2020-02-20T20:59:11-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Ano trágico

Vale tem prejuízo de US$ 1,7 bilhão em 2019; provisões e despesas por Brumadinho chegam a US$ 7,4 bilhões

A Vale fechou 2019 com um prejuízo bilionário, fortemente pressionada pelas provisões relacionadas ao rompimento da barragem em Brumadinho — efeitos que superaram em muito os ganhos relacionados à valorização do minério de ferro no ano

20 de fevereiro de 2020
20:59
Barragem da Vale desaba em Brumadinho (MG) - Imagem: Corpo de Bombeiros/Divulgação

O rompimento da barragem I da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), completou um ano no último dia 25 de janeiro. A tragédia, que deixou 259 mortos — outras 11 pessoas ainda estão desaparecidas — e provocou enormes danos ambientais à região, também mexeu profundamente com a Vale, responsável pelas instalações que ruíram.

E o balanço da mineradora em 2019 dá uma dimensão dos impactos financeiros que o desastre gerou à empresa: a Vale terminou o ano passado com um prejuízo líquido de US$ 1,7 bilhão — em 2018, a companhia obteve um lucro líquido de US$ 6,86 bilhões.

Boa parte desse resultado se deve aos eventos pós-Brumadinho. Ao todo, as provisões e despesas ligadas à ruptura da barragem somaram US$ 7,4 bilhões ao longo do ano passado — essa quantia já inclui a descaracterização de estruturas e acordos de reparação.

A tragédia trouxe ainda muitos outros impactos indiretos à Vale: paralisação em diversas barragens ao longo do ano, maiores despesas com segurança e manutenção e incertezas quanto ao ritmo de produção da mineradora, entre outros pontos.

Mesmo diante da complexidade desse cenário, a companhia ainda conseguiu fechar o ano com uma receita operacional líquida de US$ 37,6 bilhões, alta de 2,7% na comparação com 2018, impulsionada pela forte valorização de 34% nos preços do minério de ferro em 2019.

Já o Ebitda — ou seja, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização — recuou 36,2% em 2019 na comparação com 2018, chegando a US$ 10,6 bilhões, também fortemente impactado por Brumadinho. A margem Ebitda caiu de 45% para 28%.

Trimestre de perdas

No quarto trimestre de 2019, a Vale contabilizou mais US$ 1,1 bilhão em despesas relacionadas ao rompimento da barragem em Brumadinho. No entanto, esse não foi o único efeito extraordinário a impactar os números da mineradora no período.

A Vale precisou lançar um impairment de US$ 4,2 bilhões entre outubro e dezembro do ano passado, ligado aos ativos da Nova Caledônia e da mina de carvão de Moçambique — a mineradora encerrou as atividades no arquipélago no Pacífico e diminuiu sua participação no ativo africano.

Assim, a Vale registrou um prejuízo líquido de US$ 1,6 bilhão no quarto trimestre de 2019, revertendo o lucro de US$ 3,8 bilhão reportado há um ano — o resultado do trimestre e os volumosos impairments, assim, também foram decisivos para o resultado negativo no ano.

Em termos de receita, a Vale divulgou um aumento de 1,6% na mesma base de comparação, para US$ 10 bilhões. O Ebitda, por outro lado, caiu 20,8%, para US$ 3,5 bilhões.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Dívida em queda

Nem tudo foi ruim no balanço da Vale. Do ponto de vista de administração de caixa e gestão do endividamento, a mineradora conseguiu mostrar evoluções importantes ao longo do ano passado.

A Vale gerou US$ 8,1 bilhões em fluxo de caixa livre em 2019, quantia que foi utilizada para pagar dívidas, recomprar compromissos futuros e aumentar o nível dos cofres da empresa, entre outros pontos.

Ao fim de 2019, a dívida líquida da mineradora era de US$ 4,88 bilhões, uma baixa de 8,3% em relação aos níveis vistos em setembro. Apesar disso, os níveis de alavancagem da Vale permaneceram inalterados em 0,5 vez.

Projeções

Em mensagem aos acionistas, a companhia diz permanecer positiva em relação à demanda de aço na China, em meio à recuperação dos investimentos em infraestrutura pelo país. Tal cenário tende a elevar os embarques de minério de ferro com destino ao gigante asiático, mantendo os preços da commodity em níveis altos.

No entanto, a Vale diz estar atenta aos riscos ligados ao coronavírus, que restringiram viagens e provocaram impactos no setores de serviços e fabricação de bens de consumo na China.

"O preço do minério de ferro pode ser impactado no curto prazo por tais incertezas e pelo sentimento geral, mas deve se recuperar, em resposta à atividade de reestocagem e políticas de estímulo"

Vale, em mensagem aos acionistas

Quanto às perspectivas para o mercado de carvão térmico, a Vale diz continuar enxergando uma tendência negativa — o níquel e o cobre, por outro lado, possuem dinâmicas mais saudáveis à frente, de acordo com a companhia.

Os investidores internacionais reagiram negativamente aos resultados da mineradora. Por volta de 20h50 (horário de Brasília), os recibos de ações (ADRs) da Vale operavam em baixa de 1,01% no after market de Nova York — uma espécie de prorrogação do pregão regular nos EUA.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

O MELHOR DA SEMANA

Ronaldo Fenômeno ficou maluco? Saiba como funciona a SAF, que permitiu ao craque pagar R$ 400 milhões pelo Cruzeiro

Conheça também os principais candidatos a Sociedade Anônima de Futebol e para que tipo de clube ela pode ser mais interessante

Dê o play!

Com a Selic acima de 10%, quais os próximos passos do BC? O podcast Touros e Ursos debate o futuro da taxa de juros

No podcast Touros e Ursos desta semana, a equipe do SD discutiu o cenário para a Selic e o BC em 2022. Até onde o Copom vai subir os juros?

Sinal amarelo

Marfrig (MRFG3) confirma participação em oferta da BRF (BRFS3), mas não poderá assumir o controle da empresa; entenda

Segundo um comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários hoje, as compras da Marfrig estarão limitadas a sua participação acionária atual

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa no azul apesar da volatilidade, bitcoin no vermelho e imbróglios com FII e Oi: o que marcou o mercado nesta sexta

Numa semana marcada pela escalada das tensões entre Rússia e Ucrânia, decisão de juros nos Estados Unidos e um discurso mais hawkish (duro contra a inflação) por parte do presidente do banco central americano, Jerome Powell, o Ibovespa conseguiu, mais uma vez, acumular alta. E as bolsas americanas – pasme – também. A sexta-feira (28) […]

DESINVESTIMENTOS

Em negócio bilionário, Petrobras (PETR4) vende ativos na Bacia Potiguar para subsidiária da 3R Petroleum (RRRP3); saiba quanto entrou nos cofres da estatal

A bola da vez é um conjunto de 22 concessões de campos de produção terrestre e de águas rasas, juntamente à sua infraestrutura de processamento, refino, logística, armazenamento, transporte e escoamento