Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-10-06T07:31:22-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
POSIÇÃO ACIONÁRIA

Stone atinge participação acima de 5% no capital social da Linx

Acionistas da Linx decidirão sobre proposta de fusão da empresa de meios de pagamentos em 17 de novembro

6 de outubro de 2020
7:31
Linx
Imagem: Shutterstok

Em meio aos esforços para adquirir a Linx, a Stone alcançou uma participação superior a 5% no capital social da empresa de softwares voltados ao varejo.

Segundo informou a Linx na segunda-feira (5) à noite, a companhia de meios de pagamentos possui agora uma fatia correspondente a 5,81% do capital social, ao passar a deter 11 milhões de ações ordinárias. Os papéis foram adquiridos por meio de operações na B3.

Até então, a Stone não constava entre os maiores acionistas da Linx. As regras que regem o mercado acionário exigem que as empresas divulguem quando algum acionista alcança uma participação acima de 5% no capital social. Neste patamar um acionista pode pedir a convocação de assembleias e abertura de processos contra administradores.

Fusão

As duas empresas estão negociando um acordo de fusão desde agosto. O mais recente capítulo foi escrito na sexta-feira passada (2), quando o conselho de administração da Linx aprovou a proposta apresentada pela Stone.

A palavra final caberá aos acionistas. A assembleia em que a proposta será colocada em votação foi marcada para o dia 17 de novembro.

A oferta da Stone prevê o pagamento em dinheiro de R$ 31,56 em dinheiro mais 0,0126774 ação Classe A da companhia por cada ação da Linx. Como a Stone é listada na bolsa norte-americana Nasdaq, o pagamento também poderá ser feito em BDRs (recibos de ações negociados na B3).

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

em família

Sobrinho-neto do bilionário Warren Buffett supera Berkshire Hathaway no ano

Ações da Boston Omaha, holding de capital aberto co-liderada pelo sobrinho-neto do bilionário, Alex Buffett Rozek, estão batendo os papéis da Berkshire Hathaway

novo serviço

Grupo pão de Açúcar vai fazer entrega para lojistas de seu marketplace

No próximo ano, a companhia passará a oferecer a possibilidade de que os lojistas virtuais armazenem produtos nos centros de distribuição do GPA

inovação

Varejo online agora quer conquistar a fronteira da venda de produto fresco

A partir do mês que vem, começa a funcionar no País uma startup mexicana de tecnologia do setor de supermercados que vai explorar exatamente esse filão

Clube do livro

Ajuste fiscal pode ser dolorido no início, mas é necessário; entenda mais no novo livro de Fabio Giambiagi, “Tudo sobre o déficit público”

Nova obra do economista do BNDES evidencia que atingir um equilíbrio orçamentário no país é essencial para o desenvolvimento em termos econômicos e sociais

em busca de recursos

AES Brasil (AESB3) aprova oferta pública e pode captar até R$ 1,8 bilhão

De acordo com a AES Brasil, o objetivo da oferta é acelerar seu plano de crescimento, com foco na diversificação do portfólio por meio de fontes complementares à hídrica, além de potencializar a criação de valor para os acionistas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies