Menu
2020-02-17T17:48:15-03:00
Na ponta do lápis

Estudo do Banco Central discute objetivos de modalidades de recolhimentos compulsórios

Uma das conclusões é que o nível atual dos compulsórios sobre depósitos à vista está adequado para o cumprimento de sua função

17 de fevereiro de 2020
17:48
Edifício-sede do Banco Central, em Brasília
Imagem: Rodrigo Oliveira/Caixa Econômica Federal - Flickr/BCB

Um estudo publicado nesta segunda-feira, 17, pelo Banco Central busca discutir as funções e os objetivos das principais modalidades de recolhimentos compulsórios. Uma das conclusões é que o nível atual dos compulsórios sobre depósitos à vista "parece adequado para o cumprimento de sua função de promover a fluidez do sistema de pagamentos".

O compulsório corresponde a um recolhimento, realizado pelo Banco Central, de parte dos recursos dos clientes depositados nos bancos. A partir dele, o BC controla a quantidade de dinheiro em circulação na economia e forma "colchões de liquidez" para momentos de necessidade de recursos pelos bancos.

Conforme o BC, existem três tipos de compulsórios: sobre depósitos à vista, sobre depósitos a prazo e sobre depósitos de poupança.

No primeiro caso, de acordo com o estudo do BC, os recolhimentos são feitos tendo como principal finalidade "garantir a fluidez do sistema e atender à necessidade de liquidez para realização de pagamentos ao longo do dia". "Em dezembro/2019 o total dos recolhimentos dessa modalidade era de R$ 45,5 bilhões, com uma alíquota efetiva de 19,6%, e sua incidência altamente concentrada nos maiores conglomerados bancários (93,7% do saldo representado por instituições do segmento S13 )".

Segundo o BC, "o montante atual dos compulsórios sobre depósitos à vista (cerca de 0,5% do PIB) parece adequado para a fluidez do sistema de pagamentos". "Esse percentual encontra-se, por exemplo, próximo do observado nos EUA, onde somente são requeridos compulsórios sobre depósitos à vista com a função explícita de prover fluidez para o sistema de pagamentos".

Em relação aos compulsórios sobre depósitos a prazo, o BC pontuou no estudo que eles "serviram historicamente, e principalmente durante períodos de crise, como fonte de liquidez em última instância para o sistema bancário, mecanismo de incentivo à redistribuição de liquidez no sistema e suporte à estabilidade financeira".

"Em termos de volume, com o recolhimento de R$ 244,3 bilhões em dezembro/2019, representam cerca de 53,3% do total de recursos recolhidos junto ao Banco Central", informou a instituição. "Essa modalidade de compulsórios incide principalmente sobre aplicações em CDBs/RDBs".

Ao avaliar o nível destes recolhimentos, o BC pontuou que "atualmente, a razão dos compulsórios sobre depósitos a prazo sobre o PIB (3,6%) encontra-se pouco abaixo da média histórica, mas bastante inferior ao vigente imediatamente antes das duas crises recentes (4,9% em 2008 e 6,7% em 2011)".

Conforme a autoridade monetária, "observa-se ainda que esta razão se encontra ligeiramente acima do volume liberado em períodos de crise, para um nível semelhante de crédito bancário sobre o PIB, o que sugere menos espaço, atualmente, caso haja necessidade de atuação semelhante".

O estudo do BC tratou ainda dos compulsórios sobre depósitos de poupança, que "representam fonte relevante de funding para as operações de crédito imobiliário". Conforme o BC, o montante recolhido nesta categoria "assume o papel de um colchão de liquidez, podendo ser liberado de forma a reduzir, naquele momento, os efeitos do choque de captação do sistema, contribuindo para o gerenciamento do descasamento entre ativos e passivos do crédito imobiliário".

O estudo desta segunda-feira do BC já havia sido parcialmente divulgado em outubro do ano passado, por meio do Relatório de Estabilidade Financeira (REF). Clique aqui para ver a íntegra do documento.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

votação pode ser adiada

Senado vai realizar sessão presencial em agosto

Atividades presenciais do plenário do Senado e das comissões permanentes da Casa foram suspensas em março

retomada em breve?

Mercado de trabalho parou de piorar; melhora depende do ritmo da recuperação, diz FGV

Forte alta no Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp), de 14 pontos na passagem de maio para abril, aponta mais para uma “redução no pessimismo”, segundo especialista da instituição

balanço

Diesel e gasolina fecham semestre em queda, diz Ministério de Minas e Energia

Segundo o MME, o fator de utilização das refinarias da Petrobras também foi reduzido no final do primeiro semestre

Pedra no sapato do governo

Congresso poder por obstáculo às vendas de estatais

Para o Congresso, a companhia não poderia ter transferido as refinarias para novas empresas criadas apenas para serem vendidas ao setor privado

agenda do governo

Sem privatizar estatais, governo quer liquidar Ceitec

Maior desejo do governo ainda é privatizar a Eletrobras, mas, para isso, será preciso convencer o Congresso a aprovar um projeto de lei que autorize capitalizar a companhia e reduzir a participação da União

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements