Menu
2020-06-04T10:04:08-03:00
Estadão Conteúdo
efeito coronavírus

Projeção de alta do crédito bancário em 2020 passa de 4,8% para 7,6%, diz BC

Já a projeção de crescimento do crédito livre em 2020 passou de 8,2% para 10,6%

4 de junho de 2020
10:03 - atualizado às 10:04
cadastro positivo crédito cartão
Imagem: Shutterstock

O Banco Central (BC) alterou nesta quinta-feira, por meio do Relatório de Economia Bancária (REB), projeções para o mercado de crédito brasileiro em 2020, na esteira dos efeitos da pandemia do novo coronavírus sobre a economia. A estimativa de alta para o saldo de crédito este ano passou de 4,8% para 7,6%.

Já a projeção de crescimento do crédito livre em 2020 passou de 8,2% para 10,6%. No caso dos recursos direcionados, a projeção foi de zero para alta de 3,5%.

Os porcentuais anteriores constaram no Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado em março deste ano. De acordo com o BC, excepcionalmente o REB divulgado hoje trouxe atualização para a projeção de crédito, "tendo em vista a mudança expressiva na conjuntura".

No relatório de hoje, o BC também apontou que o aumento na estimativa do saldo de crédito reflete os impactos da pandemia do novo coronavírus. "Em especial, a aceleração de concessões repercute, principalmente, a busca por recursos por parte de empresas em face à redução dos fluxos de caixa", registrou o BC. "Ressalte-se, adicionalmente, que o movimento também está influenciado pelos efeitos das medidas que abrangeram o mercado de crédito, buscando mitigar danos econômicos causados pelo surto de covid-19."

As cinco maiores instituições financeiras do Brasil - Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco, Caixa Econômica Federal e Santander - concentram 80,7% das operações de crédito no País no segmento bancário, conforme dados do REB. Os números referem-se ao mês de dezembro de 2019. Em 2018, o porcentual era de 82,2%.

Essas cinco instituições concentram 79,2% dos ativos totais e 82,3% dos depósitos. Em 2018, os porcentuais eram de 79,5% e 82,8%, respectivamente.

ICC

O Banco Central também informou que a inadimplência representou 20,84% do spread do Índice de Custo do Crédito (ICC) médio no Brasil em 2019. No fim de 2018, este porcentual era de 21,79%.

O ICC reflete o volume de juros pagos, em reais, por consumidores e empresas, considerando todo o estoque de operações, dividido pelo próprio estoque. Na prática, o indicador reflete a taxa de juros média efetivamente paga pelo brasileiro nas operações de crédito contratadas no passado e ainda em andamento. Já o spread corresponde à diferença entre o custo de captação de recursos, pelos bancos, e o que é efetivamente cobrado de famílias e empresas em operações de crédito, na ponta final.

O relatório mostra que, dentro do spread, o custo de captação dos bancos representou 32,73% no fim de 2019. Em 2018, o porcentual estava em 35,56%. Já as despesas administrativas representaram 18,71% do spread do ICC em 2019, ante 18,09% em 2018.

As despesas com os tributos e o Fundo Garantidor de Créditos (FGC) foram responsáveis por 13,24% do spread no fim de 2019, ante 13,09% em 2018. Já a margem financeira das instituições representou 14,49% do spread, ante 11,47%.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

pandemia

Brasil registra 1.340 mortes por covid-19 em 24h

Resultado ficou atrás apenas do dia 7 de janeiro, quando foram confirmadas 1.524 novos falecimentos

seu dinheiro na sua noite

Tudo caiu – até o forward guidance

Os mercados domésticos ficaram hoje divididos sob a influência de acontecimentos distintos, o que resultou em um comportamento geral incomum: tudo caiu. O Ibovespa perdeu o patamar dos 120 mil pontos e fechou em queda, na contramão das bolsas americanas, animadas pela posse do novo presidente Joe Biden e a nova fornada de estímulos fiscais […]

Análise

Sem o “forward guidance”, Banco Central arranca bola de ferro dos pés

Decisão do BC de abrir mão do compromisso de não mexer com os juros foi acertada, mas a adoção do instrumento mais ajudou ou atrapalhou a economia?

sem "efeito Biden"

Vacinação e risco fiscal derrubam o Ibovespa em dia de festa em NY; dólar também recua

Euforia dos mercados internacionais com o “efeito Biden” foi barrada pelas incertezas domésticas e fez a bolsa brasileira ir na contramão de NY

taxa básica

BC mantém Selic em 2% ao ano, mas retira o ‘forward guidance’

Bolsa pode ter realização de lucros nesta quinta com derrubada de prescrição, diz especialista; decisão de hoje acontece em meio à alta dos preços das commodities e à valorização do dólar

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies