Menu
2020-10-06T07:31:22-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
POSIÇÃO ACIONÁRIA

Stone atinge participação acima de 5% no capital social da Linx

Acionistas da Linx decidirão sobre proposta de fusão da empresa de meios de pagamentos em 17 de novembro

6 de outubro de 2020
7:31
Linx
Imagem: Shutterstok

Em meio aos esforços para adquirir a Linx, a Stone alcançou uma participação superior a 5% no capital social da empresa de softwares voltados ao varejo.

Segundo informou a Linx na segunda-feira (5) à noite, a companhia de meios de pagamentos possui agora uma fatia correspondente a 5,81% do capital social, ao passar a deter 11 milhões de ações ordinárias. Os papéis foram adquiridos por meio de operações na B3.

Até então, a Stone não constava entre os maiores acionistas da Linx. As regras que regem o mercado acionário exigem que as empresas divulguem quando algum acionista alcança uma participação acima de 5% no capital social. Neste patamar um acionista pode pedir a convocação de assembleias e abertura de processos contra administradores.

Fusão

As duas empresas estão negociando um acordo de fusão desde agosto. O mais recente capítulo foi escrito na sexta-feira passada (2), quando o conselho de administração da Linx aprovou a proposta apresentada pela Stone.

A palavra final caberá aos acionistas. A assembleia em que a proposta será colocada em votação foi marcada para o dia 17 de novembro.

A oferta da Stone prevê o pagamento em dinheiro de R$ 31,56 em dinheiro mais 0,0126774 ação Classe A da companhia por cada ação da Linx. Como a Stone é listada na bolsa norte-americana Nasdaq, o pagamento também poderá ser feito em BDRs (recibos de ações negociados na B3).

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

seu dinheiro na sua noite

Fidelidade em baixa com a pandemia

Não, não estou falando da fidelidade entre casais. Até porque, por mais que a convivência excessiva em família na quarentena tenha abalado alguns casamentos, o momento não anda muito propício às puladas de cerca. Estou falando do setor de fidelidade, que abarca as empresas de programas de pontos e milhagem, sobretudo aqueles ligados às companhias […]

Empresa ligada à Vale

Justiça aprova pedido de Recuperação Judicial da Samarco

RJ não terá impacto nas atividades operacionais da mineradora, nem nas ações de reparação e compensação pela tragédia de Mariana

FECHAMENTO

Ibovespa ignora tensão em Brasília e NY no vermelho e avança 1%; dólar também sobe

Enquanto as blue chips garantiram o bom desempenho do Ibovespa, o dólar avançou 0,84%, pressionado pelo noticiário em Brasília

Exaltou integração

Presidente do Banco Central não enxerga competição entre bancos e fintechs

Segundo Campos Neto, a integração entre as mídias sociais e o sistema financeiro é maior inovação que existe no momento

Menos pontos e milhas

Setor de empresas de fidelidade encolhe quase 30% em 2020

O segmento de fidelidade movimentou R$ 5,3 bilhões em 2020, segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies