Menu
2020-09-19T09:37:57-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
críticas ao governo

Para Bill Gates, uma medida de Trump pode ter acelerado o contágio pelo coronavírus

Voz crítica ao governo americano durante a pandemia, o bilionário apontou uma medida do presidente dos EUA que não ajudou a segurar a doença nos EUA

19 de setembro de 2020
9:31 - atualizado às 9:37
bill gates
bill gates - Imagem: Shutterstock

Bill Gates voltou a criticar o governo de Donald Trump, nos Estados Unidos, pela gestão do combate ao novo coronavírus no País.

Em entrevista ao canal FoxNews, o bilionário falou de uma medida específica do presidente americano no início da trajetória da covid-19 pelas Américas.

Para o fundador da Microsoft, a proibição de viagens implementada por Trump no início deste ano pode ter acelerado a disseminação do coronavírus nos EUA.

Bill Gates disse que a proibição fez com que milhares de pessoas voltassem para o país, mas que a falta de medidas de segurança no retorno fez com que o vírus se espalhasse de forma mais intensa.

As medidas que o país poderia ter implementado naquele momento a qual o executivo se refere não são diferentes do que se falou no Brasil desde o início da pandemia: isolamento social e testes em massa.

"Nós criamos essa corrida e não tínhamos a capacidade de testar ou colocar essas pessoas em quarentena", disse o bilionário, segundo o canal americano. "Março registrou uma incrível explosão [em número de casos] - a Costa Oeste [do país] vindo da China e a Costa Leste saindo da Europa".

O bilionário e a pandemia

Bill Gates se tornou uma das principais vozes nos EUA a falar sobre o combate ao novo coronavírus - eventualmente, criticando Trump. Em algumas ocasiões, o executivo disse que o país cometeu uma série de erros na gestão da crise de saúde.

"Tínhamos critérios de abertura que diziam que você tinha que ter casos em declínio [na região] e abrimos com casos aumentando ", disse Gates em julho à CBS News.

"De alguma forma, conseguimos politizar as máscaras … e alguns viram [o não uso] como prenúncio de liberdade, que apenas cobrir a boca era horrível", declarou àquela época.

Ainda em abril, o bilionário elencou em seu blog pessoal três passos fundamentais para lidar com a pandemia. Seria estes:

  1. Uma abordagem consistente, em nível nacional, para a quarentena
  2. O governo precisaria aumentar o número de testes
  3.  Uma abordagem baseada em dados para desenvolver tratamentos e vacinas

O texto foi escrito em meio ao ápice das incertezas nos mercados financeiros - bolsas em todo o mundo haviam derretido menos de um mês antes - e os Estados Unidos já eram bastante criticados pela gestão do combate a covid-19.

Bill Gates também entrou em conflito com outro bilionário: Elon Musk. O fundador da Tesla era contra as medidas de distanciamento social.

Elon Musk insistia em reabrir fábricas na Califórnia e chegou a chamar as medidas de isolamento de "fascistas". Ao que Bill Gates disse:

"Ele não está muito envolvido com vacinas. Ele faz um ótimo carro elétrico e seus foguetes funcionam bem. Então, ele tem permissão para dizer essas coisas. Mas espero que ele não confunda áreas”.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Necessidade econômica

Reação do mercado de trabalho na pandemia depende de condição sanitária, diz IBGE

A população ocupada encolheu em 8,373 milhões de pessoas em um ano, enquanto o total de desempregados aumentou em 2,294 milhões.

Subindo

Insumo no atacado tem forte alta em 12 meses, diz FGV

Em 12 meses, registraram a maior alta da série iniciada em agosto de 1995.

Informalidade

País tem taxa de informalidade de 39,5% no trimestre até dezembro, mostra IBGE

Em apenas um trimestre, mais 2,391 milhões de pessoas passaram a atuar como trabalhadores informais

A combinação perfeita

Depois da cerveja e do hambúrguer, Lemann faz grande aposta em educação

Agora, um dos donos da cervejaria ABInBev está no caminho de ter em sua carteira de investimentos, na qual já figuram empresas como Lojas Americanas, Burger King e Kraft Heinz

Banco Central

Superávit nominal do setor público soma R$ 17,928 bi em janeiro, mostra BC

O resultado nominal representa a diferença entre receitas e despesas do setor público, já após o pagamento dos juros da dívida pública

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies