🔴 SAVE THE DATE: 22/07 – FERRAMENTA PARA GERAR RENDA COM 1 CLIQUE SERÁ LIBERADA – CONHEÇA

Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
No 0 a 0

Credit Suisse reduz previsão de PIB do Brasil para zero em 2020

Instituição prevê agora que o país terá uma recessão no primeiro semestre do ano, com contração de 0,1% no primeiro trimestre do ano e de 1,6% no segundo

Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
17 de março de 2020
17:13 - atualizado às 17:16
Gráfico indicando queda
Gráfico indicando queda - Imagem: Shutterstock

O Credit Suisse cortou a projeção de crescimento do PIB do Brasil em 2020 de 1,4% para 0,0%, de acordo com relatório divulgado pelo banco. A instituição prevê agora que o país terá uma recessão no primeiro semestre do ano, com contração de 0,1% no primeiro trimestre do ano e de 1,6% no segundo — ambos comparados com o trimestre imediatamente anterior.

Segundo o banco, o desempenho da economia brasileira nos primeiros três meses do ano foi menos afetado pelo impacto do surto do novo coronavírus, já que o país foi um dos últimos a apresentar a propagação da doença.

"Consequentemente, o impacto do coronavírus nos indicadores econômicos não foi relevante entre janeiro e fevereiro, mostrando os primeiros sinais negativos apenas na primeira quinzena de março", diz o banco suíço.

O Credit Suisse supõe uma recuperação econômica do país no segundo semestre do ano, com acelerações nos dois últimos trimestres. No entanto, ainda assim não se pode descartar uma contração mais significativa do produto, informa o banco, citando o tempo que o governo levará para conter o impacto do vírus.

"A resposta da política econômica anticíclica deve ser mais restrita agora
do que na Crise Financeira Global de 2008", diz o Credit, mencionando que naquela ocasião o governo empregou a política monetária e fiscal para reagir aos efeitos do choque. O momento atual, no entanto, indica capacidade limitada de usar ambas as ferramentas.

"O juro da política monetária já está em nível expansionista
limitando o espaço para fortes estímulos monetários", diz o banco.

Por causa da deterioração das contas fiscais, o governo, segundo o Credit Suisse, se concentra em antecipar pagamentos ao setor privado e adiar pagamentos de impostos do setor privado ao governo. Como resultado, a grosso dessas medidas não representa "novos gastos".

Apesar do menor espaço para estímulos fiscais e monetários em comparação com o última crise global, o banco vê as instituições privadas do setor não-financeiro com um sólido balanço patrimonial e um sistema financeiro capitalizado, o que deve reduzir a probabilidade de contágio do setor financeiro.

O banco também prevê agora contração de 1,5% no PIB da América Latina em 2020, considerando o distanciamento social para brecar a pandemia do novo coronavírus e o declínio acentuado nos preços de algumas commodities. Seria o pior nível de crescimento desde 2009, quando o PIB regional encolheu 2%.

Os países que mais sofrerão com os choques são aqueles com as economias mais abertas, ou seja, México — cuja projeção de PIB passou de avanço de 0,7% para queda de 4% — e Chile — cuja previsão foi de crescimento de 1,8% para contração de 1,5% —, segundo o Credit Suisse.

Compartilhe

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas operam mistas antes do payroll dos EUA e paralisação dos auditores da Receita pressiona governo federal

7 de janeiro de 2022 - 7:57

O Ibovespa ainda registra queda na casa dos 3% e o exterior morno não deve ajudar o índice brasileiro

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas e bitcoin (BTC) caem após ata do Fed, e Ibovespa deve aprofundar queda com risco fiscal do cenário doméstico

6 de janeiro de 2022 - 8:00

Os índices dos Estados Unidos tiveram uma queda expressiva ontem (05) após a divulgação do documento, e o Ibovespa, que já ia mal, piorou ainda mais

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas operam com cautela no exterior antes da ata do Fed e cenário doméstico permanece atento ao risco fiscal; ações de tecnologia caem lá fora após cerco da China contra setor

5 de janeiro de 2022 - 7:56

O coronavírus se espalha pelos países, que batem recordes de casos registrados nas últimas 24h e situação pode comprometer a retomada das atividades

ESPECIAL SEU DINHEIRO

Relembre os principais eventos que fizeram você ganhar e perder dinheiro em 2021

31 de dezembro de 2021 - 8:30

Se você chorou ou sorriu em 2021, o importante é que, como sempre, não faltaram emoções durante o ano. E isso inclui os seus investimentos.

E o teto de gastos?

‘Responsabilidade social não significa irresponsabilidade fiscal’, diz Goldfajn, ex-presidente do BC

1 de novembro de 2021 - 7:06

Atual presidente do conselho do Credit Suisse no país, Ilan Goldfajn vê com preocupação os recentes movimentos do governo no front fiscal

buscando saídas

Bolsonaro diz que governo trabalha com alternativas para financiar Auxílio Brasil

31 de outubro de 2021 - 7:36

O Ministério da Cidadania já confirmou que o reajuste no Bolsa Família será apenas para R$ 240 em novembro e o governo conta com a aprovação da PEC dos precatórios para fazer um pagamento maior a partir de dezembro.

SOB PRESSÃO

Furo no teto e Guedes na corda bamba elevam apostas para os próximos passos da Selic; contratos de DI atingem oscilação máxima

22 de outubro de 2021 - 13:15

Hoje os olhos do mercado se voltam para o próprio Guedes, com temores de que o ministro seja o próximo a pular fora do barco. A curva de juros reage

Renda fixa vive

Com lambança fiscal do Auxílio Brasil, taxa dos títulos do Tesouro Direto já rende quase 1% ao mês

21 de outubro de 2021 - 11:13

Quem investir hoje no título do Tesouro Direto prefixado com vencimento em 2031 leva para casa um retorno de 12,10% ao ano, o equivalente a 0,9563% ao mês

Vamos com calma

Cuidado fiscal: Presidente da Câmara quer PEC dos Precatórios dentro do teto de gastos

24 de agosto de 2021 - 13:06

Arthur Lira (PP-AL) afirma que vai conversar com o STF para que a corte faça a intermediação com o governo para encontrar uma solução

Tendência da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro abre em queda de mais de 1% enquanto dólar avança hoje

19 de agosto de 2021 - 9:04

Os bons dias da bolsa brasileira parecem ter ficado para trás e o clima da eleição de 2022 tomou conta das decisões do Congresso

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar