Menu
2020-09-25T13:42:19-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
POTENCIAL DE ALTA DE 41%

Credit Suisse eleva preço-alvo da Suzano, em meio a sinais positivos do mercado de celulose

Analistas dizem que ações são a principal escolha entre as empresas de papel e celulose cobertas pelo banco

25 de setembro de 2020
13:42
Suzano Papel e Celulose
Suzano Papel e Celulose - Imagem: Amanda Oliveira/Governo da Bahia

O jogo está virando em favor da Suzano. Depois de sofrer no começo do ano com a queda nos preços da celulose, a maior produtora de celulose de eucalipto do mundo deve aproveitar uma recuperação das cotações, prevista para começar no quarto trimestre.

Quem diz isso são os analistas Caio Ribeiro e Gabriel Galvão, do banco Credit Suisse. Levando também em consideração o desempenho no segundo trimestre e a redução de 4% dos custos da produção da tonelada de celulose, eles decidiram elevar o preço-alvo das ações da Suzano de R$ 54,50 para R$ 65,00.

O novo preço implica em um potencial de alta de mais de 41% em relação ao fechamento de quinta-feira (24). Os analistas dizem ainda que as ações da Suzano são sua principal escolha entre as empresas de papel e celulose cobertas pelo banco, reiterando a recomendação de compra.

A decisão está fazendo bem para os papéis da companhia no pregão desta sexta-feira (25). Enquanto os papéis da maioria das empresas recuam na B3, as ações da Suzano sobem. Por volta das 13h27, elas avançavam 2,04%, a R$ 46,94. Acompanhe a cobertura de mercados do Seu Dinheiro.

Para os analistas do Credit Suisse, a recuperação dos preços da celulose, em especial na China, ocorrerá por conta da alta concentração de paradas de manutenção das fábricas de papel vista no segundo semestre, a melhora da demanda e dos preços para papel de escrita, a sazonalidade do quarto trimestre, marcado pelo início do novo ano letivo no hemisfério norte e a diferença de preços entre a fibra curta e longa, que deve se acentuar e incentivar a substituição de uma pela outra, o que seria benéfico para a companhia brasileira.

Balanço de 2021

E tem mais. Os analistas do Credit Suisse afirmam que a Suzano também se beneficiará da recente desvalorização do real frente ao dólar, com os instrumentos de proteção cambial que utiliza tendo menos efeitos negativos nos resultados.

A notícia é ótima, visto que a empresa sofreu muito com o câmbio no segundo trimestre. Ela registrou prejuízo de R$ 2 bilhões no período porque a desvalorização do real pesou sobre a dívida em moeda estrangeira e nas operações de proteção (“hedge”).

Todo este cenário benigno levou o banco suíço a revisar a projeções para o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) em 2021 para cima, em cerca de 7%, para R$ 18,7 bilhões.

A geração de caixa deve alcançar R$ 7,2 bilhões, o que representa um rendimento de 11,5%, e a alavancagem financeira – medida que mostra quantos anos a empresa levaria para pagar sua dívida líquida usando sua geração de caixa – deve cair para 3,2 vezes, de 5,6 vezes.

“A Suzano está sendo negociada atualmente a 6,5 vezes o EV/Ebitda [indicador que mostra se uma empresa está sub ou supervalorizada], abaixo da média história, de 7,0 a 7,5 vezes, e no nível atual de preço das ações, vemos um valor implícito para a celulose de US$ 500 a US$ 510 a tonelada, o que consideramos ser muito conservador”, diz trecho do relatório.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

seu dinheiro na sua noite

Fidelidade em baixa com a pandemia

Não, não estou falando da fidelidade entre casais. Até porque, por mais que a convivência excessiva em família na quarentena tenha abalado alguns casamentos, o momento não anda muito propício às puladas de cerca. Estou falando do setor de fidelidade, que abarca as empresas de programas de pontos e milhagem, sobretudo aqueles ligados às companhias […]

Empresa ligada à Vale

Justiça aprova pedido de Recuperação Judicial da Samarco

RJ não terá impacto nas atividades operacionais da mineradora, nem nas ações de reparação e compensação pela tragédia de Mariana

FECHAMENTO

Ibovespa ignora tensão em Brasília e NY no vermelho e avança 1%; dólar também sobe

Enquanto as blue chips garantiram o bom desempenho do Ibovespa, o dólar avançou 0,84%, pressionado pelo noticiário em Brasília

Exaltou integração

Presidente do Banco Central não enxerga competição entre bancos e fintechs

Segundo Campos Neto, a integração entre as mídias sociais e o sistema financeiro é maior inovação que existe no momento

Menos pontos e milhas

Setor de empresas de fidelidade encolhe quase 30% em 2020

O segmento de fidelidade movimentou R$ 5,3 bilhões em 2020, segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies