Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-04-16T08:54:55-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
expectativas pós-crise

Programa de desinvestimento da Petrobras está mantido, mas deve sofrer atraso, diz presidente da estatal

Castello Branco disse não acreditar em um acordo com a Opep+, que em reunião recente definiu um corte de oferta de 9,7 milhões de barris de petróleo por dia (bpd)

16 de abril de 2020
8:54
Roberto Castello Branco
Roberto Castello Branco durante entrevista em 2011 - Imagem: WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO

O programa de desinvestimento da Petrobras está mantido, mas deve sofrer atraso, segundo o presidente da empresa, Roberto Castello Branco. Em teleconferência promovida pela FGV Energia, o executivo disse confiar que as liquidações financeiras de ativos já vendidos vão acontecer "no momento marcado".

Segundo ele, os compradores da Liquigás, por exemplo, aguardam apenas a aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para concluir o negócio.

Ativos do pré-sal, como o campo de Búzios, adquirido em leilão no ano passado, continuam a ser prioridade para a empresa, mesmo durante a crise. Da mesma forma, estão mantidos projetos de pesquisa e inovação que vão ajudar a empresa a reduzir custos e acabar com os riscos exploratórios.

A empresa continua ainda perseguindo a redução do tempo até o início da operação na áreas, disse Castello Branco. "Cuidamos do curto e longo prazo ao mesmo tempo", afirmou.

Preço do petróleo

Castello Branco disse não acreditar em um acordo com a Opep+, que reúne os grandes países exportadores de petróleo e, em reunião recente, definiu um corte de oferta de 9,7 milhões de barris de petróleo por dia (bpd). Segundo o executivo, falta um coordenador para fiscalizar e punir produtores que venham a descumprir o acordo.

Ele disse que nem mesmo a Arábia Saudita cumpre os acordos da organização. A referência de cotação de petróleo perseguida pela Petrobras é de US$ 25 por barril, bem menor do que os US$ 40 projetados inicialmente. "O choque foi mais profundo do que imaginávamos", afirmou.

A avaliação do presidente da Petrobras é que a demanda e não a oferta vai determinar o comportamento dos preços. No Brasil, o consumo ainda está restrito, principalmente de gasolina e QAV. O de óleo diesel ainda é beneficiado pela demanda do setor agrícola. Desde que a crise começou, a empresa reduziu o preço da gasolina em 48,4% e o do diesel, em 35,2%, em suas refinarias.

Castello Branco afirmou ainda que a oferta de GLP está garantida, principalmente com a importação do derivado. "Espera-se que o revendedor repasse o corte de preços ao consumidor", disse o executivo.
Durante a conferência, ele destacou que não há plano de demissões na Petrobras. "Demissões não estão sobre a mesa. Pelo contrário, procuramos salvar empregos", destacou.

O presidente da Petrobras ainda se disse otimista com a capacidade de o Brasil enfrentar a crise. "O mundo pós-covid vai ter normalidade diferente", argumentou.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

em família

Sobrinho-neto do bilionário Warren Buffett supera Berkshire Hathaway no ano

Ações da Boston Omaha, holding de capital aberto co-liderada pelo sobrinho-neto do bilionário, Alex Buffett Rozek, estão batendo os papéis da Berkshire Hathaway

novo serviço

Grupo pão de Açúcar vai fazer entrega para lojistas de seu marketplace

No próximo ano, a companhia passará a oferecer a possibilidade de que os lojistas virtuais armazenem produtos nos centros de distribuição do GPA

inovação

Varejo online agora quer conquistar a fronteira da venda de produto fresco

A partir do mês que vem, começa a funcionar no País uma startup mexicana de tecnologia do setor de supermercados que vai explorar exatamente esse filão

Clube do livro

Ajuste fiscal pode ser dolorido no início, mas é necessário; entenda mais no novo livro de Fabio Giambiagi, “Tudo sobre o déficit público”

Nova obra do economista do BNDES evidencia que atingir um equilíbrio orçamentário no país é essencial para o desenvolvimento em termos econômicos e sociais

em busca de recursos

AES Brasil (AESB3) aprova oferta pública e pode captar até R$ 1,8 bilhão

De acordo com a AES Brasil, o objetivo da oferta é acelerar seu plano de crescimento, com foco na diversificação do portfólio por meio de fontes complementares à hídrica, além de potencializar a criação de valor para os acionistas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies