Menu
2020-12-10T16:47:16-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
pandemia e economia

Vacinação é essencial para sustentar retomada, diz Citi

País vive segunda onda de contaminação de covid-19 e isto está freando a retomada, diz economista-chefe do banco

10 de dezembro de 2020
16:00 - atualizado às 16:47
Vacina contra covid-19
Corrida pela vacina contra covid-19 - Imagem: Shutterstock

A economia brasileira está demonstrando sinais de retomada, mas ela só será sustentável quando houver mais clareza sobre o processo de vacinação da população. Enquanto houver dúvidas, não será possível ajustar os gastos públicos da maneira adequada e muitas aberturas de capital e emissão de dívida ficam em suspensão.

A segunda onda de contaminações por covid-19 é o principal freio para uma retomada mais robusta do País, de acordo com o economista-chefe do Citi Brasil, Leonardo Porto.

Segundo ele, a falta de controle da doença já está tendo efeitos sobre a atividade econômica. Ainda que os dados divulgados recentemente apontem para uma aceleração da economia, Porto disse que os próximos números, principalmente os relativos a dezembro, devem demonstrar que o País ainda está frágil.

A expectativa é de uma desaceleração forte. Depois da alta de 7,7% no terceiro trimestre, o PIB deve registrar avanço de 0,7% no quarto trimestre e de 0,1% no primeiro trimestre do ano que vem, de acordo com as projeções do Citi. Tudo isso por conta da covid-19.

“O Brasil está enfrentando uma segunda onda. Já começamos a ver uma desaceleração mais aguda [da economia] em dezembro”, afirmou. “A segunda onda vai ser um freio para o processo de recuperação no quatro trimestre e no primeiro trimestre de 2021.”

Nem tudo está perdido

Para não dizer que o encontro com a imprensa foi marcado pelo pessimismo, a expectativa é do Citi é de aceleração da economia a partir do segundo trimestre. Porto informou que a projeção para o PIB do período é de 0,6%, com a economia brasileira fechando 2021 com expansão de 3%. Para 2020, a expectativa é de queda de 5,1%.

As projeções do Citi para a economia no próximo ano estão baseadas não só nas notícias sobre o desenvolvimento dos imunizantes, mas também nas informações sobre a estratégia dos governos estaduais e federal para vacinar as pessoas. Porto calculou que, até o momento, o País conta com 186 milhões de doses de diferentes imunizantes. Considerando que muitas deles exigem que as pessoas tomem duas doses, o equivalente a 44% da população estará coberta.

“O processo de vacinação vai começar a ganhar tração no segundo trimestre. E isso vai permitir liberar as atividades e dará coragem para as pessoas saírem e consumirem”, afirmou o economista-chefe do Citi. “Se tivermos sucesso em controlar a doença e implementar rapidamente a vacinação, encurtaremos a desaceleração [da economia] no primeiro trimestre e o processo de re-aceleração será mais rápido no segundo trimestre.”

Estourando o teto de gastos

A melhora esperada para a economia, porém, não impedirá que o teto de gastos seja furado em 2021. Para o Citi, o estouro será de 1 ponto percentual (p.p.) do PIB, o equivalente a R$ 75 bilhões. Isto ocorrerá porque a situação do País ainda estará fragilizada, com muitas pessoas desempregadas, forçando o governo a atuar.

“Se você não controlar a pandemia, não tem como pessoas mais vulneráveis conseguirem um emprego e se recolocarem, é difícil politicamente deixar estas pessoas desamparadas”, afirmou Porto. “O controle da pandemia é condição necessária para o ajuste fiscal.”

Mesmo esperando que o teto de gastos seja descumprido, o Citi não prevê uma alta significativa da inflação em 2021, como é de se esperar quando se vê as contas públicas fora de ordem. A expectativa é de que ela alcance 3,7%, ficando no centro da meta de 3,75%.

Parte da explicação está na expectativa de que este aumento seja compensado por um aumento da dívida pública bruta, que deve passar de 94,5% para 95,9%. Mas o motivo principal está no fato de que o País passará por um ajuste fiscal. Ainda que as despesas devam crescer, elas ainda serão menores do que aquelas registradas em 2020, quando o governo federal teve que gastar para mitigar os efeitos da pandemia.

“O fato de a despesa superar o teto em 1 p.p. em 2021 não significa que a política fiscal não está contracionista”, disse Porto. “Este ano, ela superou em 8 p.p., então a despesa vai cair 7 p.p. no ano que vem. A política fiscal ainda será extremamente contracionista.”

IPOs e follow-ons

Controlar a segunda onda de covid-19 e as contas públicas não terá efeitos apenas sobre a economia, como também na intenção das empresas de abrirem capital ou captarem recursos no mercado via emissão de ações, disse o presidente do Citi Brasil, Marcelo Marangon.

Ele informou que o banco possui, no momento, 40 mandatos de operações de empresas que devem vir ao mercado em 2021. E ele projeta que o País pode registrar no ano que vem volumes superiores a US$ 30 bilhões em IPOs e follow-ons. Tudo, é claro, dependerá de o Brasil apresentar as condições ideais.

“Várias operações estão em andamento e em fase final de estruturação”, afirmou. “É muito importante que o governo tome as decisões adequadas, com rigor fiscal, para que possamos colocar estas operações no mercado.”

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Fechamento

Dólar sobe, Eletrobras fecha em queda no exterior e ações de tecnologia sustentam alta de índices nos EUA

Renúncia de Ferreira Junior ao cargo de presidente da estatal brasileira afeta confiança dos investidores na privatização; S&P 500 e Nasdaq fecham em alta

SD PREMIUM

Segredos da bolsa: Ata do Copom é destaque em meio à preocupação com covid-19 e cenário fiscal

A queda do EWZ, o principal fundo de índice com ações brasileiras em Nova York, indica uma reabertura no vermelho para o Ibovespa na volta do feriado

Futuro da estatal

‘Temos dentro da Eletrobras profissionais capazes de me suceder’, diz Wilson Ferreira

Após deixar presidência, Wilson Ferreira responde se há conflito de interesse ao se manter no conselho da Eletrobras e, ao mesmo tempo, presidir a BR Distribuidora

Expectativas

Novo presidente da Eletrobras (ELET3) deve dar prioridade à privatização, diz Caio Megale

Após saída de Wilson Ferreira, analista afirma que ‘a privatização da Eletrobras tem sua importância pela sua situação atual e pelo seu grau de maturidade (para ser privatizada)’

Reformas

‘Vamos limpar a pauta, destravando o horizonte de investimentos’, diz Paulo Guedes

Ministro prometeu que o governo não irá aumentar impostos e reforçou que a atividade está se recuperando em ‘V’

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies