Menu
2020-05-06T10:07:44-03:00
CRISE NA TELEFONIA

Lucro da Telefônica Brasil cai 14,1% e atinge R$ 1,153 bi no 1º trimestre

Também houve queda da receita, em meio à pandemia do coronavírus, e piora do resultado financeiro.

6 de maio de 2020
10:07
Sede da Telefônica
Sede da Telefônica - Imagem: Divulgação

A Telefônica Brasil, dona da Vivo, teve lucro líquido de R$ 1,153 bilhão no primeiro trimestre de 2020, baixa de 14,1% em relação ao mesmo período de 2019, conforme balanço publicado nesta quarta-feira, 6. A operadora explicou que teve queda no lucro por causa de despesas maiores no trimestre com impostos e depreciação dos ativos.

Também houve queda da receita, em meio à pandemia do coronavírus, e piora do resultado financeiro. Esses efeitos foram parcialmente compensados pela redução de outros custos operacionais.

O Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) somou R$ 4,507 bilhões, avanço de 3,4% na mesma base de comparação. A margem Ebitda subiu de 39,7% para 41,6%.

Já o Ebitda recorrente, que exclui os ganhos resultantes das vendas de torres de telefonia, atingiu R$ 4,431 bilhões, alta de 1,6%. A margem Ebitda recorrente cresceu de 39,7% para 40,9%.

A receita líquida totalizou R$ 10,825 bilhões no trimestre, baixa de 1,4%.

O resultado financeiro líquido gerou uma despesa de R$ 195 milhões, montante 116% maior, impactada por perdas com operações de derivativos e variações monetárias e cambiais.

Custos operacionais

A Telefônica Brasil registrou custos operacionais de R$ 6,318 bilhões no primeiro trimestre de 2020, recuo de 4,5% em comparação com o mesmo intervalo de 2019.

As principais baixas ocorreram nas linhas de custo das mercadorias vendidas (-16,8%) e nas despesas de comercialização dos serviços (-9,6%).

No caso do custo das mercadorias, a queda reflete a menor atividade comercial em função da covid-19. No segundo caso, está relacionada à crescente digitalização e automação de atividades relacionadas ao atendimento ao cliente.

As despesas gerais e administrativas caíram 0,3% devido a medidas de controle de gastos.

Já as provisões para créditos de liquidação duvidosa (clientes inadimplentes) aumentaram 6,7%, para R$ 455 milhões. Com isso, as provisões chegaram a 2,9% da receita bruta no trimestre, alta de 0,3 pontos porcentuais.

Investimentos

A Telefônica Brasil investiu R$ 1,648 bilhão no primeiro trimestre de 2020, recuo de 2,8% ante o mesmo período de 2019. Esse montante representa 15,2% da receita líquida do período, em linha com a meta trienal divulgada pela companhia.

Os aportes foram destinados à implementação das redes de fibra ótica e TV por internet IPTV e ao reforço de capacidade nas tecnologias 4G e 4.5G, além de manutenção e conservação da rede, suportando o crescimento da demanda por dados.

A tele chegou ao fim de março com caixa líquido de R$ 1,337 bilhão, correspondente a uma dívida bruta de R$ 4,643 bilhões e um salto em caixa de R$ 5,493 bilhões. Essa contabilidade exclui efeitos da norma IFRS 16.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Dados atualizados

Mortes por coronavírus no Brasil vão a 34.973; infectados são 643.766

Na quinta-feira, havia 34.021 mortes registradas, segundo o Ministério da Saúde. O balanço diário totalizava 614.941 infectados

Números da pandemia

‘Acabou matéria no Jornal Nacional’, diz Bolsonaro sobre atraso em dados do coronavírus

Questionado sobre o terceiro dia com atraso seguido na divulgação de mortos e infectados pela covid-19 pelo Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta sexta-feira, 5, que “acabou matéria no Jornal Nacional”, telejornal da TV Globo

seu dinheiro na sua noite

A crise do coronavírus vai ser uma marolinha?

Em 2008, ao ser questionado sobre a crise financeira, o ex-presidente Lula disse que o tsunami sobre a economia global chegaria ao Brasil como uma “marolinha”. O resultado você e eu conhecemos. Pois bem, com a rápida recuperação dos mercados nas últimas semanas já vejo muita gente resgatar a tese da marolinha. Na nova versão, […]

Marcelo Guaranys

Ninguém voltará para fila do Bolsa Família após fim do auxílio emergencial, diz secretário

Depois de o governo transferir quase R$ 84 milhões do Bolsa Família para publicidade institucional, secretários do Ministério da Economia disseram que o programa está com a fila zerada

Isso é que é alívio

Dólar despenca 6,52% na semana e fica abaixo de R$ 5,00; Ibovespa dispara mais de 8%

O dólar à vista terminou a semana a R$ 4,99, indo ao menor nível desde 26 de março, enquanto o Ibovespa cravou a sexta alta seguida e voltou ao patamar de 94 mil pontos. Entenda o que motivou toda essa onda de otimismo nos mercados

Secretário especial da fazenda

Bolsa Família não foi prejudicado com transferência de recurso à Secom, diz Waldery

Ele lembrou que o governo decidiu prorrogar o auxílio emergencial por duas parcelas “em princípio” e que, depois da medida provisória que previa o pagamento permanente do 13º para o Bolsa Família caducar, o governo analisará o espaço orçamentário para esse medida neste ano

Efeito coronavírus

Varejo de SP tem perdas de R$ 16 bilhões durante quarentena, diz Fecomercio

O cálculo é da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), levando em consideração 72 dias de quarentena até ontem

Menos frequência, mais gasto

Redes de supermercados e atacarejos faturam 12,5% a mais em maio

Os dados são de um levantamento da GS Ciência do Consumo, empresa de inteligência analítica e soluções de tecnologia para indústria e varejo

YDUQ3 salta 10% na bolsa

BTG mantém-se neutro sobre Yduqs, mas vê ‘gatilho valioso’ após aquisição de R$ 120 milhões

Yduqs salta mais de 10% no Ibovespa; para BTG, o fraco ímpeto de lucros da companhia e a falta de catalisadores ainda justificam a cautela na recomendação

Dono da Warner Music

Len Blavatnik: o bilionário que apostou na indústria fonográfica e se tornou um dos homens mais ricos do mundo

Com o bem-sucedido IPO da Warner Music, na Nasdaq, Blavatnik, que apostou na empresa quando a indústria fonográfica desmoronava, saltou quase 20 posições na lista dos mais ricos do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements