Menu
2020-01-01T14:39:55-03:00
Estadão Conteúdo
De olho no dinheiro gringo

Sucesso da XP anima mais brasileiras a abrir capital nos EUA

Movimento começa a incomodar o mercado interno, mas tem potencial para crescer nos próximos anos

1 de janeiro de 2020
13:19 - atualizado às 14:39
Rede de restaurantes Madero
A rede de hamburgueria Madero já anunciou que pretende fazer sua oferta de ações na Bolsa de Nova York em 2020. - Imagem: Divulgação

De 2018 para cá, cinco empresas escolheram as bolsas de Nova York e Nasdaq para lançar suas ações em detrimento da B3, bolsa de valores de São Paulo. Juntas, elas captaram US$ 6,2 bilhões (R$ 25 bilhões, considerado o dólar a R$ 4,05), valor quase 50% superior às ofertas feitas por oito companhias na bolsa brasileira no período.

O movimento, que começa a incomodar o mercado interno, tem potencial para crescer nos próximos anos, sobretudo entre as empresas de alto crescimento, como as unicórnios (startups que superam US$ 1 bilhão em valor de mercado).

O sucesso do IPO (sigla em inglês para oferta pública de ações) da XP Inc no início de dezembro, que captou US$ 2,25 bilhões na Nasdaq, deve incentivar outras companhias a desembarcar no mercado americano.

A rede de hamburgueria Madero, por exemplo, já anunciou que pretende fazer sua oferta de ações na Bolsa de Nova York, em 2020; a Cogna, holding que reúne Kroton e outros negócios na área educacional, também sinalizou para abertura de capital de sua subsidiária Vasta Educação nos Estados Unidos, seguindo o mesmo caminho trilhado pelas empresas de meio de pagamentos PagSeguro e Stone, e as companhias de ensino Arco Educação e Afya.

Para algumas empresas, como as de tecnologia, essa é uma vantagem importante comparada ao mercado brasileiro. "Existe uma classe de empresas que ainda não tem tanta demanda no Brasil por serem desconhecidas ou menores. Para esses casos, falta a maturidade que o mercado americano tem", diz o diretor da Santander Corretora André Rosenblit.

Mas há outros fatores que têm determinado o desembarque das brasileiras nos EUA. Um deles é o free float - porcentagem de ações emitidas no mercado. Aqui, as companhias têm de lançar o mínimo de 15% ou 25% se o volume for acima de R$ 3 bilhões, afirma o responsável pelo Investment Banking do Citi Brasil, Eduardo Miras. "Lá fora pode ser 5%, 10%."

No caso da XP, um dos motivos que levaram a instituição a abrir o capital na Nasdaq envolve a diluição da participação dos controladores. Como aqui só há uma classe de ação, os sócios perderiam o controle da empresa. Nos EUA, há duas classes (A e B) e isso não ocorre, diz Miras. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

A crise veio forte

S&P: De 94 notas rebaixadas na América Latina, 24 foram no Brasil

Em termos de riscos negativos, o analista da agência de risco destacou que estão concentrados no México e na Argentina, enquanto no Brasil estão abaixo da média.

ACUSADO DE MONOPÓLIO

Departamento de Justiça dos EUA confirma ação judicial antitruste contra Google

Caso marca o maior desafio legal do país contra uma companhia dominante do setor de tecnologia em duas décadas

desafio dos 21 dias

Lição #15: Taleb x Markowitz: como diversificar a sua carteira

Na Lição #15 do Desafio dos 21 dias, Felipe trouxe aos seus seguidores dois conceitos diferentes de diversificação. De um lado, está um de seus gurus nos investimentos, Nassim Taleb. Do outro, o famoso economista americano Harry Markowitz. Os dois prezam por carteiras diversificadas, mas quem defende a melhor ideia? Para conferir as lições anteriores […]

Lava Jato

Nova fase da Lava Jato mira venda de informações privilegiadas e propinas

Denominada Sem Limites IV, operação apura supostos crimes de corrupção passiva e organização criminosa e de lavagem de dinheiro relacionados a esquema mantido na antiga Diretoria de Abastecimento da Petrobras

MAIS UMA PRA BOLSA

Grupo Big quer ficar ainda mais ‘big’ após IPO

Varejista pretende levantar recursos para expandir operações e vender as participações da Advent e do Walmart US

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies