🔴 ALGORITMO MOSTRA COMO BUSCAR ATÉ R$ 3 MIL POR DIA – CONHEÇA

Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
narrativa em xeque

Mercado é completamente insensível a casos como o do Carrefour, diz gestor pioneiro em ESG

Diretor da Fama Investimentos afirma que investidores só reagiram após a repercussão de assassinato de homem negro em unidade da rede, não com a morte em si; caso põe pressão sobre narrativa ESG

Kaype Abreu
Kaype Abreu
24 de novembro de 2020
16:26 - atualizado às 19:12
Imagem: Shutterstock, com intervenção de Andrei Morais

A reação do mercado financeiro ao assassinato de João Alberto de Freitas - homem negro que foi espancado por seguranças de uma unidade do Carrefour em Porto Alegre (RS) - mostra uma insensibilidade dos investidores com questões sociais.

A avaliação é do diretor da Fama Investimentos, Fabio Alperowitch. A gestora é especializada em fundos ESG — sigla em inglês para as melhores práticas ambientais, sociais e de governança, e que têm ganhado adesão do mercado financeiro nos últimos anos. Ao menos no discurso.

Para Alperowitch, a reação do mercado à brutal morte no Carrefour mostra que as pessoas não ficaram mais conscientes sobre as responsabilidades sociais de uma empresa, apesar da penetração do discurso ESG entre executivos e gestores.

Na sexta-feira (20), primeiro dia de pregão após o caso, as ações da rede de supermercados chegaram a subir. Só depois de ampla repercussão negativa da morte de Freitas é que os papéis caíram — mais de 5% na segunda-feira e menos de 1% nesta terça (24).

"Foi quando os investidores entenderam que isso pode afetar o Carrefour, que a empresa poderia ter menos lucro", diz o gestor. O último balanço da rede apresentou um lucro ajustado de R$ 757 milhões, em uma alta anual de 73,1%.

Segundo Alperowitch, o mercado não consegue estabelecer uma relação de causa e efeito para casos como o da morte de João Alberto de Freitas, além de não ser capaz de medir um posicionamento fraco da empresa. "O caso é uma punhalada naqueles que acreditam que o ESG é desenvolvido no Brasil", afirma.

O discurso ESG no mercado brasileiro tem ganhado adesão nos últimos anos. A tese é de que empresas que valorizam esse lado podem ter melhores resultados porque não gastariam dinheiro com disputas na Justiça e atrairiam as novas gerações — que seriam mais preocupadas com questões sociais e ambientais.

É possível confiar no discurso?

Não existe uma auditoria independente do ESG. Empresas fazem uma autodeclaração apoiadas muitas vezes em relatórios socioambientais e na escolha de determinadas gestoras pelas ações de companhia.

O Carrefour está, por exemplo, em uma carteira de recomendações da Necton com princípios de ESG relativa ao mês de outubro. A empresa, até a morte de João Alberto de Freitas, também fazia parte da Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial - que reúne 73 organizações, incluindo gigantes como Coca-Cola e Ambev.

Para Alperowitch, mais do que avaliar o discurso de uma empresa e se a companhia faz parte dessa ou daquela iniciativa, é preciso que o investidor note a coerência. "Uma companhia tomar atitudes de uma maneira isolada não dá resultado. É preciso mudar a cultura da empresa", diz.

O Carrefour é reincidente em casos de violência. Há cerca de três meses, uma unidade da empresa no Recife continuou aberta após a morte de um homem dentro do estabelecimento — houve uma tentativa de cobrir o corpo com guarda-sóis abertos.

Em 2018, um segurança de uma unidade da rede em Osasco matou uma cadelinha que vivia nos arredores do supermercado. As agressões em supermercados por parte de funcionários de empresas de segurança também não são exclusividade do Carrefour, conforme tem sido amplamente repercutido nas redes sociais nos últimos anos.

Empresa se move

Diante da repercussão do caso, o Carrefour anunciou nesta segunda um fundo de R$ 25 milhões para iniciativas de combate ao racismo.

Segundo a empresa, as iniciativas compreenderão ações internas e projetos de âmbito externo "visando promover ações que envolvam seus milhares de colaboradores e também seus públicos externos".

A companhia também prometeu reverter em doação o resultado das vendas realizadas em 20 de novembro. Em nota, o Carrefour disse que romperia o contrato com a empresa terceirizada envolvida na morte de João Alberto de Freitas.

Em vídeo veiculado em espaço pago durante intervalo do Jornal Nacional, na TV Globo, Noel Prioux, presidente do grupo, pediu desculpas pelo que ele definiu como uma "tragédia de dimensões incalculáveis".

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar