Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-07-27T11:31:42-03:00
Estadão Conteúdo
demandas em meio à crise

Demanda de empresas por crédito cresce 12% em junho, diz Serasa

Resultados de junho foram puxados especialmente pelo setor de serviços, que apresentou alta de 15,7%, seguido da indústria e do comércio, com crescimentos de 9,3% e 8,9%, respectivamente

27 de julho de 2020
11:31
crédito débito
Imagem: Shutterstock

Levantamento realizado pela Serasa Experian revelou que a demanda por crédito das empresas cresceu 12,1% no mês de junho em comparação com maio de 2020. Este é o segundo aumento consecutivo do indicador, que em maio havia registrado alta de 12,3% ante o mês anterior.

Os resultados de junho foram puxados especialmente pelo setor de serviços, que apresentou alta de 15,7%, seguido da indústria e do comércio, com crescimentos de 9,3% e 8,9%, respectivamente.

As altas registradas nos últimos dois meses pela Serasa vêm após uma queda brusca de quase 20% na demanda por crédito em abril, pior mês para a atividade econômica no Brasil durante a pandemia do novo coronavírus.

"O segmento de serviços é um dos que mais sofreu neste cenário econômico desafiador. Com a reabertura gradual, muitas empresas estão em busca de crédito para reequilibrarem as contas e se prepararem para uma retomada do crescimento", destaca o economista da Serasa Experian, Luiz Rabi, em nota enviada ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Na análise por porte, as pequenas e médias empresas (PMEs) se destacam ao manter alta de 12,8%, mesma taxa registrada no mês anterior. Ao delimitar a análise às companhias de médio porte, porém, há um recuo de 3,8% na busca por crédito. Para as grandes empresas, houve baixa de 4,5% nos pedidos.

Entre as regiões brasileiras, a Norte foi a que apresentou maior avanço, com alta de 21,1%, seguida pelo aumento de 18,7% na região Nordeste, e de 15,6% no Sudeste. A região Sul teve alta de 4,9%, enquanto o crédito para empresas do Centro-Oeste foi 1,6% menos requisitado, após alta de 20,6% um mês antes.

Na comparação entre junho deste ano com o mesmo período de 2019, a Serasa Experian identificou a primeira alta, de 5,3%, após dois meses de queda nas avaliações interanuais. A melhora fica evidente ao analisar o desempenho dos setores, com destaque para serviços, cuja demanda por crédito aumentou 8,5% em junho deste ano ante junho de 2019.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Balanço do mês

Com alívio nos juros futuros, renda fixa atrelada à inflação é o melhor investimento de novembro; bitcoin, FII e ações ficam na lanterna

Passado o pânico com o drible do teto de gastos, queda nos juros futuros deu aos títulos com alguma parcela da remuneração prefixada espaço para se recuperar; mas ativos de bolsa continuaram sofrendo

Dia Agitado

Após receber aporte bilionário, Ânima (ANIM3) compra participação em plataforma para formação de profissionais de saúde

Através de sua controlada Inspirali, a mesma a receber o aporte mais cedo, a companhia fechou um acordo para a aquisição de 51% da IBCMED

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ômicron e Powell assustam mercados, mas criptomoedas escapam da queda; confira os destaques do dia

O fim de novembro chega carregado de expectativa para o início oficial da temporada das festas de final de ano. As tradições natalinas podem variar de família para família, mas algumas coisas são universais — como as retrospectivas pessoais e a presença do clássico “Então é Natal”, da cantora Simone, em quase 100% dos lares […]

Natal antecipado

Dividendos: Blau Farmacêutica (BLAU3) vai distribuir juros sobre o capital próprio (JCP); confira o valor por ação

A ‘data de corte’ para os proventos, que devem cair na conta dos acionistas em 15 de dezembro, é na próxima sexta-feira (3)

FECHAMENTO DOS MERCADOS

PEC dos precatórios caminha e limita queda do Ibovespa, mas índice fecha novembro no vermelho; dólar vai a R$ 5,63

A nova variante do coronavírus e o posicionamento do Fed diante das ameaças amargaram o humor dos investidores no exterior, mas o Ibovespa conseguiu se segurar nos 100 mil pontos com o noticiário político

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies