Menu
2020-01-24T17:23:02-03:00
de olho na inflação

BC está confortável com inflação após choque de proteína, diz Campos Neto

“Há um gap de política monetária que a gente tenta comunicar. É importante, porque parte do que foi feito não está totalmente dissipado”, afirmou em seguida

24 de janeiro de 2020
17:23
20/08/2019 Cerimônia de Lançamento do IPCA para Crédito Imobi
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. - Imagem: Alan Santos/PR

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, reiterou nesta sexta-feira, 24, que a instituição está confortável com os níveis de inflação, após o choque da proteína, e enfatizou que a política monetária tem um "gap" para ter efeito e que "parte do que foi feito ainda não está totalmente dissipado".

"Temos enfatizado que nesse cenário (com choque da proteína) estamos confortáveis com a inflação. O choque veio mais rápido e mais intenso, mas também se dissipa mais rápido", disse, em evento da XP Investimentos, numa referência ao recente aumento de preços das carnes. "Há um gap de política monetária que a gente tenta comunicar. É importante, porque parte do que foi feito não está totalmente dissipado", afirmou em seguida.

Campos Neto também ressaltou que tem visto um efeito de medidas microeconômicas, com aumento da potência da política monetária e melhora dos canais de transmissão. Esse é um fator, segundo ele, que tem se somado à análise do ambiente doméstico nas reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom).

Reformas

O presidente do Banco Central afirmou que as reformas econômicas seguem importantes para a política monetária e reiterou que o Brasil não pode ser limitar à reforma da Previdência. "Tem a tributária, a administrativa, o pacto federativo, é importante seguir, pois o claramente o movimento dos juros está associado a isso", disse.

Campos Neto lembrou que na gestão do seu antecessor, Ilan Goldfajn, o juro começou a cair quando o mercado entendeu que a PEC do Teto era "séria".

'Lag desconhecido'

O presidente do BC afirmou que há um "lag desconhecido" em relação aos efeitos da política monetária que está associado às medidas microeconômicas que a instituição tem implementado e que é "muito difícil de prever".

Campos Neto fez uma analogia com um sistema de encanamento. "Numa política monetária em que o sistema está um pouco entupido, há um lag que tentamos modelar em cima dessas medidas (microeconômicas). Estamos trocando o encanamento e ao mesmo tempo aumentando a pressão (monetária). Em cima desse lag há fatores novos, que são um terreno não navegado. Eu sei que a política monetária vai ser mais potente, mas há lag que é desconhecido", declarou.

Ele ressaltou que o BC se guia pela meta de inflação e disse que nunca passou a mensagem de que mandato tenha mudado. "Temos tomado várias medidas e essas medidas têm um gap", voltou a dizer.

Saída de estrangeiros

O presidente do Banco Central afirmou ainda que participou de evento no exterior nos últimos dias e disse que ficou com a "sensação" de que a saída dos estrangeiros do Brasil não ocorre "porque eles não gostam ou porque há percepção de piora do Brasil", mas sim porque, com a queda do juros, o efeito migratório fez o preço da Bolsa subir e, quando os estrangeiros comparam com outras regiões, como a Ásia, veem oportunidades melhores. "Estamos nesse desequilíbrio, mas, se continuarmos fazendo o nosso dever de casa, os estrangeiros vão voltar e não haverá reversão do fluxo institucional, no sentido de sair", disse o dirigente, em evento da XP Investimentos.

Desaceleração global

Campos Neto afirmou que, no ambiente externo, o pior da desaceleração econômica parece já ter passado. "O crescimento mundial, parece que existe conclusão, na última reunião com banqueiros centrais, que estabilizou. A definição de estabilizar é diferente de que encontrou um fundo, é mais fácil dizer que estabilizou, há lenta recuperação", disse.

Segundo Campos Neto, há incerteza sobre a Ásia, em relação ao crescimento, principalmente quanto à Índia e vizinhos. Também há, segundo ele, incerteza quanto ao impulso fiscal dado nos Estados Unidos, se a economia dos EUA será capaz de se sustentar com o fiscal já dissipado.

EUA-China

O presidente do Banco Central disse que o comércio mundial é um tema que preocupa e que, para além do conflito entre Estados Unidos e China, há mudanças estruturais que também merecem atenção. "Na nossa opinião, a questão comercial não é só o tema EUA-China. Há elementos mais estruturais. O comércio passou 20 anos crescendo mais que o PIB. Depois da crise de 2008, começou a crescer menos. Dos temas globais, é um dos mais relevantes", comentou.

Campos Neto afirmou também que o "rebalanceamento" da economia chinesa tem afetado emergentes e reiterou a importância de o Brasil se concentrar em uma abertura comercial "direcionada". Destacou ainda que, pela primeira vez, as projeções de crescimento do Brasil estão maiores que as previstas para a América Latina. "Os ventos na América Latina, que quase sempre jogam a favor, agora estão nos freando", afirmou.

Importação de carnes pela China

O presidente do BC afirmou que haverá mudança estrutural na importação de carne por parte na China. "Com a alta de renda per capita em áreas mais pobres da China, a importação pode subir", disse.

Campos Neto deu a declaração enquanto falava sobre as perspectivas para o comércio exterior. Para ele, há novos elementos estruturais no comércio global. No entanto, considera que ainda há incerteza sobre a trajetória do comércio exterior.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Entrevista

Para Deutsche Bank, política ambiental de Bolsonaro prejudica investimento estrangeiro no país

Para Deepak Puri, diretor da área de Wealth Management nas Américas do Deutsche Bank, mesmo assim Brasil deve registrar uma recuperação mais forte neste ano.

Ganhando terreno

Carrefour anuncia aquisição de 30 lojas do Makro por R$ 1,95 bilhão

O plano da varejista é converter as bandeiras das unidades para Atacadão dentro de até um ano após fechar a transação

AS LIÇÕES 'FIRE' DO BILIONÁRIO

O que você perguntaria a Warren Buffett?

Aos 89, o mago de Omaha tem muito a ensinar a quem procura dar um gás nos seus investimentos em busca da sua aposentadoria precoce

Risco de lascas de vidro

Heineken anuncia recall voluntário de lotes de long neck com problemas na garrafa

A empresa identificou alteração na embalagem que pode levar lasca de vidro a ser aberta

Após imbróglio com os russos

Fertilizantes Heringer homologa plano de recuperação judicial

Segundo Fato Relevante divulgado ontem pela companhia, o plano foi homologado pelo juízo da 2ª Vara Cível da Comarca de Paulínia

Impostos

Decreto para zerar tributo em querosene de aviação sai neste ano, diz Secretário

O governo vai editar um decreto para zerar, a partir de 2021, a incidência de PIS/Cofins sobre o combustível utilizado em aeronaves.

Entrevista

‘A grande vacina é a continuidade das reformas’, diz Ana Paula Vescovi, economista do Santander

Banco revisou para baixo previsão de crescimento para 2020, após indicadores fracos.

Mudança de hábitos

A ordem do dia é gastar menos do que se ganha e não dever nada a ninguém

Lembre-se: o governo, qualquer que seja ele, de esquerda, direita, centro, vai te trair um dia, se é que já não traiu, como aconteceu no caso de minha aposentadoria.

Sacada de marketing

Após fala polêmica de Paulo Guedes, startup fará sorteio para levar doméstica à Disney

Simplypag vai custear viagem a Orlando para um empregado doméstico e um acompanhante depois de ministro causar mal-estar com fala sobre “domésticas indo para a Disney” quando o dólar estava baixo.

Mais lidas

O caminho dos fundos imobiliários

Ontem eu publiquei uma matéria no Seu Dinheiro sobre como até as melhores aplicações ultraconservadoras (aquelas com liquidez diária e mínimo risco de calote) estão perdendo da inflação ou ficando no zero a zero. Você pode conferi-la aqui. Mas por que estou falando deste assunto? A reportagem não ficou entre as mais lidas da semana, […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements