Menu
2020-10-13T16:16:03-03:00
Estadão Conteúdo
De olho no teto

‘É essencial que o regime fiscal seja mantido’, alerta diretora do BC

Fernanda Nechio citou ainda o pouco espaço fiscal no Brasil durante a crise da covid-19

13 de outubro de 2020
15:29 - atualizado às 16:16
Banco Central do Brasil
Banco Central do Brasil - Imagem: Shutterstock

A diretora de Assuntos Internacionais do Banco Central, Fernanda Nechio, afirmou nesta terça-feira, 13, que é essencial, para o Brasil, que o regime fiscal seja mantido. Durante participação virtual em evento do UBS, ela afirmou que o governo precisará voltar, após a pandemia, à agenda de reformas econômicas.

Fernanda Nechio citou ainda o pouco espaço fiscal no Brasil durante a crise da covid-19. Ao mesmo tempo, lembrou que o País adotou uma série de medidas na área econômica para combater os efeitos da pandemia. Especificamente, segundo ela, o BC adotou medidas para prover liquidez no sistema financeiro.

Para a diretora do BC, as medidas adotadas pela órgão e pelo governo vão favorecer a recuperação da economia. Por outro lado, ela pontuou que há questões relacionadas aos efeitos da reversão das medidas adotadas pelo governo durante a pandemia.

Selic

Fernanda Nechio avaliou, ainda, que a Selic (a taxa básica de juros) a 2,00% ao ano "provê significativo estímulo à economia". Ela também repetiu uma série de mensagens sobre política monetária contidas em documentos recentes do BC.

Entre ela, a avaliação de que o espaço remanescente para uso da política monetária, se houver, deve ser pequeno. A diretora do BC lembrou que a taxa de juros a 2,00% é a menor da história no Brasil.

Inflação

Para Fernanda Nechio, a inflação vista recentemente está muito relacionada ao tipo de recuperação da economia, concentrada em alguns setores. Ela citou ainda a depreciação das moedas de países emergentes, como o real do Brasil, que traz impactos para a inflação.

Apesar dos avanços mais recentes dos índices de preços, influenciados pelo câmbio e pelo avanço de produtos alimentícios, Fernanda Nechio afirmou que a inflação no Brasil "tende a ser temporária e se dissipar". Ainda assim, segundo ela, os dirigentes do BC continuam "muito vigilantes em relação à inflação".

A diretora de Assuntos Internacionais do BC também avaliou que a desaceleração da globalização, passada a pandemia do novo coronavírus, é um risco para países como o Brasil. Segundo ela, mudanças no comércio global podem trazer diversas consequências para os países.

Ao mesmo tempo, ela avaliou que as mudanças no comércio global também trazem "algumas oportunidades" para o Brasil. Fernanda lembrou que o País é um importante produtor de alimentos. "É possível termos algum ganho nisso", afirmou.

Fernanda Nechio participa nesta tarde de terça, por videoconferência, de painel "Macro Economic Policy in Transition - Perspectives from Advanced and Emerging Countries", promovido pela Reinventing Bretton Woods em parceria com o UBS.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

BASTIDORES

Entrevista: Como Ruy Hungria conseguiu lucro de 1.250% com Petrobras no dia em que a ação despencou mais de 20%

quem investe em opções têm a chance de ganhar mesmo quando os mercados estão em baixa. Foi o que aconteceu com os seguidores do Ruy

Aqui não!

SEC suspende nos EUA negociação de papéis de 15 empresas por risco a investidores

Ação tem como alvo “aparentes tentativas de mídia social para inflar de modo artificial o preço de suas ações”, diz o órgão

PANDEMIA AVANÇA

Brasil registra 1.337 mortes em 24 horas; Estados anunciam restrições

Total de casos da doença é superior a 10 milhões; taxa de mortalidade do coronavírus é de 2,41% dos infectados

Fato relevante

Banco do Brasil desmente renúncia de André Brandão

Instituição financeira diz não ter conhecimento das fontes das notícias veiculadas

Ranking dos investimentos

Ativos de risco têm mais um mês negativo com tensões e Brasília e alta dos juros futuros nos EUA

Um misto de fatores locais e externos levou o Ibovespa a ter um dos piores desempenhos do mês e o dólar, o melhor. Ouro aparece na lanterna do ranking

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies