Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-04-03T06:49:36-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
em meio ao coronavírus

Governo prevê déficit de R$ 419 bilhões nas contas públicas em 2020

Segundo governo, medidas para atender a população mais vulnerável e para preservar os empregos terão um impacto de R$ 224,6 bilhões no resultado primário, o equivalente a 2,97% do PIB

3 de abril de 2020
6:48 - atualizado às 6:49
Waldery Rodrigues
Waldery Rodrigues - Imagem: Flickr Palácio do Planalto

O governo deve registrar neste ano déficit primário de R$ 419,2 bilhões em 2020, o equivalente a 5,5% do Produto Interno Bruto (PIB). A projeção foi apresentada nesta quinta-feira, 2, pelo secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues Jr.

Ele justificou que a estimativa leva em conta a adoção de novas medidas para combate às consequências econômicas do novo coronavírus, mas ressaltou que ela ainda pode ser revista. "Trata-se de uma estimativa e vai ser revisada quando novas medidas forem anunciadas", afirmou, em entrevista coletiva no Palácio do Planalto.

Waldery disse que as medidas para atender a população mais vulnerável e para preservar os empregos terão um impacto de R$ 224,6 bilhões no resultado primário, o equivalente a 2,97% do PIB. O impacto do auxílio financeiro a informais, de R$ 600, terá impacto de 1,3% do PIB, e o programa antidesemprego e de redução de jornada, de 0,68% do PIB.

Ele destacou que essas medidas se somam à meta de déficit primário do governo central, de R$ 127 bilhões, ou 1,68% do PIB. Com o estado de calamidade pública, não será preciso contingenciar recursos, o que representaria 0,5% do PIB, disse Waldery.

Waldery mencionou ainda a revisão de parâmetros que impactam o Orçamento por parte do governo. A projeção para o PIB foi reduzida para 0,02%, ante 2,1%, e o preço do petróleo também foi revisto para algo próximo de US$ 42 por barril.

"O número ao fim é de um déficit de 5,55% do PIB em 2020, ou R$ 419,2 bilhões", afirmou. Segundo ele, isso mostra a transparência do governo, o zelo com a coisa pública, a cautela e a efetividade do governo em um momento que exige ação do governo.

"Estamos com um déficit que é o maior da série histórica, justificado e limitado a 2020. Entendemos que a economia vai se recuperar e que as contas pública vão retoma a trajetória de equilíbrio fiscal", afirmou.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

De onde vem o dinheiro?

Governo confirma Auxílio Brasil em R$ 400, mas sem revelar de onde vai tirar o dinheiro para bancar o benefício

O ministro da Cidadania não respondeu às perguntas da imprensa nem confirmou a fonte de renda para o novo programa social, o que é a grande preocupação dos mercados

O que vem depois da lua?

Depois do recorde: até onde vai a alta do bitcoin? Especialista em criptomoedas responde

Depois da aprovação do primeiro ETF em criptomoedas, o bitcoin (BTC) não para de subir e as estimativas são otimistas — mas os EUA podem mudar o jogo

Analistas respondem

Ações da Vale aprofundam queda no ano com sinais ruins do relatório de produção e vendas no 3º trimestre. Hora de comprar VALE3?

Analistas apontam que, enquanto a produção foi sólida, a venda de minério de ferro veio abaixo do esperado até pelas estimativas mais conservadoras

Puxando os ETFS

Chove bitcoin, molha ETF: fundos de índice brasileiros sobem até 19% em dia de recorde do BTC

Enquanto o primeiro ETF de criptomoeda dos Estados Unidos avança tímidos 3%, na B3, o avanço é de até 19,78%

Cabo de guerra

Sem explicar origem da verba, Bolsonaro confirma Auxílio Brasil em R$ 400 e promete respeitar teto de gastos

Apesar da promessa do presidente, o governo flerta com a flexibilização do teto para conseguir arcar com o valor do benefício

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies