Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-07-14T21:02:21-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
gestor lendário

Ray Dalio volta a dizer que dinheiro é ‘o pior ativo’ e prega diversificação sem ‘real estate’

Dalio participou na noite desta terça-feira (14) de uma das sessões da Expert XP e disse que ativos do mercado imobiliário não são recomendados para a carteira diversificada idealizada por ele

14 de julho de 2020
21:02
O gestor da Bridgewater, Ray Dalio
Imagem: Print youtube

O lendário gestor de fundos Ray Dalio, da firma Bridgewater Associates, voltou a dizer que dinheiro "é o pior e mais arriscado ativo" para se ter na carteira e citou ações e ouro para integrar a carteira diversificada para atravessar o atual momento dos mercados.

Ele também afirmou que ativos do "real estate", ou seja, do mercado imobiliário, não são recomendados para o portfólio por ele idealizado.

Dalio participou na noite desta terça-feira (14) de uma das sessões da Expert XP, evento de investimentos da XP Investimentos, junto com o professor de economia da Universidade de Miami e presidente do Comitê Global de Alocação da corretora, Paulo Leme.

Segundo o gestor, o mundo enfrenta três grandes questões hoje:

  1. economicamente, o fim do ciclo de dívidas de longo prazo, com juros baixos e impressão de dinheiro por parte dos bancos centrais
  2. e grandes disparidades na distribuição de riqueza
  3. politicamente, o desafio à potência dos Estados Unidos imposto pela China.

"Coisas assim aconteceram várias vezes nos últimos 500 anos e têm muitos efeitos nos investimentos", disse Dalio. "A última vez em que houve um gap de riqueza e de política foi em 1930, e como isso veio antes de eu nascer, tive que estudar bem isso para fazer o meu trabalho bem feito."

Dessas questões, a impressão intensa de dinheiro por parte de bancos centrais pelo mundo emerge como a principal para Dalio do ponto de vista dos mercados no momento.

Esse fato econômico implicará, segundo ele, na depreciação do valor histórico do dinheiro, impactando diversas moedas ao redor mundo.

Além disso, produzirá incertezas acerca da distribuição da riqueza e sobre quem "pagará a conta" dessa ação de resgate das economias por parte das autoridades monetárias.

Politicamente, Dalio avalia que, diferentemente da Rússia, que foi uma potência militar, a China ameaça os Estados Unidos por sua força econômica. Com a rivalidade entre os países, pode se instituir uma guerra tecnológica, geopolítica e de capital, com efeitos sobre a economia global.

"A China é um país cujo setor tecnológico é cada vez mais comparável ao dos EUA, é um país de criatividade", afirmou.

Diversificação

"Diversificação é necessidade, é muito relevante", pregou Dalio, durante sua apresentação no evento.

O gestor defendeu uma diversificação de ativos — citando ações e ouro —, mas também de países e de moedas, que favoreceria a redução do risco sem diminuir o retorno.

"Você quer diversificar em países, em novas tecnologias. Você quer ter reserva de riqueza em muitos países e fazer sua posição inicial daí." Dalio também falou de seu "santo graal", discorrendo sobre a montagem de um portfólio com de 10 a 15 ativos sem correlação para a redução do risco.

Para ele, ações de "empresas estáveis", que conseguem obter bons resultados financeiros sem ficar à mercê das flutuações da economia, e ouro integram esse portfólio diversificado.

Ativos do mercado imobiliário, por exemplo, uma vez que dependem da prosperidade econômica e não podem ser movidos, não são recomendados, disse o gestor.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

ampliação dos negócios

Cosan (CSAN3) paga R$ 1,5 bilhão por fatia na Radar, gestora de propriedades agrícolas

Companhia já detinha uma participação na Radar; após a conclusão da operação e uma reorganização societária, a Cosan será dona de mais de 50% do capital social

o melhor do seu dinheiro

Caso Lehman Brothers: não vale a pena ver de novo

Se tem um roteiro que o mercado financeiro não quer ver se repetindo, é o de uma crise financeira desencadeada pela quebra de uma grande empresa, como foi o caso da falência do banco Lehman Brothers em 2008, que marcou o início da grave crise dos subprime. Nem mesmo em uma escala menor, como é […]

força do esg

Environmental ESG, da Ambipar, busca IPO de R$ 3 bilhões para dar gás às aquisições

Preço da faixa indicativa está entre R$ 15,50 e R$ 20,50; após IPO, 43,8% do capital social estará em circulação no mercado com as ações

MERCADOS HOJE

Evergrande injeta temor no mercado global e bolsas têm dia de fortes perdas; Ibovespa fecha no menor nível desde novembro

Temor de que os problemas da incorporadora chinesa gerem uma reação em cadeia no mercado global afundou as bolsas nesta segunda-feira (20)

Ruído político

Congresso não participou de debate sobre aumento no IOF, revela presidente da Câmara

Arthur Lira também declarou que quer avançar com a reforma administrativa e uma solução para a questão dos precatórios ainda nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies