Menu
2020-03-26T11:16:05-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Economia impactada

Pedidos de seguro-desemprego nos EUA saltam ao maior nível da história com a crise do coronavírus

Em meio ao surto de coronavírus, o número de pedidos de seguro-desemprego nos EUA ultrapassou a marca de 3 milhões na semana, marcando um novo recorde histórico

26 de março de 2020
11:16
Coronavirus economia dólar EUA
Imagem: Shutterstock

O surto global de coronavírus já causa os primeiros estragos na economia dos EUA. Há pouco, o Departamento de Trabalho do país reportou uma disparada no número de cidadãos que deram entrada nos pedidos de seguro-desemprego — um indício de que os impactos da pandemia serão intensos por lá.

Na semana encerrada em 21 de março, foram registrados 3,28 milhões de novas solicitações de auxílio-desemprego — um aumento de mais de 3 milhões em relação à semana anterior, quando apenas 282 mil pedidos foram feitos.

O resultado divulgado hoje representa o maior nível já registrado na série histórica do departamento — o recorde anterior era de 695 mil, marcado em outubro de 1982. O dado superou a média das projeções dos analistas consultados pela Business Insider, que apontava para cerca de 2,7 milhões de pedidos de seguro-desemprego na semana.

A forte elevação ocorre em paralelo à disseminação do coronavírus pelo território americano. Segundo dados compilados pela universidade John Hopkins, já são quase 70 mil casos da doença e mais de 600 mortes no país — a região de Nova York é a mais crítica nos EUA, com 280 óbitos.

Evolução dos pedidos de seguro-desemprego nos EUA. a linha pontilhada mostra o resultado da semana encerrada em 21 de março (Fonte: Departamento de Trabalho dos EUA)

Com o surto da doença, autoridades do mundo todo têm incentivado o isolamento social e o fechamento dos comércios não-essenciais para tentar conter o avanço do vírus — uma situação que pressiona especialmente os pequenos e médios negócios, que costumam ter uma situação de caixa mais apertada e, consequentemente, não conseguem suportar um período prolongado sem atividades.

Mas, por mais que os dados sejam alarmantes, as bolsas americanas continuam operando em alta nesta quinta-feira (26). Por volta de 11h05, o Dow Jones avançava 3,09%, o S&P 500 subia 3,09% e o Nasdaq tinha ganhos de 2,66%.

O mercado financeiro continua apostando suas fichas em mais medidas de estímulo e injeção de liquidez na economia, de modo a dar sustentação à atividade durante a crise. Um pacote de US$ 2 trilhões já foi aprovado pelo Senado americano — e, a partir dos números preocupantes do mercado de trabalho, há quem aposte que novas rodadas de auxílio serão disparadas.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Segredos da bolsa

Com PIB brasileiro em foco, investidores monitoram juros futuros americanos e tensão em Brasília

O grande evento da semana é a divulgação dos números do Produto Interno Bruto brasileiro no ano passado, mas os investidores também monitoram o clima político em Brasília e os sinais de “superaquecimento” da economia americana

Novos tempos

Alvo de Bolsonaro, home office avança no setor público

Bolsonaro usou trabalho remoto para atacar presidente da Petrobras

Mais uma na área

FDA autoriza uso emergencial de vacina de dose única nos EUA

Imunizante é produzido pela Johnson & Johnson

Contra a pandemia

Matéria-prima para produção de 12 milhões de doses de vacina chega ao Rio

Total de efetivamente imunizados não chega a 1% da população brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies