Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-03-17T18:21:21-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Crise do coronavírus

Gol suspende todos os voos internacionais a partir de 23 de março

Com a demanda em queda por causa da pandemia de coronavírus, a Gol decidiu suspender os voos internacionais a partir da semana que vem; a Azul já havia anunciado medida semelhante ontem

17 de março de 2020
14:43 - atualizado às 18:21
Avião da Gol
Avião da Gol - Imagem: Shutterstock

Menos de 24 depois de anunciar uma redução drástica em sua capacidade, a Gol precisou ampliar ainda mais as medidas para a contenção de danos por causa do surto de coronavírus. Há pouco, a companhia aérea anunciou o cancelamento de todos os voos internacionais a partir da próxima segunda-feira (23).

Em comunicado enviado à imprensa, a Gol diz que a suspensão será válida até o dia 30 de junho, de modo a se adequar à demanda menor de passageiros em meio à pandemia. Na noite de ontem, a empresa havia anunciado um plano para cortar de 90% a 95% os voos internacionais até junho.

Para o segmento doméstico, a Gol continua trabalhando com um cenário de redução de 50% a 60% na malha nos próximos meses, de maneira gradual. Com a interrupção dos voos internacionais, a capacidade total da companhia será diminuída em 60% a 70%.

Atualmente, a Gol possui voos diretos para 11 países: Argentina, Bolívia, Chile, Equador, Estados Unidos, México, Paraguai, Peru, República Dominicana, Suriname e Uruguai. Ontem, a Azul também informou a suspensão de seus voos internacionais, exceto os que saem de Campinas.

Logo após o anúncio, as ações PN da Gol (GOLL4) entraram em leilão — naquele momento, recuavam 2,74%, a R$ 7,82. No fechamento, os papéis valiam R$ 7,78, em baixa de 3,23%. Com isso, os ativos da companhia já acumulam perdas de quase 80% desde o início do ano.

Situação complexa

No Brasil, as companhias aéreas ainda têm mais um fator de estresse a ser considerado: a disparada do dólar — nesta segunda-feira, a moeda americana fechou em alta de 4,90% no segmento à vista, cotada a R$ 5,0523.

O câmbio é importante para empresas como Gol e Azul porque o combustível de aviação (QAV) é precificado em dólar. Assim, quanto mais alta a cotação da moeda americana, maiores as despesas com querosene, e vice-versa.

Ok, a queda do petróleo traz algum alívio à equação, mas não é suficiente para amenizar o efeito da disparada do dólar. E, além disso, as companhias aéreas possuem muitos outros gastos e dívidas denominados em moeda americana.

Em nota, a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) diz que suas associadas já registraram, em média, queda de 30% na demanda por voos domésticos e redução de 50% nas viagens internacionais, na comparação com o mesmo período do ano passado.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

MERCADOS HOJE

Evergrande injeta temor no mercado global e bolsas têm dia de fortes perdas; Ibovespa fecha no menor nível desde novembro

Temor de que os problemas da incorporadora chinesa gerem uma reação em cadeia no mercado global afundou as bolsas nesta segunda-feira (20)

Ruído político

Congresso não participou de debate sobre aumento no IOF, revela presidente da Câmara

Arthur Lira também declarou que quer avançar com a reforma administrativa e uma solução para a questão dos precatórios ainda nesta semana

Na onda do minério

Mercado Livre (MELI34) ultrapassa Vale (VALE3) e se torna a empresa mais valiosa da América Latina

A gigante de comércio eletrônico argentina conquistou o posto após a mineradora brasileira perder R$ 43,6 bilhões em valor de mercado na última semana

Vídeos

Investir em IPOs vale a pena? Saiba as causas dessa febre do mercado

O ano de 2021 está mostrando a força do setor dos IPOs. São diversas empresas que abriram seu capital e fizeram sua oferta primária. Matheus Spiess, analista da Empiricus, explica neste vídeo sobre este cenário. Confira

desaceleração a caminho

Renda fixa: Por que a Evergrande derruba o Ibovespa, mas alivia o mercado de juros

Desempenho é oposto ao que se poderia esperar quando há pânico no mercado, diz especialista; contratos DIs para janeiro de 2022 caem de 7,09% para 7,08%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies