Menu
2020-03-13T15:35:52-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Efeito coronavírus

Panamby Capital reduz previsão de PIB para 1,5% e muda visão sobre Selic

Com queda na atividade econômica e inflação baixa, juros devem cair 0,5 ponto, segundo Reinaldo Le Grazie, ex-diretor do Banco Central e sócio da gestora

13 de março de 2020
15:35
Reinaldo Le Grazie, ex-diretor do Banco Central e sócio da Panamby Capital
Reinaldo Le Grazie, ex-diretor do Banco Central e sócio da Panamby Capital - Imagem: Foto: Beto Nociti/BCB

Diante dos impactos da pandemia do coronavírus na economia, a gestora Panamby Capital, do ex-diretor do Banco Central Reinaldo Le Grazie, decidiu reduzir a projeção para o PIB para 1,5% em 2020. A expectativa anterior era que a economia brasileira crescesse 2% neste ano.

A gestora também mudou a visão para a trajetória da taxa básica de juros (Selic). Antes do agravamento do surto do coronavírus, a Panamby fazia parte do grupo que acreditava que o Banco Central não deveria ter cortado os juros na última reunião do Copom.

“A conjuntura prescreve alívio monetário, no mundo e no Brasil, via compulsório, QE [quantitative easing] e taxa de juro.” Em uma entrevista por telefone, Le Grazie me disse que a expectativa agora é que o BC reduza a Selic em meio ponto.

“Acho que 0,50 [ponto percentual] é razoável em um dia em que o Fed [BC dos EUA] deve derrubar a taxa em 0,75 ou 1 ponto” – Reinaldo Le Grazie, Panamby Capital

A decisão do Banco Central sobre os juros acontece na próxima quarta-feira, no mesmo dia da reunião do Fed nos EUA, onde os juros poderão cair para perto de zero.

Para o ex-diretor de política monetária do BC, a queda na atividade econômica esperada com o coronavírus e os índices de inflação baixos prescrevem juros para baixo.

Ele não espera, contudo, um novo ciclo de cortes, e sim que o Copom faça toda ou quase toda a redução de juros já na próxima reunião.

Comprado em dólar e aumentando bolsa

A avaliação de que o BC vai cortar a Selic para conter os efeitos do coronavírus na economia levou a Panamby a adotar posições compradas no mercado de juros, que passou por um forte estresse ao longo desta semana.

Um corte de 0,50 ponto percentual não pode provocar mais pressão sobre o câmbio? “Vai provocar. Eu continuo vendo o dólar para cima”, respondeu Le Grazie.

A Panamby segue comprada na moeda norte-americana, mas o ex-diretor do BC avalia que a maior parte do ajuste que ele esperava para o câmbio já foi feito. A gestora também vê espaço para aumentar as posições em bolsa depois da queda violenta das ações nas últimas semanas.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

TECNOLOGIA

Xiaomi supera Apple em venda de celulares

O levantamento também mostra que a Samsung voltou ser a líder global de vendas de smartphones, após perder a liderança do mercado para a também chinesa Huawei, que ficou no topo por um único trimestre.

BOMBOU NO SEU DINHEIRO

Melhores da Semana: O Halloween dos mercados

A segunda onda de coronavírus é um ‘fantasma’ que ronda os mercados desde o início do ano. Muita gente não acreditou. Nesta semana, ele mostrou as caras.

POLÍTICA

Bolsonaro grava para campanhas e aposta em 2º turno em RJ e SP

Presidente busca apoiar aliados para tentar formar base nos grandes colégios eleitorais para sua campanha de reeleição em 2022

responsabilização

JBS aprova em assembleia ação contra irmãos Batista

Processo diz respeito a prejuízos causados por crimes revelados nos acordos de colaboração e leniência firmados pela JBS com a Procuradoria Geral da República

em live

Se necessário, voltaremos a fazer transferência do BC para o Tesouro, diz secretário

Em agosto, CMN já havia autorizado o Banco Central a repassar R$ 325 bilhões para o Tesouro Nacional

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies