Menu
2020-01-30T14:19:00-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Privatização à vista

Objetivo é privatizar Eletrobras no 2º semestre de 2020, diz o presidente Wilson Ferreira Jr.

Meta para o primeiro semestre é aprofundar a conversa com o Senado e aprovar capitalização no Congresso.

29 de janeiro de 2020
15:35 - atualizado às 14:19
Privatização Eletrobras
Sede da Eletrobras no Rio de Janeiro - Imagem: Divulgação

A privatização da Eletrobras deve sair no segundo semestre deste ano, disse o presidente da estatal, Wilson Ferreira Jr., durante evento promovido pelo Credit Suisse para investidores e executivos de empresas em São Paulo nesta quarta (29).

A ideia é diluir a participação da União por meio de uma oferta subsequente de ações na bolsa (follow-on), que precisa ser aprovada pelo Congresso. Isso, na prática, resulta na privatização, com uma maior participação do capital privado na composição acionária da companhia.

Segundo Ferreira, o objetivo para este ano é intensificar as conversas com senadores para facilitar a aprovação do follow-on tanto na Câmara quanto no Senado ainda no primeiro semestre.

O presidente da estatal disse que na Câmara já houve bastante discussão, inclusive com o próprio presidente da Casa, deputado Rodrigo Maia. "Não dá para começar algo na Câmara sem a perspectiva real de engatar no Senado, que é o que vamos fazer neste ano", disse.

Ferreira se disse otimista e motivado com a privatização da Eletrobras. "Tenho compromisso com a privatização, é uma saída para o Brasil", afirmou.

Outros planos para 2020

Ao fazer um balanço da reestruturação da companhia, Ferreira considerou que ela foi bem sucedida, com a redução de pessoal em 55%, venda de ativos, redução de alavancagem, além de melhorias e unificação dos estatutos e políticas internas.

"É a parte boa que fica evidente. A empresa valia R$ 9 bilhões e hoje vale R$ 60 bilhões. Hoje ela vale próximo do valor patrimonial, enquanto seus pares valem de duas a três vezes o valor patrimonial, então ainda tem espaço para crescer mais", observou.

Para ele, o processo não foi tão rápido quanto poderia ser, porque rapidez numa estatal é um tema complexo. "Nós melhoramos muito a nossa competitividade, mas ainda não somos referência, apesar do nosso tamanho. Precisamos melhorar mais", avaliou.

Neste ano, as prioridades são focar em aprimorar a cultura organizacional, focar em geração e transmissão de energia, inclusive renovável, investir em substituir os ativos de transmissão obsoletos (segundo Ferreira, mais de R$ 33 bilhões em ativos estão fora de vida útil) e concluir duas obras: a da linha de transmissão Manaus-Boa Vista, que deve ser retomada até abril, e Angra 3, cuja meta é ficar pronta em 2025, entrando em operação em 2026.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

ESTRADA DO FUTURO

Duas (e mais duas) formas de ganhar dinheiro com ações tech

Existe um elemento em comum entre as big tech que as fizeram crescer tanto nas últimas duas décadas. Será que você acerta qual é?

atenção, acionista

Carrefour paga R$ 175 milhões em juros sobre capital próprio e altera valor de dividendos

Cifra equivale a R$ 0,088148225 por ação em circulação; também anunciou uma modificação do valor por ação dos dividendos aprovados em abril, de R$ 0,382372952 para R$ 0,382361396

maior apetite por risco

Empresas do Brasil captam US$ 4,6 bilhões; montante deve aumentar com ofertas de Stone e Light

Emissores brasileiros haviam paralisado planos de captar no exterior nos últimos meses, em meio à turbulência interna com a pandemia e o aumento do juro norte-americano

em meio ao aumento de consumo de frango

SuperFrango, de Goiás, retomará IPO de R$ 1 bilhão

Após resolver adiar a operação, a empresa fará uma apresentação mais cuidadosa de seu negócio aos analistas; oferta é estimada entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão

levantamento

Estatais descumprem critérios do marco do saneamento

GO Associados calculou que as companhias públicas do Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Alagoas, Maranhão, Amazonas, Pará, Piauí, Roraima, Rondônia e Amapá não atendem a todos os critérios da “etapa 1” do decreto – que prevê o cumprimento de índices mínimos dos indicadores econômicos-financeiros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies