Menu
2020-04-16T08:54:55-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
expectativas pós-crise

Programa de desinvestimento da Petrobras está mantido, mas deve sofrer atraso, diz presidente da estatal

Castello Branco disse não acreditar em um acordo com a Opep+, que em reunião recente definiu um corte de oferta de 9,7 milhões de barris de petróleo por dia (bpd)

16 de abril de 2020
8:54
Roberto Castello Branco
Roberto Castello Branco durante entrevista em 2011 - Imagem: WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO

O programa de desinvestimento da Petrobras está mantido, mas deve sofrer atraso, segundo o presidente da empresa, Roberto Castello Branco. Em teleconferência promovida pela FGV Energia, o executivo disse confiar que as liquidações financeiras de ativos já vendidos vão acontecer "no momento marcado".

Segundo ele, os compradores da Liquigás, por exemplo, aguardam apenas a aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para concluir o negócio.

Ativos do pré-sal, como o campo de Búzios, adquirido em leilão no ano passado, continuam a ser prioridade para a empresa, mesmo durante a crise. Da mesma forma, estão mantidos projetos de pesquisa e inovação que vão ajudar a empresa a reduzir custos e acabar com os riscos exploratórios.

A empresa continua ainda perseguindo a redução do tempo até o início da operação na áreas, disse Castello Branco. "Cuidamos do curto e longo prazo ao mesmo tempo", afirmou.

Preço do petróleo

Castello Branco disse não acreditar em um acordo com a Opep+, que reúne os grandes países exportadores de petróleo e, em reunião recente, definiu um corte de oferta de 9,7 milhões de barris de petróleo por dia (bpd). Segundo o executivo, falta um coordenador para fiscalizar e punir produtores que venham a descumprir o acordo.

Ele disse que nem mesmo a Arábia Saudita cumpre os acordos da organização. A referência de cotação de petróleo perseguida pela Petrobras é de US$ 25 por barril, bem menor do que os US$ 40 projetados inicialmente. "O choque foi mais profundo do que imaginávamos", afirmou.

A avaliação do presidente da Petrobras é que a demanda e não a oferta vai determinar o comportamento dos preços. No Brasil, o consumo ainda está restrito, principalmente de gasolina e QAV. O de óleo diesel ainda é beneficiado pela demanda do setor agrícola. Desde que a crise começou, a empresa reduziu o preço da gasolina em 48,4% e o do diesel, em 35,2%, em suas refinarias.

Castello Branco afirmou ainda que a oferta de GLP está garantida, principalmente com a importação do derivado. "Espera-se que o revendedor repasse o corte de preços ao consumidor", disse o executivo.
Durante a conferência, ele destacou que não há plano de demissões na Petrobras. "Demissões não estão sobre a mesa. Pelo contrário, procuramos salvar empregos", destacou.

O presidente da Petrobras ainda se disse otimista com a capacidade de o Brasil enfrentar a crise. "O mundo pós-covid vai ter normalidade diferente", argumentou.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

APRENDENDO COM O PROFESSOR BESSEMBINDER

O clube dos 900%: o que você pode aprender com os maiores casos de geração de riqueza da Bolsa americana

Empresas quebrando são mais frequentes que empresas dominando o mundo em algumas décadas. Mas poucos acertos podem rechear a sua carteira e garantir sua aposentadoria precoce.

Entrevista

‘Desemprego alto e déficit público nos deixam cautelosos’, diz presidente da Whirlpool

CEO da fabricante das marcas Consul e Brastemp diz estar cauteloso para investir em produção e em relação à sustentabilidade da demanda, por conta de desemprego e da situação fiscal

Mercadores da noite

Bolsa, dólar e juros subindo: qual dos três está mentindo?

Quando a Bolsa, o dólar e as taxas de juros estão subindo ao mesmo tempo, um dos três está mentindo – qual deles será e o que fazer?

Infraestrutura

Novo marco legal para ferrovias vai a votação no Senado na próxima semana

Legislação promete organizar regras do setor e permitir novos formatos para a atração de investimentos privados

Telecomunicações

Operadoras cobram transparência do governo na definição da tecnologia 5G

Teles se dizem preocupadas com as “incertezas” relativas ao processo, depois de governo sinalizar banimento da chinesa Huawei

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies