⚽️ Brasil enfrenta a Coreia do Sul na próxima fase; confira os dias dos próximos jogos

Cotações por TradingView
2020-02-20T20:59:11-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Ano trágico

Vale tem prejuízo de US$ 1,7 bilhão em 2019; provisões e despesas por Brumadinho chegam a US$ 7,4 bilhões

A Vale fechou 2019 com um prejuízo bilionário, fortemente pressionada pelas provisões relacionadas ao rompimento da barragem em Brumadinho — efeitos que superaram em muito os ganhos relacionados à valorização do minério de ferro no ano

20 de fevereiro de 2020
20:59
Barragem da Vale desaba em Brumadinho (MG)
Barragem da Vale desaba em Brumadinho (MG) - Imagem: Corpo de Bombeiros/Divulgação

O rompimento da barragem I da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), completou um ano no último dia 25 de janeiro. A tragédia, que deixou 259 mortos — outras 11 pessoas ainda estão desaparecidas — e provocou enormes danos ambientais à região, também mexeu profundamente com a Vale, responsável pelas instalações que ruíram.

E o balanço da mineradora em 2019 dá uma dimensão dos impactos financeiros que o desastre gerou à empresa: a Vale terminou o ano passado com um prejuízo líquido de US$ 1,7 bilhão — em 2018, a companhia obteve um lucro líquido de US$ 6,86 bilhões.

Boa parte desse resultado se deve aos eventos pós-Brumadinho. Ao todo, as provisões e despesas ligadas à ruptura da barragem somaram US$ 7,4 bilhões ao longo do ano passado — essa quantia já inclui a descaracterização de estruturas e acordos de reparação.

A tragédia trouxe ainda muitos outros impactos indiretos à Vale: paralisação em diversas barragens ao longo do ano, maiores despesas com segurança e manutenção e incertezas quanto ao ritmo de produção da mineradora, entre outros pontos.

Mesmo diante da complexidade desse cenário, a companhia ainda conseguiu fechar o ano com uma receita operacional líquida de US$ 37,6 bilhões, alta de 2,7% na comparação com 2018, impulsionada pela forte valorização de 34% nos preços do minério de ferro em 2019.

Já o Ebitda — ou seja, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização — recuou 36,2% em 2019 na comparação com 2018, chegando a US$ 10,6 bilhões, também fortemente impactado por Brumadinho. A margem Ebitda caiu de 45% para 28%.

Trimestre de perdas

No quarto trimestre de 2019, a Vale contabilizou mais US$ 1,1 bilhão em despesas relacionadas ao rompimento da barragem em Brumadinho. No entanto, esse não foi o único efeito extraordinário a impactar os números da mineradora no período.

A Vale precisou lançar um impairment de US$ 4,2 bilhões entre outubro e dezembro do ano passado, ligado aos ativos da Nova Caledônia e da mina de carvão de Moçambique — a mineradora encerrou as atividades no arquipélago no Pacífico e diminuiu sua participação no ativo africano.

Assim, a Vale registrou um prejuízo líquido de US$ 1,6 bilhão no quarto trimestre de 2019, revertendo o lucro de US$ 3,8 bilhão reportado há um ano — o resultado do trimestre e os volumosos impairments, assim, também foram decisivos para o resultado negativo no ano.

Em termos de receita, a Vale divulgou um aumento de 1,6% na mesma base de comparação, para US$ 10 bilhões. O Ebitda, por outro lado, caiu 20,8%, para US$ 3,5 bilhões.

Dívida em queda

Nem tudo foi ruim no balanço da Vale. Do ponto de vista de administração de caixa e gestão do endividamento, a mineradora conseguiu mostrar evoluções importantes ao longo do ano passado.

A Vale gerou US$ 8,1 bilhões em fluxo de caixa livre em 2019, quantia que foi utilizada para pagar dívidas, recomprar compromissos futuros e aumentar o nível dos cofres da empresa, entre outros pontos.

Ao fim de 2019, a dívida líquida da mineradora era de US$ 4,88 bilhões, uma baixa de 8,3% em relação aos níveis vistos em setembro. Apesar disso, os níveis de alavancagem da Vale permaneceram inalterados em 0,5 vez.

Projeções

Em mensagem aos acionistas, a companhia diz permanecer positiva em relação à demanda de aço na China, em meio à recuperação dos investimentos em infraestrutura pelo país. Tal cenário tende a elevar os embarques de minério de ferro com destino ao gigante asiático, mantendo os preços da commodity em níveis altos.

No entanto, a Vale diz estar atenta aos riscos ligados ao coronavírus, que restringiram viagens e provocaram impactos no setores de serviços e fabricação de bens de consumo na China.

"O preço do minério de ferro pode ser impactado no curto prazo por tais incertezas e pelo sentimento geral, mas deve se recuperar, em resposta à atividade de reestocagem e políticas de estímulo"

Vale, em mensagem aos acionistas

Quanto às perspectivas para o mercado de carvão térmico, a Vale diz continuar enxergando uma tendência negativa — o níquel e o cobre, por outro lado, possuem dinâmicas mais saudáveis à frente, de acordo com a companhia.

Os investidores internacionais reagiram negativamente aos resultados da mineradora. Por volta de 20h50 (horário de Brasília), os recibos de ações (ADRs) da Vale operavam em baixa de 1,01% no after market de Nova York — uma espécie de prorrogação do pregão regular nos EUA.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

DE OLHO NAS FÉRIAS

Vai viajar? Dólar desvaloriza 6,5% frente ao real no ano — saiba o que mexe com o mercado de câmbio

3 de dezembro de 2022 - 11:32

Após uma sequência de quatro pregões de queda firme, período em que acumulou queda de 3,94%, a moeda norte-americana subiu na sexta-feira (02)

SOBE E DESCE

Locaweb (LWSA3) lidera pelotão de altas do Ibovespa na semana e Marfrig (MRFG3) vai na direção oposta — veja o que foi destaque na bolsa

3 de dezembro de 2022 - 10:34

Lá fora, as negociações da semana continuaram sendo marcadas pela expectativa em torno da condução da política monetária do Federal Reserve; por aqui, o principal índice da B3 acumulou ganhos de 2,70%

SEU DINHEIRO NA COPA

Brasil segue favorito mesmo após primeira derrota na Copa; confira as seleções queridinhas das oitavas entre os apostadores

3 de dezembro de 2022 - 9:14

Já classificado, Tite escalou um time recheado de reservas que acabou perdendo de 1 x 0 para os camaroneses, que ficaram fora do mundial

Aperta o play!

Copom realiza última reunião do ano na próxima quarta (07); o que esperar para a Selic daqui para frente?

3 de dezembro de 2022 - 8:00

No podcast Touros e Ursos desta semana, falamos sobre as incertezas fiscais que cercam a decisão de juros do Copom e como investir neste cenário

FECHAMENTO DO DIA

Poeira assenta em Brasília e Ibovespa sobe quase 3% na semana; dólar cai a R$ 5,21

2 de dezembro de 2022 - 19:29

Em Nova York, no entanto, o clima foi de cautela. O payroll, o raio-X do mercado de trabalho americano e um dos dados mais importantes para o Federal Reserve na decisão de política monetária, mostrou uma força maior do que a esperada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies