Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-10-26T09:21:15-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
PRESSÃO INFLACIONÁRIA

Economistas voltam a revisar para cima projeção para IPCA em 2020

Pressões inflacionárias neste final de ano fizeram estimativas subirem a 2,99%, segundo Relatório Focus

26 de outubro de 2020
9:21
inflação consumo
Imagem: Shutterstock

A inflação continua no centro das atenções dos investidores, com economistas de mercado ouvidos pelo Banco Central (BC) reajustando novamente para cima suas projeções para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ao final do ano.

O Relatório Focus, divulgado nesta segunda-feira (26), mostra que a mediana das expectativas para o índice oficial de inflação do País subiu 2,65% para 2,99%. Esta foi a 11ª semana consecutiva em que as estimativas são elevadas.

Os preços começam a apresentar aceleração na reta final do ano, diante dos sinais de retomada da demanda e escassez na oferta de alguns produtos, principalmente alimentícios. O IPCA-15, que coleta preços de produtos entre os dias 16 do mês anterior e 15 do mês de referência, alcançou em outubro a maior taxa para o mês desde 1995.

Outro indício de que a inflação está avançando é o Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M), usado no reajuste de contratos de aluguel no país. Ele registrou crescimento de 2,92% na segunda prévia de outubro, acumulando alta de 20,56% em 12 meses. O Focus mostra que o mercado estima agora que o índice encerre 2020 em 19,72%, acima dos 17,15% divulgados no relatório passado.

A aceleração da inflação neste final de ano resultou em reajuste nas projeções para 2021. Segundo o Focus, a mediana para o IPCA no final do ano que vem subiu de 3,02% para 3,10%.

Ainda que as expectativas para os índices de preços estejam subindo, o mercado continua acreditando que a taxa básica de juros, a Selic, fechará o ano em 2,00% ao ano. O Comitê de Política Monetária (Copom) divulga nesta quarta-feira (27) sua decisão sobre o rumo dos juros no País.

PIB e câmbio

O Relatório Focus mostra ainda que o mercado voltou a melhorar as projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2020, ainda que continuem projetando uma contração.

A mediana aponta agora para uma queda de 4,81% da economia, menos que o recuo de 5,00% estimado anteriormente. Para 2021, as projeções apresentaram leve diminuição, de alta de 3,47% para avanço de 3,42%.

Os economistas elevaram as estimativas para a taxa de câmbio ao final de 2020, passando a estimar que o dólar custará R$ 5,40, ao invés de R$ 5,35. A expectativa para 2021 também foi revisada para cima – de R$ 5,10 para R$ 5,20.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

De volta ao jogo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 6,25%

Renda fixa “voltou ao jogo”, mas ainda não dá para ficar rico. Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

entrevista

BC briga para recuperar a credibilidade e poderia ter acelerado alta da Selic, diz economista-chefe da gestora Garde

Para Daniel Weeks, BC passou mais tempo do que o necessário com a sinalização de que manteria taxa de juros muito baixas; ele avalia que aumento poderia ter sido de 1,25 ponto e que discussão sobre fim do ciclo de ajustes ainda não acabou

Seu Dinheiro na sua noite

Seguindo a rota planejada

Decisão da Selic pelo Copom, juros nos Estados Unidos, dólar em alta e muitas outras notícias que mexeram com o mercado hoje

Vai mudar

Ultrapar (UGPA3): Marcos Lutz, ex-presidente da Cosan, assumirá como CEO em janeiro de 2022

Lutz já era membro do conselho de administração da Ultrapar (UGPA3) e, após o período como CEO, deve virar presidente do colegiado

Bota para subir

Após nova alta da Selic, FMI apoia aperto monetário adotado pelo Banco Central para combater inflação

Os diretores do órgão também aprovam o compromisso do BC intervenções limitadas para conter condições desordenadas de mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies