Menu
2020-05-28T18:51:53-03:00
EFEITO CORONAVÍRUS

Com crise, Previ adia diversificação de carteira e não descarta déficit em 2020

O diretor de Investimentos da Previ, Marcelo Wagner, não descarta fechar o ano com déficit, sem bater a meta atuarial (de rentabilidade).

28 de maio de 2020
12:52 - atualizado às 18:51
Bandeira do Brasil em meio a tempestade
Brasil - Imagem: Shutterstock

A turbulência detonada pelo novo coronavírus levou a Previ, maior fundo de pensão do País, a rever sua estratégia de investimentos em 2020. Diante da crise nos mercados, o fundo dos funcionários do Banco do Brasil suspendeu até segunda ordem a decisão de vender ativos da carteira de renda variável - ações em bolsa e participações em empresas - e o plano de investir quase R$ 5 bilhões na diversificação de seu portfólio.

Com um patrimônio total de R$ 184,58 bilhões, o fundo já trabalha com uma queda do Produto Interno Bruto (PIB) superior a 6% no ano para o Brasil. O diretor de Investimentos da Previ, Marcelo Wagner, não descarta fechar o ano com déficit, sem bater a meta atuarial (de rentabilidade). "É possível que isso aconteça com todo o segmento (de fundos de pensão)", disse o executivo, em entrevista ao Estadão/Broadcast.

Classificada pela instituição como "a maior crise do último século", a pandemia levou a Previ a amargar no primeiro trimestre resultado negativo de R$ 23,6 bi no Plano 1, de benefício definido, que detém a maior fatia de seus recursos.

O segmento mais afetado nos três primeiros meses do ano foi o de renda variável, com queda de 26% na rentabilidade. Embora significativo, o recuo foi menor que o do Ibovespa (-36,86%), principal índice do mercado de ações brasileiro.

A alocação da carteira de seu principal plano ao fim de março era dividida em renda fixa (49,44%), renda variável (39,81%), investimentos imobiliários (6,71%), operações com participantes (3,34%), investimentos estruturados (0,56%) e investimentos no exterior (0,13%).

"A Previ tem um portfólio de empresas extremamente sólido e uma carteira de títulos públicos muito aderentes aos nossos passivos. Essas duas pré-condições (liquidez e qualidade da carteira) fazem com que a gente consiga passar com certa tranquilidade pela crise", disse.

Hoje, os 12 maiores ativos detidos pela Previ - como Vale, Petrobrás, Neoenergia e Banco do Brasil - somam 89% do valor da carteira de ações. Wagner explicou que o projeto de desconcentração está parado por hora. Como tem compromissos de longo prazo, a Previ não pretende vender participações abaixo do valor justo.

O mesmo raciocínio vale para o plano de diversificação, que previa investimentos de quase R$ 5 bilhões em fundos imobiliários, multimercados e investimentos no exterior. "A trajetória de diversificação a crise não muda. O que fizemos foi suspender por ora, até que o ambiente de incerteza melhore e haja condição de ver a retomada com mais clareza", afirmou Wagner.

Teste de estresse

A fundação tem monitorado de perto também sua liquidez. Testes de estresse mostram que, se ficasse sem receber dividendos e aluguéis, a Previ poderia honrar o pagamento mensal de R$ 1 bilhão em aposentadorias até o segundo semestre de 2021. Segundo Wagner, mesmo que a crise avance por 2022 há meios para evitar a venda de ativos na "bacia das almas", isto é, na baixa.

Com investimentos em imóveis e shoppings centers como o Morumbi e o Parque da Cidade, em São Paulo, a Previ não tem enfrentado renegociações relevantes de aluguéis. No caso dos shoppings, fechados em razão do isolamento social, Wagner admitiu que haverá redução de fluxo de caixa a curto prazo.

Na renda fixa, o fundo tem apostado na compra de títulos do Tesouro NTN-B. Até aqui, foram R$ 2,5 bilhões. Para a Previ faz sentido investir nesses papéis por terem baixo risco e vencimentos que casam com seu passivo.

O diretor de investimentos adiantou que, se o Brasil tiver uma trajetória de recuperação mais lenta, a Previ poderá investir mais no exterior para capturar ganhos em economias com retomada em V (forte queda, mas recuperação rápida). No mercado de ações o que está mais no radar é o potencial crescimento da Ásia, que já ensaia uma recuperação.

As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

os dados da caderneta

Com pandemia, poupança tem captação líquida de R$ 20,5 bilhões em junho

A poupança captou R$ 84,434 bilhões no acumulado do ano. Foi o 4º mês seguido de depósitos na caderneta

Sem empolgação

Aura Minerals estreia na B3 em queda firme e com baixo volume de negociação

Os Brazilian Depositary Receipts (BDRs) da canadense Aura Minerals começaram a ser negociados hoje na B3 — mas os investidores não se mostram muito entusiasmados com o papel

efeito coronavírus?

China confirma suspensão de exportação de carne suína de unidades da BRF e da JBS

Órgão não especifica o motivo do veto, mas as plantas suspensas têm em comum o fato de já terem registrado casos do novo coronavírus entre seus funcionários

dinheiro em gestora

BNDES investe R$ 300 milhões em fundo de participações focado em médias empresas

Alaof V Brasil foi um dos quatro fundos de “private equity” selecionados por meio de chamada multissetorial realizada pelo banco em dezembro de 2018

Oferta na Nasdaq

Cogna pode “destravar valor” com com IPO da Vasta e ação sobe forte

Metade do dinheiro captado no IPO vai para o caixa da Cogna, que detém 100% da Vasta e é credora de R$ 1,6 bilhão em debêntures emitidas pela empresa de sistemas de ensino para educação básica

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements