🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Flavia Alemi
Flavia Alemi
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pela FIA. Trabalhou na Agência Estado/Broadcast e na S&P Global Platts.
silêncio é de ouro

‘Cenário alternativo’ do BC para a inflação gera mais ruídos que acertos, diz gestor

Para CEO e gestor da Parcitas Investimentos, Marcelo Ferman, cenário alternativo do BC é uma aposta arriscada que ele não faria.

Flavia Alemi
Flavia Alemi
16 de março de 2022
22:10 - atualizado às 14:51
Marcelo Ferman, CEO e gestor da Parcitas Investimentos, avalia cenário alternativo adotado pelo BC sobre a inflação
Marcelo Ferman, CEO e gestor da Parcitas Investimentos, acredita que o BC acertou ao elevar a Selic - Imagem: Léo Martins/Parcitas

A adoção de um 'cenário alternativo' para as projeções de inflação do Banco Central (BC) gerou inquietação no mercado financeiro. Devido à volatilidade provocada pela guerra na Ucrânia, o BC apresentou nesta quarta-feira (16), junto com o aumento da Selic, um pano de fundo hipotético no qual ele trabalha com o preço do barril de petróleo a US$ 100 ao final de 2022.

Nesse cenário, o BC acredita que a inflação acumulada ao longo de 2022 ficará em 6,3%, passando a 3,1% no ano seguinte. No entanto, esses números diferem em muito do cenário de referência do BC - que considera as premissas do Relatório Focus -, no qual o IPCA deste ano ficará em 7,1% e desacelerará para 3,4% em 2023.

A novidade desagradou Marcelo Ferman, CEO e gestor da Parcitas Investimentos. Em entrevista ao Seu Dinheiro logo após a divulgação (atrasada) do Comitê de Política Monetária (Copom), Ferman avaliou que o BC fez uma aposta de risco que ele próprio não faria ao traçar esse cenário alternativo. Confira os principais pontos da conversa com o doutor em política monetária:

De maneira geral, a decisão do BC foi em linha com o que você esperava?

O contexto geral é de inflação surpreendendo para cima consistentemente, mas isso vinha acontecendo independentemente da guerra na Ucrânia. Acredito que o momento exige cautela e não deve ser feito nenhum movimento brusco. Dessa forma, acho que o BC tinha que ser severo, hawkish (favorável ao aumento de juros) no que dá para ser no curto prazo e evitar falar muito sobre o futuro. O aumento de 1 p. p. não acho ruim. Se o BC subisse 1 p.p. hoje, sinalizasse mais 1 p.p. para a próxima reunião e fizesse um comunicado mais aberto sobre o futuro, num tom de 'vamos ver', acharia melhor. Mas quando ele tira esse 'cenário alternativo' da cartola, acho que cria mais ruídos do que acertos.

Em que sentido?

Acho ruim usar um momento de muita volatilidade para mudar a âncora do mercado de lugar. Era melhor ter escolhido um momento mais calmo para passar a adotar o preço do petróleo de acordo com a curva futura de petróleo. Afinal, mesmo com sinais de arrefecimento da guerra, o pano de fundo ainda é de um petróleo pressionado. A commodity está em falta e a demanda muito forte. O BC está fazendo uma aposta que eu não faria.

Como estão suas previsões para os próximos movimentos do Copom?

O BC sinalizou um outro ajuste de mesma magnitude na reunião de maio, mas acredito que, no final das contas, a inflação deve continuar pressionando e o BC terá de fazer um pouco mais. Trabalhamos com a Selic a 13,25% no final do ano, ou seja, um aumento de 1 p.p. em maio e outro de 0,5 p.p. em junho.

Nesse cenário, que investimentos podemos ver como mais adequados?

A gente ainda aposta que a política monetária do BC tem que ser muito apertada, pois o fenômeno inflacionário está muito ruim. Em geral, a gente tem feito posições que se beneficiam do ambiente de inflação mais alta, de BC mais hawkish etc. Mas com esse comunicado, essas posições vão sofrer um pouco. Porém, o pano de fundo ainda é muito ruim e essas posições continuam a ser boas nesse contexto. A gente tem posição vendida em dólar e vendida em bolsa. E quando chegar o momento em que, efetivamente, a inflação deve começar a cair, tem que ir no Tesouro Direto e apostar que as taxas de juros vão cair e comprar LTNs. Mas acho que ainda não é a hora.

Além do BC, o Fed também subiu os juros nesta Super Quarta. Quais foram as suas impressões?

O Fed foi perfeito. Foi relativamente hawkish e acho que se tornou muito mais próximo da realidade que o momento exige. O Fed está tentando caminhar num espaço onde ele consegue ser hawkish sem descarregar demais no crescimento econômico e na recuperação pós-Covid que ainda está acontecendo. Tenho esperança de que ele consiga um balanço no qual ele sobe os juros e faz frente ao problema inflacionário, sem que a atividade tenha grandes quedas.

Compartilhe

SEM COMBUSTÍVEL PARA A INFLAÇÃO

IPCA confirma deflação em julho, Copom alivia retórica e analistas começam a revisar projeções para a taxa Selic

9 de agosto de 2022 - 12:32

IBGE registra deflação de 0,68% ante junho, a maior do Plano Real; preços foram puxados para baixo pelos combustíveis

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: ata do Copom, IPCA de julho e inflação no mundo são os destaques da semana; veja o cronograma

6 de agosto de 2022 - 8:11

Dados de inflação são destaque na agenda econômica, no Brasil e no mundo; por aqui, além do IPCA, também será divulgada a ata do Copom

JUROS (AINDA) MAIS ALTOS

Copom eleva a Selic em mais meio ponto, a 13,75%, e avisa os passageiros: o avião dos juros está quase em altitude de cruzeiro

3 de agosto de 2022 - 18:35

Conforme projetado pelo mercado, a Selic chegou a 13,75% ao ano; veja os detalhes da decisão de juros do Copom

ANOTE NO CALENDÁRIO

Agenda econômica: decisão do Copom e payroll nos EUA são os destaques da semana; veja o cronograma

31 de julho de 2022 - 8:07

Os juros no Brasil e o mercado de trabalho nos EUA são os destaques da agenda econômica carregada do início de agosto

PARA ONDE OLHAR

O Banco Central adverte: a escalada da taxa Selic continua; confira os recados da última ata do Copom

21 de junho de 2022 - 12:16

Selic ainda vai subir mais antes de começar a cair, mas a alta do juro pelo Banco Central está próxima do pico

O VOO DA SELIC

Voando cada vez mais alto: Copom sobe a Selic em 0,5 ponto, a 13,25%, e dá a entender que os juros continuarão subindo

15 de junho de 2022 - 18:40

O Copom cumpriu as expectativas do mercado e reduziu o ritmo de alta da Selic; confira as sinalizações do BC quanto ao futuro dos juros

NOVELA CONTINUA

Greve dos servidores do BC continua e pode afetar a próxima reunião do Copom sobre a Selic

31 de maio de 2022 - 12:55

O sindicato dos servidores do BC terá uma nova reunião em 7 de junho; a categoria afirma que as operações via PIX não serão afetadas

A ESCALADA CONTINUA

Ata do Copom indica alta de 0,50 ponto da Selic em junho, mas deixa fim do ciclo de alta dos juros em aberto

10 de maio de 2022 - 11:22

Banco Central confirma que a Selic vai subir menos na próxima reunião, mas o topo da montanha da taxa de juros pode ser ainda mais alto

INDO ÀS ALTURAS

Copom segue escalando a montanha dos juros e eleva Selic em 1 ponto, a 12,75% ao ano — e continuará subindo rumo ao pico

4 de maio de 2022 - 19:13

É a décima alta consecutiva na Selic, que chega no maior patamar desde o começo de 2017; a decisão de juros do Copom foi unânime

FIIs hoje

Copom deve voltar a subir a taxa Selic amanhã. Conheça fundos imobiliários que podem lucrar ainda mais com a alta dos juros

3 de maio de 2022 - 13:00

Uma categoria específica de FIIs tem a rentabilidade atrelada a indexadores que se alimentam tanto da inflação mais salgada quanto do ciclo de aperto nos juros

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies