Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-05-13T12:16:05-03:00
Estadão Conteúdo
ECONOMIA VS CORONAVÍRUS

Medidas adicionais podem ser necessárias para evitar mais impactos, diz Powell

“Continuaremos a usar nossas ferramentas até que crise seja superada”.

13 de maio de 2020
12:16
Jerome Powell Fed
Presidente do Fed, Jerome Powell. - Imagem: Federal Reserve

O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, disse nesta quarta-feira, 13, que "medidas adicionais podem ser necessárias" para evitar ainda mais impactos econômicos da pandemia. A fala vem em meio às discussões no mundo financeiro sobre as possibilidades de atuação da autoridade dos Estados Unidos para enfrentar a recessão iminente, em um contexto de juros na faixa entre 0% e 0,25%.

Em conferência do Instituto Peterson de Economia Internacional (PIIE, na sigla em inglês), o banqueiro central destacou que o tamanho e a velocidade da crise não têm precedentes na história moderna, com "severo declínio na atividade econômica e no emprego". "Continuaremos a usar nossas ferramentas até que crise seja superada", defendeu.

"A crise pode levar a período de baixa produtividade e estagnação de renda", disse o presidente do Fed. "Tempos prolongados de desemprego deixam impactos negativos por anos", completou.

Powell aproveitou para fazer um novo chamamento à política fiscal, cujas iniciativas, para ele, podem ser custosa, mas são válidas para evitar prejuízos à atividade. Ele disse que não pode tomar posição sobre medidas dessa seara, mas ponderou que é preciso voltar a um caminho fiscal sustentável após a crise. "Tempo para ajustar campo fiscal é em momentos de crescimento econômico", ressaltou.

O banqueiro central dos EUA, contudo, enfatizou que as ferramentas emergenciais adotadas pelo BC americano serão extintas com o fim da crise, um momento que, para ele, pode demorar. "O problema de liquidez pode se tornar crise de solvência", alertou Powell. "Vai levar algum tempo para voltar para onde estávamos antes da crise. Economia deve ter recuperação sustentável quando vírus estiver controlado", completou, ressaltando que a retomada pode demorar mais tempo do que ele gostaria.

Juros negativos

Powell afirmou que a autoridade monetária não está considerando, no momento, a implementação de juros negativos nos Estados Unidos e que a crise provocada pelo coronavírus não mudou as visões dos dirigentes sobre o tema.

Ele lembrou que, durante a crise financeira global, o Fed preferiu outros ferramentas, entre eles o "foward guidance" e compra de ativos. "E nós já dissemos que pretendemos continuar usando essas ferramentas", afirmou.

Na avaliação de Powell, não existe um consenso sobre a eficácia de juros negativos em corrigir desequilíbrios econômicos. "Na reunião de outubro, nós revisitamos essa questão e a minuta (do encontro) diz que todos os participantes julgam que juros negativos não parecem ser uma política atrativa no momento", ressaltou.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

de olho na inovação

Amazon sinaliza interesse por criptomoedas em anúncio de emprego

Empresa procura “um líder de produto experiente para desenvolver a estratégia e o roadmap de produtos e moedas digitais

balanço em foco

Lucro da Hypera Pharma aumenta 18% no segundo trimestre

Cifra chegou a R$ 470,6 milhões no período; companhia obteve alta de 43,5% na receita líquida, a R$ 1,5 bilhão

seu dinheiro na sua noite

Quebrando recordes na corrida dos ETFs

A pira foi acesa em Tóquio: os Jogos Olímpicos estão oficialmente abertos — e eu estou empolgadíssimo. Não sei vocês, mas eu adoro as Olimpíadas, principalmente os esportes não muito convencionais. Claro, é legal assistir futebol, vôlei e basquete, mas eu gosto mesmo é de ver as modalidades que nunca passam na TV. Duelo de […]

FECHAMENTO DA SEMANA

Inflação salgada pressiona juros, mas dados americanos amenizam alta do dólar — já a bolsa não escapou da queda

Em semana recheada de ruídos políticos e incertezas, o Ibovespa acumulou uma queda de 0,72%. Já o dólar à vista subiu 1,86%, a R$ 5,2105

de olho no ir

Alta da arrecadação não dá ‘total liberdade’ para reduzir impostos, diz secretário do Tesouro

Jeferson Bittencourt considerou também que a reforma do IR ainda está em aberto, com muito para se discutir

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies