Menu
2020-05-20T18:22:41-03:00
Economia e pandemia

Fed diz estar comprometido a usar todas as ferramentas para apoiar a economia

Na mais recente reunião de política monetária, em abril, o Fed se comprometeu a usar todas as ferramentas disponíveis para continuar apoiando a economia

20 de maio de 2020
16:20 - atualizado às 18:22
Jerome Powell, presidente do Fed
Imagem: Federal Reserve

Na mais recente reunião de política monetária, em abril, o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) se comprometeu a usar todas as ferramentas disponíveis para continuar apoiando a economia durante a pandemia de coronavírus, de acordo com a ata referente ao encontro, divulgada nesta quarta-feira, 20.

Segundo o documento, os dirigentes defenderam que as taxas de juros devem permanecer nos níveis atuais (entre 0% e 0,25%) até que haja confiança de que a crise foi superada. "Manter os juros baixos continuará a prestar apoio à economia e promover as metas máximas de emprego e estabilidade de preços do Comitê", ressaltou.

Na avaliação do grupo, os programas de compras de ativos devem seguir em vigor, a fim de assegurar o fluxo de crédito para empresas e famílias e, dessa forma, permitir a efetiva transmissão da política monetária. "Os participantes observaram que era importante continuar monitorando de perto as condições do mercado e que o Comitê está preparado para ajustar seus planos conforme apropriado para apoiar bom funcionamento dos mercados", salienta.

Apoio fiscal

Os dirigentes da instituição avaliaram que mais apoio fiscal pode ser necessário, se a fraqueza econômica causada pela pandemia de coronavírus perdurar.

No documento, divulgado nesta quarta-feira, a equipe da autoridade monetária avaliou que o desempenho da economia vai depender da evolução da pandemia, mas que a volatilidade nos mercados acionários diminuiu.

A equipe também afirmou que a demanda global por dólares estava forte, o que pressionou os mercados no curto prazo. Já a incerteza com a covid-19 foi classificada como "extremamente elevada".

O cenário pessimista, segundo a equipe do Fed, contempla uma segunda onda de infecções por coronavírus. "Esse cenário não é menos plausível que o cenário-base", disseram.

Já as condições no mercado monetário e nos mercados de bônus e empréstimos melhoraram, segundo avaliação da equipe.

Queda na atividade

A ata da reunião do Federal Reserve destacou também que a atividade das empresas e o investimento destas "recuaram dramaticamente", diante do choque causado pela pandemia de coronavírus. Houve forte queda na produção industrial em março e os dirigentes esperavam recuo ainda maior em abril, mostra o documento.

Os programas anunciados e executados pelo Fed ajudaram a manter o fluxo de crédito para as empresas e também para pessoas físicas e governos estaduais e locais, aponta a ata, além de apoiar o funcionamento mais suave dos mercados financeiros.

Muitas empresas tiveram de fechar suas portas por causa da pandemia e das medidas para conterá disseminação da covid-19, diz a ata. Naquelas que ficaram ao menos em parte abertas, houve também um choque importante com a emergência de saúde, seja na queda na demanda ou em problemas na cadeia de produção.

Os dirigentes citam também que é "apropriado" continuar com as compras de bônus, a fim de apoiar o crédito para as empresas e também as famílias. Ao mesmo tempo, mostram o temor de que, com o choque, muitas pequenas empresas não aguentem, especialmente se o impacto for duradouro.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Dados atualizados

Mortes por coronavírus no Brasil vão a 34.973; infectados são 643.766

Na quinta-feira, havia 34.021 mortes registradas, segundo o Ministério da Saúde. O balanço diário totalizava 614.941 infectados

Números da pandemia

‘Acabou matéria no Jornal Nacional’, diz Bolsonaro sobre atraso em dados do coronavírus

Questionado sobre o terceiro dia com atraso seguido na divulgação de mortos e infectados pela covid-19 pelo Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta sexta-feira, 5, que “acabou matéria no Jornal Nacional”, telejornal da TV Globo

seu dinheiro na sua noite

A crise do coronavírus vai ser uma marolinha?

Em 2008, ao ser questionado sobre a crise financeira, o ex-presidente Lula disse que o tsunami sobre a economia global chegaria ao Brasil como uma “marolinha”. O resultado você e eu conhecemos. Pois bem, com a rápida recuperação dos mercados nas últimas semanas já vejo muita gente resgatar a tese da marolinha. Na nova versão, […]

Marcelo Guaranys

Ninguém voltará para fila do Bolsa Família após fim do auxílio emergencial, diz secretário

Depois de o governo transferir quase R$ 84 milhões do Bolsa Família para publicidade institucional, secretários do Ministério da Economia disseram que o programa está com a fila zerada

Isso é que é alívio

Dólar despenca 6,52% na semana e fica abaixo de R$ 5,00; Ibovespa dispara mais de 8%

O dólar à vista terminou a semana a R$ 4,99, indo ao menor nível desde 26 de março, enquanto o Ibovespa cravou a sexta alta seguida e voltou ao patamar de 94 mil pontos. Entenda o que motivou toda essa onda de otimismo nos mercados

Secretário especial da fazenda

Bolsa Família não foi prejudicado com transferência de recurso à Secom, diz Waldery

Ele lembrou que o governo decidiu prorrogar o auxílio emergencial por duas parcelas “em princípio” e que, depois da medida provisória que previa o pagamento permanente do 13º para o Bolsa Família caducar, o governo analisará o espaço orçamentário para esse medida neste ano

Efeito coronavírus

Varejo de SP tem perdas de R$ 16 bilhões durante quarentena, diz Fecomercio

O cálculo é da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), levando em consideração 72 dias de quarentena até ontem

Menos frequência, mais gasto

Redes de supermercados e atacarejos faturam 12,5% a mais em maio

Os dados são de um levantamento da GS Ciência do Consumo, empresa de inteligência analítica e soluções de tecnologia para indústria e varejo

YDUQ3 salta 10% na bolsa

BTG mantém-se neutro sobre Yduqs, mas vê ‘gatilho valioso’ após aquisição de R$ 120 milhões

Yduqs salta mais de 10% no Ibovespa; para BTG, o fraco ímpeto de lucros da companhia e a falta de catalisadores ainda justificam a cautela na recomendação

Dono da Warner Music

Len Blavatnik: o bilionário que apostou na indústria fonográfica e se tornou um dos homens mais ricos do mundo

Com o bem-sucedido IPO da Warner Music, na Nasdaq, Blavatnik, que apostou na empresa quando a indústria fonográfica desmoronava, saltou quase 20 posições na lista dos mais ricos do mundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements