Menu
2020-10-26T09:21:15-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
PRESSÃO INFLACIONÁRIA

Economistas voltam a revisar para cima projeção para IPCA em 2020

Pressões inflacionárias neste final de ano fizeram estimativas subirem a 2,99%, segundo Relatório Focus

26 de outubro de 2020
9:21
inflação consumo
Imagem: Shutterstock

A inflação continua no centro das atenções dos investidores, com economistas de mercado ouvidos pelo Banco Central (BC) reajustando novamente para cima suas projeções para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ao final do ano.

O Relatório Focus, divulgado nesta segunda-feira (26), mostra que a mediana das expectativas para o índice oficial de inflação do País subiu 2,65% para 2,99%. Esta foi a 11ª semana consecutiva em que as estimativas são elevadas.

Os preços começam a apresentar aceleração na reta final do ano, diante dos sinais de retomada da demanda e escassez na oferta de alguns produtos, principalmente alimentícios. O IPCA-15, que coleta preços de produtos entre os dias 16 do mês anterior e 15 do mês de referência, alcançou em outubro a maior taxa para o mês desde 1995.

Outro indício de que a inflação está avançando é o Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M), usado no reajuste de contratos de aluguel no país. Ele registrou crescimento de 2,92% na segunda prévia de outubro, acumulando alta de 20,56% em 12 meses. O Focus mostra que o mercado estima agora que o índice encerre 2020 em 19,72%, acima dos 17,15% divulgados no relatório passado.

A aceleração da inflação neste final de ano resultou em reajuste nas projeções para 2021. Segundo o Focus, a mediana para o IPCA no final do ano que vem subiu de 3,02% para 3,10%.

Ainda que as expectativas para os índices de preços estejam subindo, o mercado continua acreditando que a taxa básica de juros, a Selic, fechará o ano em 2,00% ao ano. O Comitê de Política Monetária (Copom) divulga nesta quarta-feira (27) sua decisão sobre o rumo dos juros no País.

PIB e câmbio

O Relatório Focus mostra ainda que o mercado voltou a melhorar as projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2020, ainda que continuem projetando uma contração.

A mediana aponta agora para uma queda de 4,81% da economia, menos que o recuo de 5,00% estimado anteriormente. Para 2021, as projeções apresentaram leve diminuição, de alta de 3,47% para avanço de 3,42%.

Os economistas elevaram as estimativas para a taxa de câmbio ao final de 2020, passando a estimar que o dólar custará R$ 5,40, ao invés de R$ 5,35. A expectativa para 2021 também foi revisada para cima – de R$ 5,10 para R$ 5,20.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

depois do fundo do poço

Na bolsa, Gol, Azul e CVC recuperam parte das perdas com pandemia

Avanço das vacinas empolgou o mercado todo, mas não basta para explicar o desempenho dos papéis ligadas ao setor de aviação

após atrasos

Petrobras vai concluir venda de oito refinarias em 2021, diz CEO

De acordo com o diretor de Comercialização e Logística, estatal poderá aumentar as exportações de petróleo bruto, mas a tendência é de que os novos donos das unidades adquiram a commodity no mercado interno

volta ao normal?

Aneel aprova retomada do sistema de bandeiras tarifárias a partir desta terça

Mecanismo havia sido suspenso em maio devido à pandemia do novo coronavírus, e a agência havia acionado a bandeira verde, sem cobrança de taxa extra, até o fim deste ano

seu dinheiro na sua noite

O doce novembro da bolsa

O que você considera uma boa rentabilidade mensal para os seus investimentos? Um retorno equivalente a oito vezes o que a renda fixa paga em um ano inteiro está de bom tamanho? Pois foi esse o ganho de quem investiu em novembro na bolsa — imaginando aqui a compra do BOVV11, um dos fundos que […]

Balanço do mês

Após disparada, bolsa é um dos melhores investimentos de novembro; dólar foi o pior

Bitcoin lidera o ranking, seguido do Ibovespa, que subiu mais de 15%; piores desempenhos ficaram por conta do dólar e do ouro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies