Menu
2020-01-30T14:19:00-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Privatização à vista

Objetivo é privatizar Eletrobras no 2º semestre de 2020, diz o presidente Wilson Ferreira Jr.

Meta para o primeiro semestre é aprofundar a conversa com o Senado e aprovar capitalização no Congresso.

29 de janeiro de 2020
15:35 - atualizado às 14:19
Sede da Eletrobras no Rio de Janeiro
Sede da Eletrobras no Rio de Janeiro - Imagem: Divulgação

A privatização da Eletrobras deve sair no segundo semestre deste ano, disse o presidente da estatal, Wilson Ferreira Jr., durante evento promovido pelo Credit Suisse para investidores e executivos de empresas em São Paulo nesta quarta (29).

A ideia é diluir a participação da União por meio de uma oferta subsequente de ações na bolsa (follow-on), que precisa ser aprovada pelo Congresso. Isso, na prática, resulta na privatização, com uma maior participação do capital privado na composição acionária da companhia.

Segundo Ferreira, o objetivo para este ano é intensificar as conversas com senadores para facilitar a aprovação do follow-on tanto na Câmara quanto no Senado ainda no primeiro semestre.

O presidente da estatal disse que na Câmara já houve bastante discussão, inclusive com o próprio presidente da Casa, deputado Rodrigo Maia. "Não dá para começar algo na Câmara sem a perspectiva real de engatar no Senado, que é o que vamos fazer neste ano", disse.

Ferreira se disse otimista e motivado com a privatização da Eletrobras. "Tenho compromisso com a privatização, é uma saída para o Brasil", afirmou.

Outros planos para 2020

Ao fazer um balanço da reestruturação da companhia, Ferreira considerou que ela foi bem sucedida, com a redução de pessoal em 55%, venda de ativos, redução de alavancagem, além de melhorias e unificação dos estatutos e políticas internas.

"É a parte boa que fica evidente. A empresa valia R$ 9 bilhões e hoje vale R$ 60 bilhões. Hoje ela vale próximo do valor patrimonial, enquanto seus pares valem de duas a três vezes o valor patrimonial, então ainda tem espaço para crescer mais", observou.

Para ele, o processo não foi tão rápido quanto poderia ser, porque rapidez numa estatal é um tema complexo. "Nós melhoramos muito a nossa competitividade, mas ainda não somos referência, apesar do nosso tamanho. Precisamos melhorar mais", avaliou.

Neste ano, as prioridades são focar em aprimorar a cultura organizacional, focar em geração e transmissão de energia, inclusive renovável, investir em substituir os ativos de transmissão obsoletos (segundo Ferreira, mais de R$ 33 bilhões em ativos estão fora de vida útil) e concluir duas obras: a da linha de transmissão Manaus-Boa Vista, que deve ser retomada até abril, e Angra 3, cuja meta é ficar pronta em 2025, entrando em operação em 2026.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Recurso da estatal

TRF-4 nega recurso da Petrobras e mantém Odebrecht fora de ação da Lava Jato

No recurso, a estatal buscava o prosseguimento dos réus na ação cível e a manutenção do bloqueio de bens dos executivos

Seu Dinheiro na sua noite

Guedes fora, alta do dólar

Você se lembra de quando o dólar a R$ 4,20 era o grande “patamar psicológico” da moeda americana? Não faz tanto tempo assim, mas esse nível de cotação ficou para trás, e agora parece até um pouco distante. Hoje, o dólar à vista bateu um novo recorde de fechamento. Eu sei que você já leu […]

Mais um recorde: dólar à vista sobe a R$ 4,36 e renova a máxima nominal de fechamento

O dólar à vista subiu mais um degrau nesta quarta-feira (19): pela primeira vez, terminou uma sessão acima dos R$ 4,36, cravando um novo recorde nominal. É a oitava vez em 2020 que a moeda renova as máximas de fechamento

Ainda na liderança

Vitor Hugo crê que permanece como líder do governo; Terra diz não receber convite

O deputado disse que não recebeu sinalizações do presidente Jair Bolsonaro de que poderá ser substituído pelo ex-ministro Osmar Terra

O impasse continua

Após TRT suspender demissões, Petrobras quer negociar desligamentos em fábrica

Encerramento da operação da Ansa é o principal motivo da greve dos petroleiros

Ponto polêmico

Relator mantém trabalho aos domingos na MP do contrato verde e amarelo

Deputado Áureo manteve a permissão para que todos os trabalhadores sejam convocados para trabalhar aos domingos e feriados

Novidade no IR

Programa do IR virá sem dedução da contribuição patronal sobre domésticos

Fim da dedução é a principal novidade para as declarações de IR em 2020

4 a 4

Com placar empatado, julgamento sobre decreto da Petrobras é suspenso no STF

Interrupção se deu diante da ausência dos ministros Celso de Mello e Cármen Lúcia na sessão

Fuga de estrangeiros

Investidor estrangeiro retira R$ 258,518 milhões da B3 no dia 17

Em fevereiro, o saldo acumulado de recursos estrangeiros na Bolsa está negativo em R$ 7,920 bilhões

Parou pelo caminho

Governo desiste de enviar ao Congresso projeto e ‘fast-track’ para privatização

Segundo o secretário Salim Mattar, com a ida do Programa de Parcerias de Investimentos para o Ministério da Economia, o projeto não será mais necessário

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements