Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-12-29T16:41:23-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
ainda falta

Fim da pandemia no Brasil? Somente no final de 2021, diz Credit Suisse

Banco alerta ainda que alta no número de casos e mortes pode afetar retomada da economia no curto prazo e perspectivas dos próximos anos

29 de dezembro de 2020
16:17 - atualizado às 16:41
vacina covid-19
Imagem: Shutterstock

Se você esperava que 2021 marcasse o fim do uso de máscaras e das medidas de distanciamento social, o Credit Suisse tem más notícias para você: os brasileiros vão conviver com o vírus até, pelo menos, o quarto trimestre.

E mais: o aumento do número de casos neste final de ano deve prejudicar a retomada da economia no curto prazo, uma vez que Estados e municípios devem voltar a adotar medidas para restringir a circulação das pessoas, para evitar novos contágios. A situação pode, inclusive, prejudicar as perspectivas para os próximos anos.

O relatório assinado por Solange Srour, economista-chefe do banco no Brasil, e por Lucas Vilela, vice-presidente da instituição no País, projeta que a maior parte da população só estará vacinada no final do ano que vem.

Em seus cálculos, eles consideraram que a vacinação da população será feita por meio dos imunizantes desenvolvidos pela AstraZeneca e Universidade de Oxford, o CoronaVac, da Sinovac e do Instituto Butantan, e a vacina da Pfizer e BioNTech. Eles também desenharam três cenários de contágio:

  • manutenção da atual média, de 35 mil casos por dia;
  • metade do número atual de contágio, cerca de 18 mil casos diários e;
  • o dobro dos números atuais (70 mil casos por dia)

“Em todos os casos, a população imunizada alcançaria o limite compatível com a imunidade coletiva (70% da população) apenas no último trimestre de 2021”, diz trecho do relatório.

Problemas no curto prazo

Enquanto aguardamos o início do processo de vacinação, o número de novos casos e mortes não para de crescer. Nas últimas 24 horas foram registrados 20.548 novos diagnósticos positivos da doença e 431 novas vítimas fatais da pandemia, segundo divulgou na segunda-feira (28) o Ministério da Saúde.

Para Srour e Vilela, a situação pressiona governadores e prefeitos a tomarem novas medidas para restringir a circulação de pessoas, o que colocará pressão em cima do governo federal e do Congresso para aumentar as despesas, visando minimizar a queda na arrecadação e os efeitos negativos sobre os empregos e a renda da população.

Eles alertam que não há espaço para aumentar os gastos em 2021, com o Brasil já registrando a maior dívida bruta em relação ao PIB entre as economias emergentes, um montante elevado de dívida vencendo no curto prazo e recursos no Tesouro para apenas mais quatro meses.

“Novas restrições sociais deverão ter efeitos não apenas no curto prazo, com menor crescimento econômico, maior desemprego e aumento da dívida, como também no médio prazo, adiando a discussão de importantes reformas nos próximos anos, como a PEC Emergencial e a reforma administrativas, necessárias para cumprir com as regras fiscais em 2021 e 2022 e para a estabilidade da dívida nos próximos dez anos”, diz trecho do relatório.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Fusão cheia de travas

Na Omega Geração (OMGE3), um grupo importante de acionistas está descontente — e quer barrar os planos da empresa

Fundos detentores de 28,6% da Omega Geração (OMGE3) se uniram e dizem que não vão aprovar a fusão com a Omega Distribuição nos termos atuais

Potencial de 36% de alta

Como fica a XP após a separação do Itaú? Para o JP Morgan, é hora de comprar as ações da corretora

A equipe do JP Morgan vê as pressões vendedoras nas ações da XP após a separação com o Itaú se dissipando; assim, a recomendação é de compra

Digitalização

A hora e a vez do e-commerce: com pandemia, comércio online mais que dobra e já chega a 21% das vendas do varejo

O fechamento das lojas físicas promovido pela pandemia fez o setor de varejo acelerar a aposta no e-commerce e nas vendas digitais

A bolsa como ela é

Stone, Inter e Méliuz caem forte na bolsa. É o fim das fintechs como as conhecemos?

Muito desse movimento tem a ver com a subida dos juros. Mas alguns fatores específicos também pesaram sobre as ações. Em alguns casos, pesaram com razão; em outros, nem tanto

Ajuste seu relógio

Pregão terá uma hora a mais a partir de novembro; entenda a mudança e veja a nova agenda da bolsa

As alterações começam a valer a partir do dia 8 de novembro; a B3 vai ajustar a bolsa para refletir o fim do horário de verão nos EUA

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies