Menu
2020-08-01T11:48:50-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
responsabilização

IRB deve entrar na Justiça contra ex-executivos após polêmica com Warren Buffett

Decisão foi autorizada em assembleia de acionistas; empresa teve balanços questionados neste ano e boatos envolvendo a base acionária

1 de agosto de 2020
11:48
Warren Buffett
O megainvestidor e bilionário Warren Buffett - Imagem: Wikimedia Commons

O ressegurador IRB Brasil aprovou em assembleia de acionistas responsabilizar judicialmente os ex-executivos envolvidos na divulgação de informações inverídicas sobre a base acionária da empresa. O caso envolveu o nome do bilionário Warren Buffett.

Ex-executivos foram também responsabilizados pelo recebimento e pagamento a título de bônus, sem as devidas aprovações e justificativas internas, de aproximadamente R$ 60 milhões.

A empresa diz que eles realizaram recompra de ações em desrespeito aos limites impostos pelo Conselho de Administração e foram responsáveis por erros nas demonstrações financeiras.

Ainda em assembleia, as demonstrações financeiras de 2019 e a proposta de destinação de lucro líquido foram revisadas, apresentadas aos acionistas e aprovadas.

O grupo também autorizou a fixação de um conselho fiscal da empresa em quatro membros efetivos e outros quatro suplentes. Em seguida, elegeu os oito nomes indicados pelo IRB.

A assembleia ainda aprovou a proposta de fixar o limite de valor da remuneração anual global dos administradores e dos membros dos conselhos da companhia, para o período entre abril deste ano e março de 2021.

Caso Warren Buffett

No final de fevereiro, circulou no mercado financeiro um boato de que a Berkshire Hathaway, do bilionário Warren Buffett, teria comprado ações do IRB em meio à forte queda dos papéis na bolsa.

A "fake news" teria sido reforçada pela empresa ao indicar para o conselho fiscal a advogada Márcia Cicarelli - que atua como procuradora do conglomerado no Brasil - e só foi negada quando a própria Berkshire se manifestou publicamente.

O boato com o nome de Warren Buffett surgiu em um momento em que a empresa já sofria questionamentos públicos sobre seu desempenho. Ainda em fevereiro, a gestora Squadra havia divulgado uma carta aos investidores na qual contestava os resultados do IRB.

Com uma grande posição vendida em ações da companhia, a gestora sustentava que os balanços haviam sido turbinados por itens não-recorrentes - que não se repetiriam em resultados seguintes.

Com a polêmica, os papéis do ressegurador desabaram - e ainda acumulam queda de 77% desde janeiro. Mas a empresa reconheceu o erro apenas cinco meses depois da carta da Squadra, colocando a culpa na diretoria da época - o comando da empresa foi trocado nesse meio tempo.

Na ocasião, o IRB relatou ter encontrado uma fraude de R$ 60 milhões no pagamento de supostos bônus a um ex-diretor e outros colaboradores da empresa e suas controladas.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

MERCADOS HOJE

Dólar fica abaixo dos R$ 5 pela primeira vez em um ano; confira as razões para a queda da moeda

Entrada de fluxo estrangeiro no país é acompanhada de alguns critérios técnicos e uma melhora na percepção de risco.

Ampliando investimentos

GM amplia em 75% investimentos em carros elétricos e automáticos até 2025

A projeção da empresa é de que seu Ebit fique entre US$ 8,5 bilhões e US$ 9,5 bilhões na primeira metade do ano

Análise do presidente

Para Bolsonaro, derrubada ou perda da validade da MP da Eletrobras provocará caos

A MP não tem consenso entre líderes e corre o risco de ser derrubada ou ter a votação adiada

Banco mais verde

Itaú anuncia investimento de R$ 400 bilhões em iniciativas ESG até 2025

O Itaú destaca no comunicado que esses títulos têm sido bastante demandados pelo mercado e fazem parte de um segmento em que o Itaú se tornou referência em 2021

MP da eletrobras

Aeel protocola denúncia no TCU contra venda da Eletrobras por ferir Constituição

Em 28 páginas, a Aeel explica ao TCU cada artigo da Constituição que estaria sendo afrontado, e questiona a falta de transparência do processo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies