Menu
2020-06-18T20:41:40-03:00
R$ 700 bi de déficit é otimismo

Déficit pode passar de R$ 800 bilhões neste ano, diz Mansueto

m sua última estimativa oficial, o Ministério da Economia calculava um déficit primário do setor público de R$ 708,7 bilhões em 2020. Hoje, Mansueto disse que uma projeção de rombo na casa dos R$ 700 bilhões seria “otimista”

18 de junho de 2020
20:41
Mansueto Almeida
Secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O governo pode registrar neste ano um rombo superior a R$ 800 bilhões, admitiu nesta quinta-feira, 18, o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida.

Em sua última estimativa oficial, o Ministério da Economia calculava um déficit primário do setor público de R$ 708,7 bilhões em 2020. Hoje, Mansueto disse que uma projeção de rombo na casa dos R$ 700 bilhões seria "otimista".

Economistas e a Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado já projetam um déficit até maior, passando dos R$ 900 bilhões.

Diante da situação das contas, Mansueto destacou a necessidade de manter o compromisso com o teto de gastos, mecanismo que limita o avanço das despesas à inflação e hoje funciona como uma espécie de "superâncora" para sinalizar compromisso com o ajuste.

Segundo o secretário, mudar a Constituição para flexibilizar o teto "está fora de cogitação". "Se o governo não conseguir resistir à pressão (contra o teto), isso pode elevar juro, risco-país, aumentar período de restrição, carga tributária", alertou.

Ele ressaltou que o teto de gastos impede a manutenção de gastos emergenciais deste ano em 2021, a não ser que eles sejam incluídos no Orçamento e devidamente compensados. Do contrário, seria preciso mudar a Constituição.

"Se não respeitar o teto, vai ser pior", advertiu o secretário em videoconferência promovida pelo Infomoney.

O secretário disse ainda que a crise atual não é só de liquidez, é de solvência também."Não sabemos quais empresas vão sobreviver e como será comportamento de consumidor", afirmou.

Reforma tributária

Mansueto defende que o Brasil comece a reforma tributária "resolvendo vários pepinos que conhecemos".

"No Brasil, o que você paga de Imposto de Renda não depende da renda, mas do contrato de trabalho. O que se paga de IR deve depender da renda, não do contrato de trabalho", defendeu.

Segundo Mansueto, há algumas opções de ações que não são tributadas. Além disso, a contribuição patronal dos trabalhadores ao INSS é paga sobre a folha integral de salário, embora haja um teto para o pagamento de aposentadoria.

"É preferível corrigir o que está errado antes de partir para mudança radical", afirmou.

O secretário disse ainda que o País pode recuperar parte da arrecadação com a reversão de regimes especiais ou renúncias tributárias. Ele afirmou também que se, por algum motivo, o Brasil não conseguir aprovar reformas para crescer, "aí sim há risco de elevar carga tributária".

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

parada desde maio de 2019

Com dívidas de R$ 2,7 bi, Avianca Brasil entra com pedido de falência

Com dívidas que somam R$ 2,7 bilhões, a companhia aérea estava sem operar desde maio do ano passado

os dados da caderneta

Com pandemia, poupança tem captação líquida de R$ 20,5 bilhões em junho

A poupança captou R$ 84,434 bilhões no acumulado do ano. Foi o 4º mês seguido de depósitos na caderneta

Sem empolgação

Aura Minerals estreia na B3 em queda firme e com baixo volume de negociação

Os Brazilian Depositary Receipts (BDRs) da canadense Aura Minerals começaram a ser negociados hoje na B3 — mas os investidores não se mostram muito entusiasmados com o papel

efeito coronavírus?

China confirma suspensão de exportação de carne suína de unidades da BRF e da JBS

Órgão não especifica o motivo do veto, mas as plantas suspensas têm em comum o fato de já terem registrado casos do novo coronavírus entre seus funcionários

dinheiro em gestora

BNDES investe R$ 300 milhões em fundo de participações focado em médias empresas

Alaof V Brasil foi um dos quatro fundos de “private equity” selecionados por meio de chamada multissetorial realizada pelo banco em dezembro de 2018

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements