Menu
2020-05-27T12:40:58-03:00
EFEITO CORONAVÍRUS

Compras com cartões desaceleram ritmo e crescem 14,1% no 1º tri, diz Abecs

Trata-se do menor crescimento desde 2007, conforme a entidade.

27 de maio de 2020
12:40
pagamento cartão h
Imagem: Shutterstock

O setor de cartões movimentou R$ 475,7 bilhões no primeiro trimestre deste ano, cifra 14,1% maior que a vista um ano antes, conforme balanço divulgado nesta quarta-feira, 27, pela Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs). O ritmo mostra uma desaceleração frente ao crescimento apresentado até então por conta das medidas de isolamento adotadas para conter a propagação do novo coronavírus no País.

"Estávamos crescendo em um ritmo de 19%. Com o fechamento de grande parte do comércio em meados de março, esse crescimento teve queda e reduzimos a um ritmo de 14,1%. Mesmo assim, com os reflexos vistos na economia, tivemos um crescimento muito robusto", avaliou o presidente da Abecs, Pedro Coutinho, em coletiva de imprensa, pela manhã.

Por modalidade, os brasileiros movimentaram R$ 297,7 bilhões com cartões de crédito, alta de 14,1%, R$ 170,8 bilhões com cartões de débito, aumento de 12,5%, e R$ 7,1 bilhões com cartões pré-pagos, salto de 78,9%. Em quantidade, o segmento registrou um total de 5,8 bilhões de transações com cartões no primeiro trimestre, avanço de 15,3% ante o mesmo período do ano passado.

De acordo com o presidente da Abecs, o setor de cartões sentiu em março o impacto da pandemia e deve ter deixado de transacionar cerca de R$ 20 bilhões. Com isso, o segmento movimentou R$ 148,6 bilhões, com alta de 3,4% em comparação com março de 2019. Trata-se do menor crescimento desde 2007, conforme a entidade.

Pesou, sobretudo, o impacto do setor nas capitais do País, que, em geral, iniciaram o processo de isolamento antes das demais cidades. O volume transacionado com cartões nessas metrópoles caiu, na média, 2,1% em março, enquanto no restante dos municípios houve crescimento médio de 8%, segundo a Abecs. Também influenciou a queda dos gastos dos brasileiros no exterior que, por outro lado, sofreu influência do aumento do dólar.

Por outro lado, a pandemia motivou novas tecnologias no setor. Os pagamentos digitais realizados por meio do e-commerce, aplicativos e outros tipos de transações remotas somaram R$ 86,7 bilhões no primeiro trimestre, com crescimento de 23,2% em um ano. Assim como o e-commerce, a compra por aproximação teve um salto de expansão de 456% no período, movimentando R$ 3,9 bilhões.

Projeções

A Abecs espera que o setor de meios de pagamentos no Brasil movimente cresça entre 1% e 3% neste ano, totalizando R$ 1,9 trilhão. O crescimento, se confirmado, representará uma forte desaceleração frente ao ano passado, quando o segmento teve aumento de 18,7%.

De acordo com o presidente da Abecs, essa é uma primeira projeção e pode ser alterada em meio ao cenário econômico, impactado pela pandemia do novo coronavírus.

No primeiro trimestre, o setor de cartões movimentou R$ 475,7 bilhões, cifra 14,1% maior que o visto um ano antes.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

vice da república

Recuperação da economia depende de avanço nas reformas, diz Mourão

Em live do Banco Credit Suisse Brasil, Mourão também justificou a aproximação do governo com o grupo de cerca de 200 deputados que compõem os partidos do centro

parada desde maio de 2019

Com dívidas de R$ 2,7 bi, Avianca Brasil entra com pedido de falência

Com dívidas que somam R$ 2,7 bilhões, a companhia aérea estava sem operar desde maio do ano passado

os dados da caderneta

Com pandemia, poupança tem captação líquida de R$ 20,5 bilhões em junho

A poupança captou R$ 84,434 bilhões no acumulado do ano. Foi o 4º mês seguido de depósitos na caderneta

Sem empolgação

Aura Minerals estreia na B3 em queda firme e com baixo volume de negociação

Os Brazilian Depositary Receipts (BDRs) da canadense Aura Minerals começaram a ser negociados hoje na B3 — mas os investidores não se mostram muito entusiasmados com o papel

efeito coronavírus?

China confirma suspensão de exportação de carne suína de unidades da BRF e da JBS

Órgão não especifica o motivo do veto, mas as plantas suspensas têm em comum o fato de já terem registrado casos do novo coronavírus entre seus funcionários

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements