Menu
2020-10-01T18:52:49-03:00
Estadão Conteúdo
retomada

Crise já não prejudica produção de combustíveis da Petrobras, diz ANP

Agosto foi um marco no processo de retomada das refinarias produtoras de combustíveis neste ano, com o fator de utilização da capacidade das unidades produtoras chegando à média de 80%

1 de outubro de 2020
18:51 - atualizado às 18:52
Sede da Petrobras
Sede da Petrobras - Imagem: Shutterstock

Agosto foi um marco no processo de retomada das refinarias produtoras de combustíveis neste ano de crise. No mês, o fator de utilização da capacidade das unidades produtoras chegou à média de 80%, o maior registrado desde janeiro do ano passado, o primeiro mês divulgado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) em seu site.

O pior momento das refinarias foi em abril, quando a utilização da capacidade chegou a 56,4%. Naquele momento de baixíssimo consumo por conta da pandemia de covid-19, a Petrobras, dona de quase a totalidade do parque de refino nacional, reduziu drasticamente sua produção, principalmente de querosene de aviação, gasolina e, em menor escala, de óleo diesel.

Em contrapartida, a empresa apostou no óleo bunker, para consumo marítimo, cuja demanda estava em alta no mercado internacional. Com isso, naquele momento, refinarias mais capacitadas a produzir o óleo bunker, como a baiana Rlam, ganharam protagonismo, enquanto outras mais voltadas para o óleo diesel, como a paulista Replan, perderam importância.

Passada a pior fase da indústria de refino, o perfil da produção estatal retorna à normalidade. Na Replan, que há anos ocupa a liderança no refino, o nível de utilização da capacidade ultrapassou a média, chegando a 85% em agosto. Enquanto na Rlam, ficou em 69%. A Replan retomou o posto de maior produtora nacional, tendo respondido por 16,1% do processamento de petróleo no mês, e a Rlam, por 14,7%.

O óleo diesel automotivo voltou a ser o combustível mais produzido. Foram 3,7 bilhões de litros em agosto. Em seguida aparece a gasolina (1,9 bilhão de litros). O QAV continua em baixa, com produção de 207 mil litros, frente a 566 mil litros em janeiro deste ano, antes da crise.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

seu dinheiro na sua noite

Fidelidade em baixa com a pandemia

Não, não estou falando da fidelidade entre casais. Até porque, por mais que a convivência excessiva em família na quarentena tenha abalado alguns casamentos, o momento não anda muito propício às puladas de cerca. Estou falando do setor de fidelidade, que abarca as empresas de programas de pontos e milhagem, sobretudo aqueles ligados às companhias […]

Empresa ligada à Vale

Justiça aprova pedido de Recuperação Judicial da Samarco

RJ não terá impacto nas atividades operacionais da mineradora, nem nas ações de reparação e compensação pela tragédia de Mariana

FECHAMENTO

Ibovespa ignora tensão em Brasília e NY no vermelho e avança 1%; dólar também sobe

Enquanto as blue chips garantiram o bom desempenho do Ibovespa, o dólar avançou 0,84%, pressionado pelo noticiário em Brasília

Exaltou integração

Presidente do Banco Central não enxerga competição entre bancos e fintechs

Segundo Campos Neto, a integração entre as mídias sociais e o sistema financeiro é maior inovação que existe no momento

Menos pontos e milhas

Setor de empresas de fidelidade encolhe quase 30% em 2020

O segmento de fidelidade movimentou R$ 5,3 bilhões em 2020, segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies