Menu
2020-03-26T19:44:23-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Ações contra a crise

Gestora Persevera cobra do BC ‘coragem de agir’ e defende redução da Selic a zero

Na avaliação da Persevera, o choque do coronavírus vai provocar o colapso em uma economia que já vinha em um ritmo de atividade “anêmico”

26 de março de 2020
11:14 - atualizado às 19:44
Queda de preços com coronavírus
Imagem: Shutterstock

Taxa básica de juros (Selic) zero e uso vigoroso das reservas cambiais. Essas deveriam ser as armas do Banco Central para combater a perspectiva de recessão que será provocada pela pandemia do coronavírus, na visão da gestora de fundos Persevera.

Formada por ex-executivos do Bradesco e HSBC e com R$ 350 milhões sob gestão, a Persevera é conhecida no mercado pela defesa de cortes agressivos da Selic como estímulo à economia desde os anos de recessão.

“Como no caso de Ben Bernanke em 2008 e Mario Draghi em 2012, é preciso ‘Coragem de Agir’”, escreveu a gestora, em uma carta extraordinária aos investidores publicada hoje.

Mesmo antes do choque do coronavírus, a gestora já tinha uma projeção de desempenho fraco para a economia brasileira neste ano, com um PIB pouco acima de 1% e inflação abaixo de 3%, o que levaria o BC a reduzir para uma taxa ao redor de 3% ao ano.

Na avaliação da Persevera, o choque do coronavírus vai provocar o colapso em uma economia que já vinha em um ritmo de atividade “anêmico”. A crise deve jogar o PIB para o território “amplamente negativo e destruir repentinamente milhões de empregos”.

“Certamente baixar juros não vai impedir a contração abrupta da atividade, muito menos ajudar no combate direto à pandemia. Trata-se, porém de uma atitude necessária ainda que não suficiente para dar algum fôlego à economia.”

Para combater uma crise, não basta cortar os juros de forma lenta, cautelosa e sinalizando interrupções associadas a receios inflacionários futuros, segundo a gestora.

Junto com a redução da Selic para zero, a Persevera defende o uso das reservas cambiais, agora incrementadas pelo swap de US$ 60 bilhões realizado com o Fed (BC dos EUA). “Não faz sentido não utilizar o seguro no meio da calamidade.”

Para reduzir a pressão sobre o mercado de juros futuros que seria decorrente da queda abrupta da Selic, o BC também precisa sinalizar que a ausência de pressões inflacionárias levará à manutenção das taxas em patamares baixos por um longo período.

O objetivo é diminuir a pressão sobre os juros futuros, que passaram a subir desde o início da crise do coronavírus. “A ação do Tesouro Nacional de dar liquidez aos títulos de longo prazo é aqui também necessária e complementar, mas é a manutenção dos juros em patamares reduzidos que permitirá a reação fiscal necessária para combater o coronavírus.”

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

responsabilização

JBS aprova em assembleia ação contra irmãos Batista

Processo diz respeito a prejuízos causados por crimes revelados nos acordos de colaboração e leniência firmados pela JBS com a Procuradoria Geral da República

em live

Se necessário, voltaremos a fazer transferência do BC para o Tesouro, diz secretário

Em agosto, CMN já havia autorizado o Banco Central a repassar R$ 325 bilhões para o Tesouro Nacional

Balanço do mês

Bitcoin e dólar são os melhores investimentos de outubro; ativos de risco ficaram para trás de novo

Por pouco o Ibovespa não ficou entre os melhores investimentos do mês, mas segunda onda de coronavírus na Europa derrubou as bolsas; risco fiscal, eleições americanas e indefinição quanto a estímulos fiscais nos EUA também pesaram

seu dinheiro na sua noite

O saci à solta nos mercados

Não sei dizer exatamente quando nem quem tomou a iniciativa de importar dos países anglófonos a celebração do Halloween, o Dia das Bruxas. O fato é que desde que as crianças brasileiras começaram a sair fantasiadas pedindo doces no último dia de outubro houve uma série de tentativas de “tropicalizar” o evento. Embora não seja […]

Disparou

Dívida bruta do governo deverá encerrar o ano em 96% do PIB

Endividamento cresceu 20,2 pontos por causa de pandemia.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies