🔴 AS BIG TECHS ESTÃO ‘SUGANDO’ DINHEIRO DA BOLSA BRASILEIRA? – VEJA COMO SE PROTEGER

Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
Itaú revisa expectativas

Itaú prevê queda de 0,7% do PIB em 2020 e dólar a R$ 4,60

Cenário-base agora incorpora um choque externo em razão da pandemia de coronavírus, após a economia já ter começado o ano em ritmo de aceleração gradual, disse o Itaú

Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
20 de março de 2020
13:11 - atualizado às 13:20
Itaú
Agência do Itaú na Avenida Paulista - Imagem: Wikimedia Commons

O Itaú Unibanco cortou suas projeções para PIB do Brasil em 2020, de alta de 1,8% para contração de 0,7%, de acordo com a apresentação do banco.

O cenário-base do Itaú agora incorpora um choque externo — que representa 75% do choque experienciado pela China — em razão da pandemia de coronavírus, após a economia brasileira já ter começado o ano em um ritmo de aceleração gradual, disse o Itaú.

Dependendo da intensidade da parada da economia com as medidas para conter a epidemia, o PIB brasileiro poderá crescer de 0,2% (com 50% do choque sofrido pela economia chinesa) ou cair 1,6% (com 100% do choque da China).

Para o primeiro trimestre do ano, o banco espera avanço de 0,3% no PIB na comparação trimestral.

"Impacto mais severo da epidemia e do isolamento social na economia ocorrerá no segundo trimestre", disse Mario Mesquita, economista-chefe do Itaú.

Na comparação trimestral, para o segundo trimestre a expectativa é de queda de 9,6% no PIB. No terceiro, deverá haver alta de 11,9%, e no quarto, alta de 0,6%.

Segundo Mesquita, a crise do coronavírus tem um pico acentuado de influência negativa na atividade econômica, mas, assim que as medidas de distanciamento social e isolamento acabarem, havendo a redução da curva de contágio, a economia deve voltar a funcionar normalmente.

"Em uma analogia, é semelhante à queda da produção mineral do Brasil após a tragédia de Brumadinho, que depois voltou a funcionar", afirmou. "A crise é severa, mas temporária."

Para 2021, a previsão do banco é de avanço de 5,5% do PIB brasileiro refletindo efeito estatístico de comparação em relação à depressão do resultado deste ano. "Não é para se animar", afirmou Mesquita.

O dólar, enquanto isso, deverá encerrar o ano cotado a R$ 4,60, segundo as projeções da casa. A expectativa anterior era de que a moeda terminasse 2020 no nível de R$ 4,15. Após o impacto do coronavírus se dissipar, o dólar deve se depreciar, saindo do patamar em que se encontra atualmente.

Para responder às consequências da crise, haverá expansão fiscal dos governos, que terão participação mais relevante na recuperação econômica neste momento do que o setor privado.

"Gasto público terá mais importância, na margem", disse ele, citando que Congresso e governo deverão trabalhar com créditos extraordinários para lidar com a crise. O economista defendeu a manutenção do teto de gastos, que, segundo ele, garante os juros nos níveis atuais. O déficit primário, de qualquer forma, deverá ser relaxado para administrar a crise, disse ele.

Juros

A previsão do Itaú agora é de que o Banco Central cortará a Selic para 3,25% ao ano (a.a.), mas não necessariamente na próxima reunião do Copom, em maio. A taxa deve terminar o ano nesse patamar, segundo o banco, que antes previa a Selic a 3,75% a.a. "A partir do começo do ano que vem, BC pode começar a retirar esses estímulos", afirmou Mesquita.

Efeito do coronavírus na inflação, elevando o dólar, seria inflacionário, mas a queda do preço petróleo diminui a pressão sobre a taxa, disse Mesquita. O banco espera agora uma inflação, medida pelo IPCA, de 2,9% neste ano, menor que a de 3,3% prevista anteriormente.

Para o Itaú, o Federal Reserve tem sido ágil para mitigar as crises financeiras deste tipo ao controlar a taxa de juros americana e articular com outros bancos centrais uma resposta de larga escala. Ainda assim, o Itaú vê riscos de crise de uma crédito, que poderia transformar a crise transitória em permanente.

Do ponto de vista positivo, as empresas brasileiras não estão alavancadas e possuem menor exposição a derivativos cambiais, como ocorreu durante a crise financeira em 2008 e 2009, disse Mesquita.

Compartilhe

AFROUXANDO AS MEDIDAS

Fim da política de “covid zero” na China? Flexibilização da quarentena anima os investidores e as bolsas internacionais avançam

28 de junho de 2022 - 11:30

A partir desta terça-feira, o período de quarentena exigido para viajantes internacionais cairá pela metade, para sete dias de quarentena centralizada e três de isolamento domiciliar

Covid-19 derruba economia da China em abril; confira os dados chineses que assustaram o mercado hoje

16 de maio de 2022 - 11:26

Com os lockdowns nos últimos dois meses, a produção e as vendas chinesas despencam além do esperado, e a divulgação de números piores traz a cautela de volta ao foco hoje

A CORRIDA DA VACINA

Moderna quer vacinar crianças menores de 5 anos contra a covid-19 nos EUA; Dinamarca interrompe programa de vacinação

28 de abril de 2022 - 12:21

Pedido da farmacêutica a torna a primeira fabricante a solicitar à agência reguladora dos Estados Unidos para vacinar crianças entre seis meses e cinco anos de idade

NÃO TEM REFRESCO

Com os olhos do mundo voltados para a guerra, subvariante furtiva do coronavírus se espalha pela Europa

23 de março de 2022 - 12:33

Especialistas advertem para risco de um novo surto global do coronavírus em meio ao relaxamento das medidas de restrição

VARIANTE SHIPPADA

Deltacron desembarca no Brasil: entenda a recombinação das variantes delta e ômicron e se é o caso de nos preocuparmos com um novo surto de covid-19

15 de março de 2022 - 13:03

Segundo especialistas, ainda é cedo para mensurar a taxa de transmissibilidade, a gravidade da doença e a eficácia das vacinas contra a deltacron

NADA A COMEMORAR

Pandemia completa 2 anos no Brasil com quase 650 mil mortes

26 de fevereiro de 2022 - 10:10

Além das centenas de milhares de mortes, quase 30 milhões de brasileiros foram diagnosticados com covid-19 no período

NOVA ONDA AVANÇA

Covid-19 volta a causar mais de mil mortes por dia no Brasil

4 de fevereiro de 2022 - 7:15

Nas últimas semanas, Ministério da Saúde têm registrado sucessivamente novos recordes diários de casos da doença no Brasil

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

A alta estrutural do petróleo: como a questão ucraniana pode influenciar?

25 de janeiro de 2022 - 9:07

Tensões entre Ucrânia e Rússia podem pressionar os preços da commodity, dando uma mãozinha para o barril chegar à marca dos US$ 100

NOVA ONDA

Covid-19 volta a ganhar força e Brasil bate recorde de casos confirmados da doença em 24 horas

19 de janeiro de 2022 - 6:39

Números de novos casos em apenas um dia ultrapassou a marca de 137 mil; Ministério da Saúde também confirmou mais 351 mortes pela doença

DERRUBADO PELA COVID

Com presidente do Conselho fura-quarentena e perdas de clientes, Credit Suisse tem desafio de recuperar reputação

17 de janeiro de 2022 - 15:05

Credit Suisse volta a ser abalado com saída de presidente do Conselho que veio para recuperar a imagem do banco, mas foi pego violando as regras da quarentena contra a covid-19

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar