saúde para evitar aglomerações de pessoas e da orientação de médicos e auxiliares.

O presidente da Câmara classificou a atitude como um "atentado à saúde pública". Em resposta, Bolsonaro declarou ter sofrido um "ataque frontal" de Rodrigo Maia. E ainda lembrou que o parlamentar, assim como o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), participou de evento no Parque do Ibirapuera com 1,3 mil pessoas.

"Maia me chamou de irresponsável, fez um ataque frontal. Nunca tratei ele dessa maneira. É um jogo. Desgastar, desgastar, desgastar. Tem gente que está em campanha até hoje para 2022, dando pancada em mim o tempo todo", declarou Bolsonaro em entrevista à Rádio Bandeirantes.

"O (ministro da Saúde, Luiz Henrique) Mandetta esteve em São Paulo com o governador Doria e depois que terminou a entrevista o Doria começa a descer o cacete no governo. A elite política se reuniu em 1,3 mil pessoas na oca do Parque Ibirapuera e eu não posso chegar perto das pessoas na rua."

O presidente da República relatou ainda ter conversado com Rodrigo Maia e dado a receita para o presidente da Câmara reduzir as críticas que recebe. De acordo com Bolsonaro, o parlamentar precisaria começar a trabalhar por pautas que interessam ao conjunto do povo brasileiro. No domingo, Maia foi um dos alvos dos manifestantes.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

diante da crise

Cortes de emprego nos EUA disparam em março com coronavírus

Número saltou de 56.660 em fevereiro para 222.288 em março

dinheiro no caixa

Petrobras fecha acordo com Sete Brasil e vai reverter provisão de R$ 634 milhões

Anúncio dá mais fôlego para a companhia, que deve ter uma redução de receitas por conta da crise do coronavírus e da disputa de preços

tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

12 notícias para você começar o dia bem informado

Se o coronavírus colocou a população sob isolamento domiciliar, também levou quem estava “isolado” a abrir as portas. Estou falando de diversos fundos de investimento que estavam fechados para novos investidores e agora estão reabrindo para captação. Uma das gestoras que entrou nessa onda foi a Truxt, que tem R$ 12 bilhões na carteira. Em […]

efeitos da crise

BCE adia revisão de estratégia política monetária para 2021

Eventos públicos do BCE e dos bancos centrais nacionais do Eurosistema que estavam planejados para o primeiro semestre deverão ocorrer apenas na segunda metade de 2020

Conteúdo Patrocinado

De volta ao jogo: Ivan Sant’Anna retorna para a bolsa

A volta do Ivan é algo como se o Michael Jordan voltasse hoje a jogar na NBA, ou se o Fenômeno retornasse ao futebol nesta semana.

esquenta dos mercados

Esperança com resolução para crise do petróleo anima mercados, mas covid-19 segue no radar

Mesmo com o alívio das bolsas do exterior, os investidores seguem monitorando os números de casos de covid-19 e as medidas do governo para suporte da população

expectativa

Acredito que Rússia e Arábia Saudita farão acordo sobre petróleo, diz Trump

Republicano confirmou que se encontrará com empresas petrolíferas nesta sexta-feira, 3

diante da crise

Câmara aprova projeto que permite adiar recolhimento de INSS de funcionários

Proposta prevê que as companhias deixem de recolher a contribuição previdenciária dos trabalhadores por 60 dias, prorrogáveis por mais 30

medida emergencial

Governo permite redução salarial de até 70% e suspensão de contratos

Governo pagará uma parte do seguro-desemprego a que o trabalhador teria direito se fosse demitido; empresas sob os regimes de lucro real e lucro presumido, com receita bruta acima de R$ 4,8 milhões, serão obrigadas a arcar com 30% do salário do funcionário para poder suspender o contrato

Entrevista exclusiva

Truxt reabre fundos para captação com foco em ações de “sobreviventes” na B3

Queda generalizada de ações abre oportunidade de compra, mas recuperação das bolsas nos EUA deve ocorrer primeiro, me disse José Tovar, CEO da gestora que possui R$ 12 bilhões em patrimônio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements