Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-03-26T19:44:23-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Ações contra a crise

Gestora Persevera cobra do BC ‘coragem de agir’ e defende redução da Selic a zero

Na avaliação da Persevera, o choque do coronavírus vai provocar o colapso em uma economia que já vinha em um ritmo de atividade “anêmico”

26 de março de 2020
11:14 - atualizado às 19:44
Queda de preços com coronavírus
Imagem: Shutterstock

Taxa básica de juros (Selic) zero e uso vigoroso das reservas cambiais. Essas deveriam ser as armas do Banco Central para combater a perspectiva de recessão que será provocada pela pandemia do coronavírus, na visão da gestora de fundos Persevera.

Formada por ex-executivos do Bradesco e HSBC e com R$ 350 milhões sob gestão, a Persevera é conhecida no mercado pela defesa de cortes agressivos da Selic como estímulo à economia desde os anos de recessão.

“Como no caso de Ben Bernanke em 2008 e Mario Draghi em 2012, é preciso ‘Coragem de Agir’”, escreveu a gestora, em uma carta extraordinária aos investidores publicada hoje.

Mesmo antes do choque do coronavírus, a gestora já tinha uma projeção de desempenho fraco para a economia brasileira neste ano, com um PIB pouco acima de 1% e inflação abaixo de 3%, o que levaria o BC a reduzir para uma taxa ao redor de 3% ao ano.

Na avaliação da Persevera, o choque do coronavírus vai provocar o colapso em uma economia que já vinha em um ritmo de atividade “anêmico”. A crise deve jogar o PIB para o território “amplamente negativo e destruir repentinamente milhões de empregos”.

“Certamente baixar juros não vai impedir a contração abrupta da atividade, muito menos ajudar no combate direto à pandemia. Trata-se, porém de uma atitude necessária ainda que não suficiente para dar algum fôlego à economia.”

Para combater uma crise, não basta cortar os juros de forma lenta, cautelosa e sinalizando interrupções associadas a receios inflacionários futuros, segundo a gestora.

Junto com a redução da Selic para zero, a Persevera defende o uso das reservas cambiais, agora incrementadas pelo swap de US$ 60 bilhões realizado com o Fed (BC dos EUA). “Não faz sentido não utilizar o seguro no meio da calamidade.”

Para reduzir a pressão sobre o mercado de juros futuros que seria decorrente da queda abrupta da Selic, o BC também precisa sinalizar que a ausência de pressões inflacionárias levará à manutenção das taxas em patamares baixos por um longo período.

O objetivo é diminuir a pressão sobre os juros futuros, que passaram a subir desde o início da crise do coronavírus. “A ação do Tesouro Nacional de dar liquidez aos títulos de longo prazo é aqui também necessária e complementar, mas é a manutenção dos juros em patamares reduzidos que permitirá a reação fiscal necessária para combater o coronavírus.”

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Mais uma na lista

Fila de espera da B3 volta a crescer com registro de pedido de IPO da Ammo Varejo na CVM

A empresa, especializada em produtos de cama, mesa e banho, possui licença de uso da Artex, além de deter as marcas MMartan e Casa Moysés

Olimpíadas da bolsa

Ibovespa acima dos 140 mil pontos? Para a maioria dos assessores da XP, isso deverá ocorrer ainda em 2021

A pesquisa entrevistou profissionais do ramo para obter a visão dos assessores e, principalmente, dos seus clientes sobre os rumos da bolsa brasileira

Um olho no peixe...

EUA: Casa Branca comemora avanço do PIB no 2º trimestre, mas alerta para incertezas econômicas

O governo defendeu sua proposta de investimentos em infraestrutura como instrumento importante para manter o ritmo de crescimento

roxinho com mais crédito

Nubank promete aumentar limite em cartão de crédito de 35 milhões de clientes

Segundo a companhia, até o final de 2021, 10 milhões de clientes serão impactados pela novidade do cartão; três milhões em agosto

A vida depois da pandemia?

Ações da Multiplan sobem 5% após balanço que mostra recuperação dos shoppings

Resultados mostram avanço nas vendas e nas receitas de aluguel, à medida que a vacinação avança e os shoppings reabrem

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies