Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-03-30T18:21:56-03:00
Estadão Conteúdo
CORONAVÍRUS

Coronavírus não pode ser desculpa; economia não ia acelerar como imaginado, diz pesquisador da FGV

Mais cedo, a FGV informou que o PIB cresceu 0,7% em janeiro ante dezembro de 2019. No acumulado em 12 meses até janeiro, o crescimento foi de 1,1%, o mesmo ritmo do crescimento econômico nos últimos três anos, destacou Considera

30 de março de 2020
18:21
mascara_coronavirus_galeao_abr_29022000123
Passageiros e funcionários circulam vestindo máscaras contra o novo coronavírus (Covid-19) no Aeroporto Internacional Tom Jobim- Rio Galeão - Imagem: Fernando Frazão/Agência Brasil

O choque negativo provocado pela pandemia do novo coronavírus pegou a economia brasileira num ritmo de crescimento igual ao visto entre 2017 e 2019, com avanços próximos de 1,0% no Produto Interno Bruto (PIB) e, por isso, não pode ser culpado pelo "desastre" econômico, afirmou nesta segunda-feira, 30, o pesquisador Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB, apurado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

Mais cedo, a FGV informou que o PIB cresceu 0,7% em janeiro ante dezembro de 2019. No acumulado em 12 meses até janeiro, o crescimento foi de 1,1%, o mesmo ritmo do crescimento econômico nos últimos três anos, destacou Considera.

"O coronavírus não pode ser desculpa para o desastre. A economia não ia acelerar este ano como todo mundo imaginava", afirmou o pesquisador do Ibre/FGV, completando que, mesmo antes da covid-19 se espalhar pelo mundo, já não via impulso em termos de investimento e de consumo na economia brasileira.

Na visão de Considera, o choque da pandemia deverá atingir a economia como um todo, com algumas raras exceções, como a agropecuária e o comércio varejista de bens essenciais, como supermercados. Para piorar, quando o pior da pandemia passar, o quadro de falta de investimentos e consumo moderado voltará, sem capacidade de impulsionar a atividade.

Nesse quadro, o governo terá que ampliar os gastos públicos com investimentos mais à frente, além de acelerar as concessões de infraestrutura, não podendo ficar restrito a medidas de mitigação de curto prazo e às despesas com saúde, disse Considera. Isso porque os investimentos já estavam deprimidos antes da pandemia e as empresas tinham capacidade ociosa.

Como o choque de oferta da pandemia se dá pelo lado da disponibilidade de mão de obra (as pessoas não podem trabalhar por causa das medidas de isolamento social), a capacidade ociosa tenderá a se manter elevada, afirmou Considera. O processo de recuperação após passar o pico da pandemia ficaria, portanto, mais restrito à simples recontratação ou retorno ao trabalho de empregados parados.

"A economia não vai crescer sem investimento e não vai investir com capacidade ociosa", afirmou Considera.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

ÚLTIMO ADEUS?

De malas prontas para deixar a B3, Banco Inter (BIDI11) reverte prejuízo em lucro líquido de R$ 19,2 milhões no terceiro trimestre

O banco digital também celebrou a marca de 14 milhões de clientes no período, um salto de 94% na comparação com o terceiro trimestre de 2020

Tecnologia em foco

As big techs na balança: veja como foi o trimestre de Google, Microsoft e Twitter

Três das principais big techs americanas reportaram seus balanços nesta noite; veja como se saíram Alphabet/Google, Microsoft e Twitter

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Pressão nos juros, Elon Musk mais rico e o brilho das ações das elétricas

As projeções de bancos e economistas para a alta da Selic não param de subir. É possível ver essa tendência semanalmente no boletim Focus, divulgado toda segunda-feira pelo Banco Central, em relatórios de diversas casas de análise e na curva dos juros futuros — que não param de ser revisados para patamares cada vez mais […]

ACIONISTAS FELIZES

Farra dos dividendos: Santander (SANB11), Klabin (KLBN11) e Porto Seguro (PSSA3) anunciam proventos; banco espanhol vai pagar R$ 3 bilhões aos acionistas

Confira mais detalhes sobre os valores por ação, previsão para o pagamento e a data-limite para entrar na festa de cada uma das três empresas

MERCADOS HOJE

Ibovespa volta a cair mais de 2% na véspera da decisão do Copom; inflação salgada e fiscal deteriorado comandaram o dia

O mercado financeiro aguarda ansioso pelas palavras do BC, que devem pesar a recente deterioração do cenário fiscal e a elevação dos preços. O Ibovespa teve novo dia de perdas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies