Menu
2020-04-28T12:26:06-03:00
Estadão Conteúdo
reflexos da crise

Moody’s projeta contração de 5,8% para conjunto de economias do G-20 neste ano

Vice-presidente da Moody’s, Madhavi Bokil afirma que a contração na atividade econômica no segundo trimestre será “severa” e que a recuperação no segundo semestre de 2020 “será gradual”

28 de abril de 2020
12:20 - atualizado às 12:26
G-20
Bandeiras dos países do G-20 - Imagem: shutterstock

A Moody's divulgou comunicado nesta segunda-feira, 28, no qual prevê que as economias do G-20 como um conjunto sofrerão contração de 5,8% neste ano, diante da pandemia de coronavírus. A agência diz que deve haver recuperação gradual do Produto Interno Bruto (PIB) real em 2021 na maior parte das economias avançadas, mas elas devem ainda ficar abaixo dos níveis anteriores à doença e seus efeitos na atividade.

"Excluindo-se a China, a Moody's projeta que os países emergentes terão contração de 3,5%, quando antes da pandemia prevíamos avanço de 3,2%", afirma a Moody's também. "A economia chinesa deve crescer 1,0% em 2020", complementa.

Vice-presidente da Moody's, Madhavi Bokil afirma que a contração na atividade econômica no segundo trimestre será "severa" e que a recuperação no segundo semestre de 2020 "será gradual". Além disso, essa recuperação deve ser desigual entre os setores, já que o medo de contrair a doença deve alterar o comportamento dos consumidores mesmo após a retirada de restrições à atividade.

Bokil aponta que o consumo em atividades que exigem alto grau de contato humano, como comer em restaurantes, ir ao cinema ou fazer voos, não devem ser normalizado totalmente até que as taxas de contaminação pela covid-19 estejam em níveis muito baixos - ou que exista uma vacina ou um tratamento eficaz disponível.

A Moody's comenta ainda que a demanda por petróleo deve melhorar ao longo do próximo ano, junto com a retomada gradual da atividade. O avanço na demanda, contudo, e limitações na estocagem sugerem que o recuo nos estoques será lento, para a agência. Como resultado, os preços devem seguir baixos. A Moody's projeta que o Brent fique em média em US$ 35 o barril e o WTI, a US$ 30 o barril neste ano. Em 2021, devem avançar para US$ 45 e US$ 40, respectivamente.

A agência aponta também que, caso as restrições à atividade durem mais tempo ou sejam repetidas, isso deve prejudicar duramente a economia real, "com o potencial de disparar uma crise financeira". Nesse cenário, o choque econômico teria uma escalada em uma "profunda crise financeira", pior que a de 2008-2009, alerta a agência, comentando ainda que o aumento da desigualdade poderia impulsionar o descontentamento social e distúrbios políticos.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

seu dinheiro na sua noite

Fidelidade em baixa com a pandemia

Não, não estou falando da fidelidade entre casais. Até porque, por mais que a convivência excessiva em família na quarentena tenha abalado alguns casamentos, o momento não anda muito propício às puladas de cerca. Estou falando do setor de fidelidade, que abarca as empresas de programas de pontos e milhagem, sobretudo aqueles ligados às companhias […]

Empresa ligada à Vale

Justiça aprova pedido de Recuperação Judicial da Samarco

RJ não terá impacto nas atividades operacionais da mineradora, nem nas ações de reparação e compensação pela tragédia de Mariana

FECHAMENTO

Ibovespa ignora tensão em Brasília e NY no vermelho e avança 1%; dólar também sobe

Enquanto as blue chips garantiram o bom desempenho do Ibovespa, o dólar avançou 0,84%, pressionado pelo noticiário em Brasília

Exaltou integração

Presidente do Banco Central não enxerga competição entre bancos e fintechs

Segundo Campos Neto, a integração entre as mídias sociais e o sistema financeiro é maior inovação que existe no momento

Menos pontos e milhas

Setor de empresas de fidelidade encolhe quase 30% em 2020

O segmento de fidelidade movimentou R$ 5,3 bilhões em 2020, segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (ABEMF)

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies