Menu
2020-05-15T12:09:15-03:00
Estadão Conteúdo
EFEITO CORONAVÍRUS

Indicadores da CNI mostram queda de atividade, faturamento e emprego na indústria

“Os resultados refletem os impactos da pandemia da covid-19 sobre a atividade industrial.”

15 de maio de 2020
12:09
indústria
Imagem: Shutterstock

A indústria brasileira registrou em março sinais de desaceleração decorrentes da crise econômica vivida no País por causa da pandemia do novo coronavírus. A pesquisa Indicadores Industriais da Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgada nesta sexta-feira, 15, mostra que o faturamento real do setor caiu 4,8% em março em relação a fevereiro, as horas trabalhadas na produção recuaram 1,8% e o emprego industrial teve retração de 0,7%, todos segundo a série dessazonalizada. Na comparação com março de 2019, a queda no emprego é de 1,7%.

O estudo revela ainda que a Utilização da Capacidade Instalada (UCI) das fábricas também piorou, com queda de 2,5 pontos porcentuais, para 76%, o segundo menor valor da série, só superando os 75,9% registrados em maio de 2018, durante a paralisação dos caminhoneiros.

"Os resultados refletem os impactos da pandemia da covid-19 sobre a atividade industrial. Com o endurecimento das medidas de distanciamento social, na segunda quinzena de março, o consumidor ficou impossibilitado de consumir. A queda da demanda provocou impacto imediato no faturamento", cita o estudo.

Segundo a CNI, a redução no nível de operação das empresas foi uma resposta à queda do faturamento, o que levou a menos horas trabalhadas e, consequentemente, a uma maior ociosidade nas fábricas.

A entidade destaca também que o aumento das demissões e o pagamento de verbas rescisórias impactaram as despesas com folha de pagamento, resultando em crescimento da massa salarial e do rendimento médio pago aos trabalhadores da indústria, de 2,2% e 5,9%, respectivamente.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Ficou para 31 de maio

Bolsonaro veta novo adiamento de prazo para entrega do Imposto de Renda

O presidente aceitou a recomendação feita pelo Ministério da Economia, que previa um impacto negativo na arrecadação da União e estados com uma nova data

Mudança nos juros

COMPARATIVO: Veja o que mudou no novo comunicado do Copom

Veja o que ficou igual e o que mudou na decisão do Copom a respeito da taxa Selic, elevada ao patamar de 3,5% ao ano

CRYPTO NEWS

O mercado está cheio de bitcoin, mas as prateleiras estão vazias

O fluxo de saída da criptomoeda mais famosa das exchanges é algo inédito deste ciclo e pode representar a falta do ativo nas exchanges de cripto

DIA DE DECISÃO

Copom eleva Selic para 3,5% ao ano e indica aumento semelhante na próxima reunião

Essa é a segunda alta consecutiva da Selic em 0,75 ponto percentual — no começo do ano, a taxa de juros estava nas mínimas históricas, em 2% ao ano

FECHAMENTO

Dólar recua e bolsa sobe com mercado dando alta da Selic como certa e forte desempenho das siderúrgicas

No exterior, as bolsas operam sem um sinal único definido. Por aqui, os investidores aguardam a decisão do Copom

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies