Menu
2020-04-06T16:58:56-03:00
Estadão Conteúdo
Não tem pra todo mundo

‘Não há como ajudar todos os setores’, diz presidente do Santander

Presidente do Santander Brasil, Sergio Rial afirmou que deve-se evitar que mais setores venham buscar dinheiro no governo por conta da crise

6 de abril de 2020
16:58
Sergio Rial, presidente do Santander
Sergio Rial, presidente do Santander - Imagem: Murillo Constantino/Quartetto

O presidente do Santander Brasil, Sergio Rial, afirmou que deve-se evitar que mais setores venham buscar dinheiro no governo por conta da crise. "Cada um tem de conversar com seus acionistas. Tem muitas multinacionais que preferem correr para o governo. Nós não temos como ajudar a todos os setores do Brasil como Estado porque nós brasileiros e brasileiras vamos pagar por isso. Essa conta tem de ser paga", ressaltou ele, durante "live" realizada nesta segunda-feira, 6, na internet.

De acordo com Rial, os cerca de R$ 1 trilhão que já foram disponibilizados para combater os efeitos da crise do coronavírus no Brasil vai exigir que a nação reflita no que será possível deixar de fazer para que essa conta seja paga. "Talvez, coisas como vamos ter de fazer ou não uma nova reforma da Previdência? A reforma administrativa se torna mais importante. Já estamos vendo empresas reduzindo salário", listou.

Segundo ele, a flexibilização do emprego com responsabilidade é extremamente importante neste momento. "Quanto mais pessoas mantenhamos empregadas, melhor é, inclusive para a própria economia informal, que também vive muito em função dos empregados formais. É super importante manter esse economia mais prolongada e evitar o desemprego imediatista porque isso terá impacto" avaliou.

O presidente do Santander afirmou ainda que, em vez de achar que só um grupo pagará a conta da crise, é preciso ter noção que será toda a sociedade. "Quanto menos colocarmos o que não faz sentido e não é necessário no curto prazo, melhor para nós brasileiros, que vamos gastar menos. A conta a ser paga será menor", destacou. "Tudo que estamos fazendo agora tem um custo. Precisamos fazer a otimização do que estamos gastando do contribuinte brasileiro", acrescentou.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

reta final de negociações

Senado americano aprova “pacote Biden” de US$ 1,9 trilhão

Agora, o pacote voltará para a Câmara dos Representantes, que analisará as alterações feitas no texto pelos senadores. Se for aprovado, o projeto será enviado à Casa Branca para a sanção do presidente

entrevista

‘Episódio Petrobras deu um susto grande nos investidores’, diz economista do Itaú

O economista-chefe do Itaú Unibanco, Mario Mesquita, diz também estar preocupado com as incertezas políticas, que ameaçam o crescimento do PIB

Dificuldades À vista?

Deputados falam em reduzir medidas de ajuste fiscal do texto da PEC do auxílio

Embora defenda celeridade na análise da proposta, Albuquerque admite que o texto pode ser enxugado

escolha da CEO

Investir no Brasil: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come

Confira uma seleção de matérias feita pela CEO do Seu Dinheiro, Marina Gazzoni

Efeitos da pandemia

PEC do auxílio aprovada no Senado prevê abater R$ 100 bi da dívida pública

Pelos cálculos do governo, a necessidade de financiamento da dívida pública federal (DPF) neste ano é de R$ 1,469 trilhão, valor que aumentou por causa do maior volume de títulos de curto prazo que o governo precisou emitir para conseguir captar recursos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies