Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-04-28T12:26:06-03:00
Estadão Conteúdo
reflexos da crise

Moody’s projeta contração de 5,8% para conjunto de economias do G-20 neste ano

Vice-presidente da Moody’s, Madhavi Bokil afirma que a contração na atividade econômica no segundo trimestre será “severa” e que a recuperação no segundo semestre de 2020 “será gradual”

28 de abril de 2020
12:20 - atualizado às 12:26
G-20
Bandeiras dos países do G-20 - Imagem: shutterstock

A Moody's divulgou comunicado nesta segunda-feira, 28, no qual prevê que as economias do G-20 como um conjunto sofrerão contração de 5,8% neste ano, diante da pandemia de coronavírus. A agência diz que deve haver recuperação gradual do Produto Interno Bruto (PIB) real em 2021 na maior parte das economias avançadas, mas elas devem ainda ficar abaixo dos níveis anteriores à doença e seus efeitos na atividade.

"Excluindo-se a China, a Moody's projeta que os países emergentes terão contração de 3,5%, quando antes da pandemia prevíamos avanço de 3,2%", afirma a Moody's também. "A economia chinesa deve crescer 1,0% em 2020", complementa.

Vice-presidente da Moody's, Madhavi Bokil afirma que a contração na atividade econômica no segundo trimestre será "severa" e que a recuperação no segundo semestre de 2020 "será gradual". Além disso, essa recuperação deve ser desigual entre os setores, já que o medo de contrair a doença deve alterar o comportamento dos consumidores mesmo após a retirada de restrições à atividade.

Bokil aponta que o consumo em atividades que exigem alto grau de contato humano, como comer em restaurantes, ir ao cinema ou fazer voos, não devem ser normalizado totalmente até que as taxas de contaminação pela covid-19 estejam em níveis muito baixos - ou que exista uma vacina ou um tratamento eficaz disponível.

A Moody's comenta ainda que a demanda por petróleo deve melhorar ao longo do próximo ano, junto com a retomada gradual da atividade. O avanço na demanda, contudo, e limitações na estocagem sugerem que o recuo nos estoques será lento, para a agência. Como resultado, os preços devem seguir baixos. A Moody's projeta que o Brent fique em média em US$ 35 o barril e o WTI, a US$ 30 o barril neste ano. Em 2021, devem avançar para US$ 45 e US$ 40, respectivamente.

A agência aponta também que, caso as restrições à atividade durem mais tempo ou sejam repetidas, isso deve prejudicar duramente a economia real, "com o potencial de disparar uma crise financeira". Nesse cenário, o choque econômico teria uma escalada em uma "profunda crise financeira", pior que a de 2008-2009, alerta a agência, comentando ainda que o aumento da desigualdade poderia impulsionar o descontentamento social e distúrbios políticos.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Fartura nos resultados

Trimestre apetitoso! McDonald’s supera expectativas do mercado e registra lucro de US$ 2,22 bilhões

Com ajustes, o lucro por ação somou US$ 2,37 e ficou acima da previsão de analistas consultados pela FactSet, de US$ 2,11

O melhor do seu dinheiro

Entrevista exclusiva com a Ânima, o fim de uma era no Santander e mais destaques desta quarta-feira

A pandemia da covid-19 acertou em cheio as empresas de educação privada na bolsa. Em meio à crise, muitos alunos que trabalhavam para pagar as mensalidades acabaram perdendo o emprego. O resultado no balanço das companhias foi o aumento na inadimplência e a queda no número de estudantes nos cursos de graduação. Mas como costuma […]

Lucro forte

Na Olimpíada dos balanços, a WEG foi ao pódio mais uma vez no segundo trimestre

A WEG novamente mostrou forte crescimento na receita líquida, Ebitda e lucro, auxiliada pela demanda forte no exterior e no Brasil

Balanço trimestral

Lucro da Pfizer atinge R$ 5,563 bi turbinado por venda de vacinas

O resultado é 59% maior do que o ganho de US$ 3,489 bilhões registrado em igual período do ano passado

Mudança nas regras

BC altera regulamentação sobre prevenção à lavagem de dinheiro no Brasil

As instituições financeiras precisarão obter informações sobre o local da residência das pessoas naturais ou da sede das empresas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies