Menu
2020-06-03T18:09:28-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
diante da crise

Pela primeira vez, UBS recomenda compra dos papéis da Vale

Especialistas do banco avaliam que a empresa deve ser beneficiada pela recuperação nos preços do petróleo, que puxam a curva nos preços do minério de ferro

3 de junho de 2020
12:11 - atualizado às 18:09
Navio da Vale
Imagem: Agência Vale

O banco suíço UBS passou a recomendar a compra dos papéis da mineradora Vale, em relatório divulgado nesta quarta-feira (3). É a primeira vez que os analistas da casa consideram a aquisição dos ADRs da empresa desde o início da cobertura feita por eles, em junho de 2013.

Os ADRs (American Depositary Receipts) são papéis que representam ações na Bolsa de Valores de Nova York. A cotação dos recibos tende a acompanhar as ações negociadas na bolsa brasileira, a B3. Nesta quarta, a Vale fechou em alta de 3,02%, a US$ 10,57, no exterior, enquanto no Brasil avançou 0,45%, a R$ 53,66.

Para o UBS, os ADRs podem chegar a US$ 12 em 12 meses — a estimativa anterior era de US$ 13. Os especialistas do banco avaliam que a empresa deve ser beneficiada pela recuperação nos preços do petróleo, que puxam a curva nos preços do minério de ferro.

Segundo os analistas, a correlação da Vale com o preço do minério de ferro caiu 50% nos últimos anos. Em compensação, a ligação com os valores do petróleo tipo Brent subiu 90%.

"A correlação é impulsionada pelo impacto material do petróleo na curva de custos do minério de ferro (frete marítimo, mineração, caminhões)", escrevem os especialistas.

A análise também considera uma retomada da capacidade de produção de minério perdida após o rompimento da barragem em Brumadinho (MG). Além disso, o aumento de produção levaria a uma inflação sobre os custos de cargueiros que beneficiaria a empresa diante dos pares.

'Abrigo' diante da crise

A recomendação de compra dos papéis da Vale pouco mais de um ano após o rompimento de uma barragem em Brumadinho não é novidade. Analistas do BTG Pactual e do Morgan Stanley apontaram anteriormente que os papéis da mineradora podem ser opções resilientes diante da crise do novo coronavírus.

Segundo o BTG, ainda que seja tipicamente uma má ideia comprar ações ligadas a commodities no meio de uma recessão, a recuperação da China e a normalização dos negócios no país são razões para o otimismo com a empresa.

O Morgan Stanley aponta como positivos o forte fluxo de caixa livre (FCF) e uma melhoria nas práticas ambientais, sociais e de governança (ESG). Os analistas do banco dizem que o Capex (investimentos em capital fixo) e o nível de alavancagem da mineradora permanecem baixos.

No primeiro trimestre deste ano, a Vale divulgou um lucro líquido de US$ 239 milhões, com uma despesa de US$ 159 milhões ligada ao rompimento da barragem.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Reação

Dias melhores virão para a Cielo? Saiba o que o mercado espera para a empresa depois do lucro acima do esperado

Empresa de maquininhas de cartão registra o primeiro aumento no lucro trimestral em três anos e ações disparam na B3. Mas os analistas ainda não recomendam a compra dos papéis

em meio à pandemia

Financiamento imobiliário cresce 58% em 2020 e bate recorde histórico

Expansão do crédito imobiliário em 2020 foi puxada, principalmente, pela liberação de financiamentos para a pessoa física fazer a compra de moradias

balanço

Contas externas têm saldo negativo de US$ 12,5 bi em 2020, diz BC

Brasil viu as importações de produtos caírem, enquanto as exportações se mantiveram em níveis elevados, puxadas pela venda de alimentos para outros países

sob pressão

Bolsonaro apela para caminhoneiro não realizar greve e avalia medidas no diesel

Presidente confirmou a intenção do governo de reduzir tributos sobre o diesel para aliviar a pressão do reajuste do combustível sobre o bolso dos caminhoneiros

pandemia

AstraZeneca e Blackrock negam, mas empresas reafirmam negociar vacina

Grupo de empresários brasileiros reafirmou que continua a negociar 33 milhões de doses do laboratório

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies