Menu
2020-06-02T20:23:05-03:00
Ministério atualiza dados

Brasil registra mais de 31 mil mortes por covid-19

De 526.447 casos confirmados, 223.638 pacientes foram recuperados

2 de junho de 2020
20:23
brasil pessoas compras coronavírus crise inflação pib
Niterói, Rio de Janeiro. 11 de maio de 2020: Idoso anda na rua com sacolas de supermercado durante o período de isolamento social. - Imagem: Shutterstock

O balanço diário divulgado hoje (2) pelo Ministério da Saúde trouxe 28.936 novas pessoas infectadas com o novo coronavírus, totalizando 555.383. O resultado marcou um acréscimo de 5,4% em relação a ontem (27), quando o número de pessoas infectadas estava em 526.447.

A atualização do Ministério da Saúde revelou 1.262 novas mortes, chegando a 31.199, o maior número de óbitos em 24 horas desde o início da pandemia. O resultado representou um aumento de 4,2% em relação a ontem, quando foram contabilizados 29.937 falecimentos por covid-19.

Em geral, aos domingos e segundas os números são menores em razão das limitações de alimentação do banco de dados pelas secretarias de saúde aos fins de semana e são maiores ás terças-feiras pelo acúmulo de registros dos dias anteriores.

Do total de casos confirmados, 300.546 estão em acompanhamento e 223.638 foram recuperados. Há ainda 4.312 óbitos sendo analisados.

São Paulo se mantém como epicentro da pandemia no país, concentrando o maior número de falecimentos (7.994). O estado é seguido pelo Rio de Janeiro (5.686), Ceará (3.421), Pará (3.040) e Pernambuco (2.933).

Além disso, foram registradas mortes no Amazonas (2.102), Maranhão (997), Bahia (736), Espírito Santo (664), Alagoas (482), Paraíba (379), Rio Grande do Norte (341), Minas Gerais (289), Rio Grande do Sul (245), Amapá (237), Paraná (199), Distrito Federal (177), Piauí (180), Rondônia (172), Sergipe (172), Santa Catarina (148), Acre (165), Goiás (151), Roraima (120), Tocantins (79), Mato Grosso (70) e Mato Grosso do Sul (20).

Já em número de casos confirmados, o ranking tem São Paulo (118.7556), Rio de Janeiro (47.953), Ceará (53.073), Amazonas (43.195) e Pará (41.207). Entre as unidades da federação com mais pessoas infectadas estão ainda Maranhão (36.625), Pernambuco (35.508), Bahia (21.430), Espírito Santo (15.151) e Paraíba (14.859).

De acordo com o mapa global da universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos, o Brasil é o 2o colocado em número de casos, atrás apenas dos Estados Unidos (1,82 milhão). O país é o 4o no ranking de mortes em decorrência da covid-19, atrás de Itália (33.530), Reino Unido (39.451) e Estados Unidos (106.046). A posição do país desce quando os números são comparados à população.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Bolsa em alta

Petrobras e Vale têm ganhos firmes e puxam a recuperação do Ibovespa; dólar cai

Dados mais fortes na China deram forças ao setor de commodities, impulsionando as ações da Vale e da Petrobras e ajudando o Ibovespa como um todo

Presidente da Câmara

Câmara deve retomar debate sobre reforma tributária na 4ª, diz Maia

O presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), aguardava a retomada da comissão mista, que reúne deputados e senadores, mas não foi possível, por isso, dará continuidade apenas na Câmara

Lael Brainard

Para diretora do Fed, é excepcionalmente importante admitir que ventos contrários vão durar

Nesse contexto, a diretora Lael Brainard defendeu os apoios fiscal e monetário como cruciais para sustentar o quadro econômico, no contexto atual da pandemia

Projeções para a bolsa

“Não é trivial romper a barreira dos 100 mil pontos do Ibovespa”, diz Beker, do Bank of America

David Beker, chefe de economia e estratégia do Bank of America no Brasil, falou sobre sua visão para a economia global e o comportamento do Ibovespa nos próximos meses

gigante aérea americana

Delta tem prejuízo de US$ 5,7 bilhões no 2º trimestre e estima que levará mais de dois anos para se recuperar

No mesmo período do ano passado, a aérea teve lucro de US$ 1,44 bilhão. Delta diminuiu em 70% a queima de caixa em junho, em comparação aos últimos dias de março. Ações caem 2% em Nova York

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements