Menu
2020-03-30T18:21:56-03:00
Estadão Conteúdo
CORONAVÍRUS

Coronavírus não pode ser desculpa; economia não ia acelerar como imaginado, diz pesquisador da FGV

Mais cedo, a FGV informou que o PIB cresceu 0,7% em janeiro ante dezembro de 2019. No acumulado em 12 meses até janeiro, o crescimento foi de 1,1%, o mesmo ritmo do crescimento econômico nos últimos três anos, destacou Considera

30 de março de 2020
18:21
mascara_coronavirus_galeao_abr_29022000123
Passageiros e funcionários circulam vestindo máscaras contra o novo coronavírus (Covid-19) no Aeroporto Internacional Tom Jobim- Rio Galeão - Imagem: Fernando Frazão/Agência Brasil

O choque negativo provocado pela pandemia do novo coronavírus pegou a economia brasileira num ritmo de crescimento igual ao visto entre 2017 e 2019, com avanços próximos de 1,0% no Produto Interno Bruto (PIB) e, por isso, não pode ser culpado pelo "desastre" econômico, afirmou nesta segunda-feira, 30, o pesquisador Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB, apurado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

Mais cedo, a FGV informou que o PIB cresceu 0,7% em janeiro ante dezembro de 2019. No acumulado em 12 meses até janeiro, o crescimento foi de 1,1%, o mesmo ritmo do crescimento econômico nos últimos três anos, destacou Considera.

"O coronavírus não pode ser desculpa para o desastre. A economia não ia acelerar este ano como todo mundo imaginava", afirmou o pesquisador do Ibre/FGV, completando que, mesmo antes da covid-19 se espalhar pelo mundo, já não via impulso em termos de investimento e de consumo na economia brasileira.

Na visão de Considera, o choque da pandemia deverá atingir a economia como um todo, com algumas raras exceções, como a agropecuária e o comércio varejista de bens essenciais, como supermercados. Para piorar, quando o pior da pandemia passar, o quadro de falta de investimentos e consumo moderado voltará, sem capacidade de impulsionar a atividade.

Nesse quadro, o governo terá que ampliar os gastos públicos com investimentos mais à frente, além de acelerar as concessões de infraestrutura, não podendo ficar restrito a medidas de mitigação de curto prazo e às despesas com saúde, disse Considera. Isso porque os investimentos já estavam deprimidos antes da pandemia e as empresas tinham capacidade ociosa.

Como o choque de oferta da pandemia se dá pelo lado da disponibilidade de mão de obra (as pessoas não podem trabalhar por causa das medidas de isolamento social), a capacidade ociosa tenderá a se manter elevada, afirmou Considera. O processo de recuperação após passar o pico da pandemia ficaria, portanto, mais restrito à simples recontratação ou retorno ao trabalho de empregados parados.

"A economia não vai crescer sem investimento e não vai investir com capacidade ociosa", afirmou Considera.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

decisão judicial

Justiça ordena religação de internet do governo do RJ; Oi alega inadimplência

Empresa acusa o governo do Estado de ter uma dívida com a empresa desde 2017 – hoje ela está em R$ 300 milhões

promessa de ipo

Locaweb compra ConnectPlug por R$ 18 milhões e avança em segmento de alimentação

Empresa comprada começou em food services mas hoje também atende outros segmentos, com foco em pequenas e médias empresas

seu dinheiro na sua noite

Mais fácil falar que fazer

Hoje foi um daqueles dias em que as falas dos detentores do poder no cenário doméstico até repercutiram no mercado, mas foram sobrepostas pelos fatos e pelo que aconteceu no exterior. O mercado local começou o dia animado com as apresentações do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes, no badalado evento […]

perspectivas

Para Verde e SPX, auxílio emergencial por mais três meses não é preocupante

Luis Stuhlberger e Rogério Xavier dizem que a medida pode ser necessária, caso a vacinação demore demais; ambos veem 2021 positivo para os mercados

FECHAMENTO

Aceno liberal do governo não convence e bolsa fecha o dia no vermelho; na contramão, dólar cai mais de 3%

Em evento do Credit Suisse, Bolsonaro e Guedes reafirmaram o compromisso com o andamento das reformas e das privatizações, mas o mercado espera ações mais concretas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies