Menu
2020-08-28T11:34:00-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Oferta de ações

Após bolha no crédito de veículos, BV se reinventa como investidor de fintechs e lança IPO

Controlado pelo Banco do Brasil e pela família Ermirio de Moraes, o antigo Banco Votorantim perdeu bilhões no início da década e passou por reestruturação

28 de agosto de 2020
11:33 - atualizado às 11:34
Banco BV Instagram
Imagem: Reprodução Instagram

Uma década depois de amargar perdas bilionárias com a "bolha" do crédito de veículos, o BV — o antigo Banco Votorantim — se prepara para estrear na bolsa com uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês).

A instituição controlada pelo Banco do Brasil e pela família Ermirio de Moraes desejava abrir o capital no começo do ano, mas os planos foram interrompidos pela crise do coronavírus.

Na época, a expectativa era que o IPO movimentasse R$ 5 bilhões. A maior parte do dinheiro deve ir para o bolso dos sócios que vão aproveitar a oferta para vender parte de suas ações.

Afetado pela pandemia, o BV registrou lucro líquido de R$ 443 milhões no primeiro semestre deste ano, queda de 36% em relação ao mesmo período de 2019. O retorno sobre o patrimônio líquido ficou em 8,8%, índice menor que o dos grandes bancos privados.

A bolha

O IPO pode acontecer dez anos depois de o BV atingir o auge — e logo depois o fundo do poço. Em 2010, a instituição alcançou a liderança do mercado de financiamento de veículos usados, superando concorrentes muito maiores como Itaú Unibanco e Santander.

No auge da bolha de crédito, em junho de 2011, a carteira de crédito do BV chegou a quase R$ 80 bilhões. Mas a estratégia agressiva de conceder empréstimos sem entrada e com prazos de até 90 meses para pagar provocou um verdadeiro estrago no balanço com a explosão da inadimplência.

Diante do prejuízo, o banco precisou ser socorrido pelos sócios com um aporte de capital de R$ 2 bilhões. Mesmo assim, passou os três anos seguintes amargando perdas.

Ainda hoje, o saldo dos financiamentos do BV segue abaixo dos patamares da época da bolha e atingiu R$ 68,8 bilhões em junho deste ano — um avanço de 11% em 12 meses.

Fintechs

Após o processo de reestruturação, o BV voltou parte de suas atenções para as novas empresas de tecnologia financeira (fintechs) e startups, atuando como liquidante e custodiante para companhias como Neon, Nubank e Stone.

O BV também possui investimentos em fintechs como o próprio Neon, na assistente financeira virtual Olivia e na plataforma de empréstimos online Just.

Na parcela do dinheiro do IPO que vai para o caixa do banco, o BV pretende usar os recursos no crescimento da carteira de crédito e investimentos nas fintechs, incluindo rodadas adicionais de aporte de capital em investidas.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Renovação do Conselho

Comitê interno da Petrobras desaprova dois nomes indicados ao Conselho

Indicados foram considerados inaptos pelo Comitê de Pessoas por terem atuado em empresas com relação direta com a estatal nos últimos três anos

ESTRADA DO FUTURO

A equação do e-commerce: onde estamos investindo quando o assunto é varejo

O varejo é grande demais para exista um tipo de “vencedor leva tudo”. Na geração de demanda é a mesma coisa. Todos estão crescendo como derivada de uma tendência maior, que é o desenvolvimento do e-commerce

CRIPTOMOEDA

Bitcoin ultrapassa US$ 60 mil antes de abertura de capital da Coinbase Global

Criptomoeda teve alta de 4,87%, a quatro dias de IPO da maior corretora de moedas digitais dos EUA

pandemia

Mortes por Covid-19 cresceram 468% no Brasil entre janeiro e março, alerta Fiocruz

Para os novos casos, o aumento foi de 701%; Sul e Centro-Oeste tendem a cenário mais crítico nas próximas semanas.

IPCA DE MARÇO

Inflação vai a 0,93% e mercado vê risco de estourar meta

Taxa acumulada passou a 6,10% no mês passado, reforçando temor de que inflação oficial termine o ano acima do teto da meta, de 5,25%.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies